O contato pele a pele é comprovadamente essencial para os bebês e também para a puérpera por uma série de razões. Esse laço se desenvolve por meio de uma série de ações que devem ser colocadas em prática desde o momento do nascimento.

Hoje em dia o próprio sistema de saúde busca cada vez mais formas de permitir e estimular o contato entre mãe e bebê logo após o parto. Por meio de pesquisas foi possível observar que o contato proporciona benefícios para o bebê e os adultos que o rodeiam.

Neste artigo você irá conferir os 11 principais motivos para investir no contato pele a pele e quais são as melhores formas de se fazer isso.

O contato pele a pele deve iniciar no momento do parto

O contato pele a pele é muito precioso, sobretudo porque muitas mulheres se prepararam durante muito tempo para o momento do parto. Na ocasião elas precisam depositar toda a sua potência, pois esse é o encontro mais importante da sua vida.

Publicidade

Durante muito tempo, bebê e mãe passam o tempo todos juntos, dividindo o mesmo espaço. E essa união precisa continuar mesmo após o nascimento. Mas o primeiro passo para que o contato pele a pele possa acontecer é que a mãe passe a sensação de realmente querer ficar ao lado do seu bebê.

É recomendado que isso ocorra o mais rapidamente possível, visto que para a espécie humana, assim como para qualquer outra mamífera, a separação é muito prejudicial.

O vínculo começa a se estabelecer nesse momento e a microbiota da pele da mãe é transferida para a criança.

Com isso, as defesas da criança começam a se desenvolver desde cedo. Além disso, com a proximidade, ocorre o ajuste dos padrões respiratórios e circulatórios do bebê.

Atualmente, o sistema de saúde possui diretrizes claras para que mãe e bebê fiquem juntos desde o primeiro momento, contanto que ambos estejam saudáveis e que a mulher deseje esse contato.

Por mais que o contato pele a pele deva ser estimulado desde o nascimento, isso deve fazer parte da rotina nos primeiros meses de vida da criança.

Publicidade

Depois disso, os momentos de contato e afeto devem continuar por toda a infância e vida adulta, visto que o ser humano necessita de laços afetivos para viver bem. 

Conheça os 11 motivos para investir no contato pele a pele

1.  Diminuição do estresse da mãe e do bebê

O parto é um evento estressante para mãe e bebê, visto que leva os dois ao limite. A mãe precisa depositar a sua potência e energia no evento.

Ela é então inundada de hormônios que agem para que ela se interesse pela criança e deseje cuidar dela.

E o bebê deixa a segurança e o conforto do útero para então chegar a um mundo totalmente desconhecido, onde ele precisa começar a respirar e se desenvolver.

Logo após o nascimento começa a parecer o reflexo de sucção, que faz com que o bebê busque pelo seio da mãe.

Publicidade

Apesar disso ser muito intenso logo após o parto, o contato deve ser mantido para que se desenvolva um laço forte entre a mãe e o bebê.

A sensação de união, afeto e proteção ajuda a manter os dois envolvidos mais calmos, para que consigam superar essa fase tão intensa e cansativa que é o pós-parto.

Por um lado, a mãe tem o controle hormonal, que a estimula a cuidar e amar o seu bebê. E tem a criança, que se sente protegida e estabelece o laço de afeto com a sua cuidadora. Isso diminui o estresse nos dois.

2.  Prevenção na depressão pós-parto

A depressão pós parto é um problema frequente nas puérperas, que traz consequências para a mãe e para o bebê.

Quando isso ocorre, a mulher se sente muito triste e acaba se afastando da criança, o que compromete o desenvolvimento do laço afetivo entre os dois.

Com o contato pele a pele desde o momento do nascimento, os hormônios femininos são liberados com maior eficiência.

Isso ajuda a evitar que a mulher se sinta triste e, acima de tudo, que negue o contato e os cuidados com a criança.

3.  Aumento do aleitamento materno

Quando mãe e filho ficam em contato pele a pele, é como se os corpos deles se comunicassem, o que facilita a amamentação.

