Se você nunca teve infecção urinária, provavelmente conhece alguém que já passou por isso: vontade constante de fazer xixi, dor ao ir ao banheiro e dificuldade para urinar, com apenas algumas gotinhas saindo de cada vez.

As infecções do trato urinário são um problema extremamente comum, que pode afetar mulheres e homens, bebês e idosos, sem hora para ocorrer.

São tão frequentes porque, em sua origem, costumam estar ligadas as bactérias que já existem no nosso corpo: até 80% dos casos estão relacionados à Escherichia coli, que vive no intestino.

infecção urinária

Mulher com a mão na barriga – Foto: Freepik

Publicidade

Principais sintomas

A infecção urinária é causada por bactérias que vivem entre a vagina e o ânus. Na verdade, o problema não são as bactérias, comuns nessa região.

A complicação acontece quando essas bactérias migram para a bexiga, podendo até chegar aos rins. Quando isso acontece, muito provavelmente irá surgir uma infecção.

Pielonefrite

infecção urinária

Mulher com roupão roxo – Foto: Freepik

Se as bactérias não alcançarem os rins, o problema, conhecido como cistite, fica apenas concentrado na bexiga. Mas se seguirem para os rins, a infecção, nomeada de pielonefrite, se torna mais grave. Nesse estágio é comum vir acompanhada por:

  • febre alta;
  • calafrios;
  • dor na região lombar.

No entanto, para evitar complicações sérias, basta começar o tratamento o mais cedo possível. Caso contrário, há risco da infecção avançar pelo organismo, podendo até matar.

Infecção urinária: sintomas comuns

infecção urinária

Imagem explicando infecção urinária – Foto: Freepik

Publicidade

A infecção urinária pode desencadear uma série de sintomas, mas também pode aparecer de maneira assintomática. As principais manifestações clínicas da infecção urinária são:

  • Dor ou ardência ao urinar;
  • Necessidade urgente de urinar;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Incontinência urinária;
  • Urina turva;
  • Urina com cheiro forte;
  • Dores na região inferior do abdome e dores lombares;
  • Calafrios.

Cerca de 30% das mulheres vão apresentar na vida infecção urinária leve ou grave.

Porque as mulheres comumente tem infecção urinária?

infecção urinária

Imagem ilustrativa

Alguns fatores podem contribuir para que a mulher tenha infecção urinária:

Anatomia feminina

A uretra da mulher é curta (de quatro a cinco centímetros) e próxima à região onde as bactérias costumam ficar. Esse curto caminho favorece que as bactérias cheguem à bexiga.

Menopausa

Nesse período da vida da mulher, a diminuição do estrogênio tem como uma de suas consequências a predisposição à infecção urinaria, isso porque altera a flora vaginal, a qualidade do tecido da vagina e da uretra, deixando a entrada das bactérias na região mais fácil e o ambiente mais propício para a colonização.

Publicidade

 

 

Relações sexuais

Por mais convencional que seja o ato sexual, ele é um fator de risco. Tanto é verdade que a “cistite da lua de mel”, conhecida popularmente, é a infecção urinaria que pode acontecer depois da relação sexual, já que o pênis pode ajudar a levar bactérias para dentro da vagina.

Histórico familiar

Se há um histórico materno de infecções urinárias frequentes, é possível que a filha tenha alguns episódios do problema durante a vida também.

Uso de Fraldas

Os idosos, devido à incontinência urinaria, precisam usar as fraldas geriátricas com frequência. A fralda é abafada, úmida, se tiver com urina, esse ambiente é favorável para o aumento das bactérias na região vaginal. Além disso, o idoso tem mais predisposição ao problema já que a imunidade pode estar mais baixa com o avanço da idade.

Outros maus hábitos como beber pouca água, sentir vontade de urinar e não ir ao banheiro e falta de cuidados com a higiene pessoal também podem ser uma porta aberta para o problema.

Diagnóstico de infecção urinária

infecção urinária

Mulher de vestido vermelho – Foto: Freepik

Quando a paciente tem infecção urinária, o primeiro passo antes de tratar é reconhecer qual é a bactéria responsável pelo problema. A cultura de urina é fundamental.

Se o paciente estiver tomando um remédio antes de realizar a cultura, o exame já dará negativo e se for assim, não vai ser possível determinar qual é a causa do problema.

Caso seja a primeira vez que a paciente faz a queixa dos sintomas da infecção urinária, o ideal é que um exame de imagem também esteja associado para o diagnóstico.

Homem segurando pote de urina – Foto: Freepik

Sem os exames e conhecer o histórico da paciente, fica difícil definir se aqueles sintomas não estão ligados ao cálculo renal. Essa pode ser uma possibilidade. O cálculo obstrui a urina que já está infectada com as bactérias. Sendo assim, o paciente continuará com todos os sintomas da doença.

É importante que quem sofre com essa complicação busque assistência médica e evite a automedicação.

Quem toma remédio por conta própria pode, ao invés de se livrar logo das dores ao urinar, fortalecer uma bactéria que não deveria permanecer no organismo.

“Não adianta tomar antibiótico sem identificar a causa”

Caso o paciente esteja em estado crítico, onde seja observada a possibilidade da doença evoluir para uma infecção generalizada, com falência de órgãos, outras medidas poderão ser tomadas.

Cabe aos profissionais de saúde envolvidos com o problema a gestão da melhor maneira para tratar e cuidar de cada paciente.

Tratamento de infecção urinária

O tratamento para infecção urinária normalmente é feito com o uso de antibióticos receitados por um médico, para eliminar o excesso de bactérias, como Escherichia coli, que estão causando a infecção.

Mulher de calcinha segurando placa – Foto: Freepik

No entanto, também existem alguns remédios caseiros, como o suco de arando, que podem tratar a infecção quando está surgindo ou que podem ser usados apenas para completar o tratamento médico.

Além disso, é ainda importante ter alguns cuidados, como beber água e manter a higiene genital adequada, para acelerar a recuperação e evitar que a infecção volte a surgir.

Como prevenir as infecções urinárias recorrentes?

Existem mulheres que sofrem de infecções urinárias várias vezes ao ano e, nestes casos, o médico pode recomendar um tratamento de prevenção para evitar as recidivas através da ingestão diária de uma baixa dose de antibióticos, caso as infeções estejam relacionadas com a atividade sexual.

Laboratório com pote de urina – Foto: Freepik

Além disso, para evitar infecções urinárias recorrentes, a pessoa também pode tomar remédios naturais por um longo período de tempo ou imunoterápicos.

Além dos remédios e opções naturais, durante o tratamento para infecção urinária, recomenda-se não tomar nenhum outro medicamento sem o conhecimento do médico e beber cerca de 1,5 a 2 litros de água por dia, o que ajuda a eliminar as bactérias do organismo.