Isso porque a proximidade aumenta os níveis de ocitocina, o principal hormônio relacionado à amamentação e a redução do estresse.

Tal prática faz tanto com que a mulher produza mais leite, quanto que ela fique calma e tranquila para que consiga amamentar a criança adequadamente.

4.  Possibilita a oxigenação adequada

Quando o corpo da criança fica em contato com a pele de um adulto, ocorre uma espécie de sincronização do ritmo respiratório e circulatório.

Isso é muito importante, visto que o organismo do recém-nascido é imaturo e ainda não aprendeu a controlar o seu próprio equilíbrio adequadamente.

5.  Melhoria no desenvolvimento emocional do bebê

O recém nascido passou 9 (nove) meses na proteção do útero materno e, de repente, se vê em um ambiente frio, cheio de luzes e sons diferentes.

Além disso, ele sente fome, uma sensação totalmente nova para ele, provocando uma grande insegurança e medo, o que abala o seu emocional.

Sendo assim, o bebê precisa do contato direto com os adultos que o cercam para que se sinta protegido novamente.

Com o contato pele a pele, o bebê geralmente para de chorar e consegue estabilizar a respiração e frequência cardíaca. Isso o deixa calmo e seguro.

6.  Melhoria do sono, proporcionando tranquilidade ao bebê

O contato pele a pele ajuda a manter a criança calma e tranquila em todos os momentos do dia. Mas isso é facilmente percebido pela qualidade do sono do pequeno.

Sentindo-se mais seguro e calmo, o bebê consegue dormir mais profundamente durante períodos de tempo mais longos.

7.  Diminuição do choro, maior controle e alívio da dor do bebê

Existem estudos que sugerem que os bebês que permanecem no colo por mais tempo, ficam calmos e tranquilos, inclusive em momentos como a vacinação, por exemplo.

Existem estudos que sugerem que os bebês que têm o contato pele a pele como parte da sua rotina possuem uma percepção diferente da dor para o resto da vida.

Isso acontece porque as modificações cerebrais são tantas que permitem que a criança se sinta bem quando recebe afeto.

8.  Maior interação entre a mãe o bebê, promovendo o fortalecimento desse vínculo

Os momentos juntos durante a rotina de cuidados, amamentação e de colo ajudam a fortalecer os vínculos entre pais e filhos.

Com isso, todos os envolvidos na rotina da criança acabam interagindo mais com ela e, assim mantendo laços mais estreitos que perduram para o resto da vida.

9.  Aumento e estabilidade da temperatura corporal

O contato pele a pele é excelente para aproximar o bebê dos seus cuidadores, mas também traz benefícios diretos para a sua saúde.

Durante o contato, a microbiota da pele do adulto é transferida para a pele da criança, fazendo com que as defesas comecem a se desenvolver. Isso é excelente para a pele e também para o intestino.

Assim, cria-se uma proteção eficiente contra uma série de agentes patogênicos que provocam prejuízos para o bebê. E quando ocorre algum desequilíbrio no organismo da criança, o contato pele a pele também ajuda a restabelecer.

Além de ajustar novamente o padrão circulatório e respiratório, os momentos de proximidade fazem com que o corpo da criança controle a sua temperatura, ajudando inclusive em episódios de febre.

10.  Menos episódios de apneia, isto é, as paradas respiratórias durante o sono

Como já foi dito, estar bem juntinho com o bebê o ajuda a aprender o padrão respiratório adequado. Com isso, os seus pulmões se desenvolvem adequadamente e o corpo consegue executar a respiração de forma suficiente.

Assim, durante o sono o bebê continuará respirando de forma satisfatória, diminuindo a ocorrência de paradas respiratórias, conhecidas como apneia.

11.  Aceleração do desenvolvimento sensorial e cognitivo

Os bebês passam em média nove meses na segurança do ventre materno e, de repente, chegam a um mundo totalmente novo.

Por mais que isso seja necessário, é bastante estressante para um recém-nascido. E em alguns casos, os procedimentos realizados nos hospitais aumentam ainda mais os níveis de estresse dos pequenos.

Dessa forma, o desenvolvimento cerebral se dá de uma maneira inadequada, como não foi programado originalmente.

Mas o contato pele a pele é uma estratégia bastante eficiente, que ajuda a resgatar o desenvolvimento cerebral, cognitivo e comportamental adequados, o que continua a ser estimulado pelos momentos de carinho durante toda a infância.

Melhores maneiras de estimular o contato pele a pele

contato pele a pele

O contato pele a pele é essencial a partir do nascimento. Mas, mesmo em crianças maiores, ele pode ser estimulado por meio de cuidados simples na rotina.

Veja a seguir quais são as principais maneiras de se estabelecer o contato pele a pele com a criança:

Amamentação

Quando desejada pela mãe, a amamentação é um momento único, em que o bebê é nutrido, mas também recebe colo, proteção e se sente seguro.

Além disso, por meio do leite materno a criança recebe anticorpos que são essenciais para que ela fique imune a uma série de doenças.

Enquanto isso, na mulher, ocorre a liberação de ocitocina, o hormônio do prazer e amor, que faz com que ela se sinta tranquila.

Por isso, sempre que possível isso deve ser estimulado, pois traz benefícios para mãe e filho. Essa é a melhor forma de manter o contato pele a pele.

Hora do sono

Tem gente que fica com medo de ninar o bebê ou deixá-lo dormir no colo porque isso pode deixar a criança mal acostumada.

Entretanto, a hora do sono pode ter um ritual de afeto, que envolve carinho, um pouco de colo e até cuidados com a pele que deixem a criança mais calma e fortaleça os vínculos.

Você pode também deixar o bebê dormir em um sling, pois isso favorece o contato pele a pele.

Banho

Aproveite a hora do banho para investir no contato pele a pele, lavando a criança com calma e fazendo deste um momento realmente prazeroso.

Use um sabonete líquido de qualidade, que ajude a deixar esse momento ainda mais especial.

Troca de fraldas

Para esse momento, vale a mesma premissa da hora do banho, procurando deixar o bebê tranquilo nesse momento.

Mas não se esqueça de usar uma boa fralda e uma pomada contra assaduras que favoreçam o contato.

Massagens

Massagear a pele da criança é uma das melhores maneiras de investir no contato pele a pele e deixar o pequeno calmo e seguro.

O contato pele a pele não é apenas para mães e bebês

A mãe é quem carrega a criança e que participa do processo de parto e de amamentação. Consequentemente, o vínculo do bebê com a figura materna acaba sendo mais intenso, sobretudo nas primeiras semanas de vida.

No entanto, o colo e os cuidados com a criança devem ser realizados por todos os envolvidos na vida do bebê, principalmente aqueles que moram na mesma casa.

Por isso, é importante que o pai também seja muito presente e também se esforce para desenvolver essa relação de carinho com o filho.

A maioria dos motivos para investir no contato pele a pele se aplicam também para o pai da criança, bem como para avós, irmãos e demais cuidadores.

Sendo assim, é preciso que o bebê tenha uma grande rede, com pessoas que o amem e que cuidem dele com muito afeto, para que possa se sentir seguro e se desenvolver adequadamente.

Conclusão

Viu só quantos motivos existem para investir no contato pele a pele? Isso pode beneficiar tanto os adultos quanto as crianças.

Para deixar os momentos de cuidados ainda mais especiais, escolha os produtos da Pom Pom, que são desenvolvidos pensando em oferecer segurança às mães e proteção aos bebês.

Se você quiser saber mais sobre eles, acesse o site da Pom Pom. E se quer mais informações sobre o contato pele a pele, baixe o guia completo no site.

E não se esqueça, para evitar alergias, assaduras e até dermatites graves, prefira usar fraldas com canal superabsorvente, como é o caso da Pom Pom Derma Protek, fralda pensada especialmente para o cuidado da pele delicada do bebê, possuindo loção hidratante com extratos naturais e canal superabsorvente que garante a pele 2x mais sequinha.