Você está preocupado porque o seu filho, até então alegre e confiante, de repente começa a ter medo de estranhos e não te abandona um passo. Fique calmo! Seu bebê acaba de entrar no próximo estágio de desenvolvimento. Ele é acompanhado por ansiedade de separação, que surge no segundo ano de vida. 

barriga pós-parto

Mãe com bebê no colo. Foto: Freepik

A ansiedade da separação acompanha muitas crianças, algumas delas a experimentam muito intensamente, em outras é quase imperceptível e outras ainda não a sentem. Sua causa não foi estabelecida.

O que é ansiedade de separação?

A ansiedade de separação, um sintoma do medo da criança de se separar de sua mãe, que é todo o seu mundo e a pessoa mais importante nela, é um tipo de ansiedade cognitiva e de desenvolvimento.

Publicidade

Em certo estágio da vida, o bebê simplesmente começa a notar as outras pessoas e o fato de que a mãe é um elemento essencial à parte. Ao mesmo tempo, ele desenvolve um vínculo profundo com seus parentes (especialmente com sua mãe).

barriga pós-parto

Mãe segurando o bebê. Foto: Freepik

A ansiedade de separação é um estágio natural de desenvolvimento – toda criança passa por ele. Na maioria das vezes aparece por volta dos 7 meses de vida de uma criança e geralmente passa antes dos 3 anos de idade… No entanto, há crianças que sentem ansiedade por muito mais tempo.

Embora não haja nenhuma regra, uma coisa é certa: a ansiedade da separação diminui à medida que a criança cresce.

De onde vem a ansiedade de separação?

Em primeiro lugar – mais ou menos quando a criança tem 6 meses, ela começa a perceber que ela e sua mãe não são uma pessoa só e é mais normal no mundo temer que a pessoa mais querida simplesmente a deixe.

barriga pós-parto

Mãe com bebê no colo. Foto: Freepik

Publicidade

Segundo, a criança pensa um pouco diferente dos adultos. Este esquema é bem captado pelo ditado “longe da vista, fora do coração”.

Sintomas de ansiedade de separação

A ansiedade de separação em bebês e crianças pequenas se manifesta principalmente por acessos de choro, pânico e histeria, que ocorrem com mais frequência quando a mãe está se preparando para sair de casa.

Além disso, a criança tem medo de estranhos, é tímida e evita o contato com outras pessoas. Pode acontecer que a situação se traduza em problemas para adormecer ou comer.

primeiros indícios de surdez na criança

Mãe e bebê deitados na cama. Foto: Freepik

As crianças mais velhas que experimentam ansiedade de separação sentem medo ao pensar na separação de seus entes queridos. Muitas vezes choram, ficam histéricas e ficam com raiva quando a mãe tenta deixá-las (aos cuidados de uma babá ou no jardim de infância) e vai embora.

Acontece que crianças com medo têm pesadelos e dores de cabeça psicossomáticas ou de estômago. A regressão do desenvolvimento pode ser observada à medida que o distúrbio continua.

Publicidade

O que fazer se a ansiedade da separação não for embora?

 

Se a ansiedade de separação se prolonga ou se intensifica de forma alarmante, começa a ser acompanhada de sintomas fisiológicos, como cefaleia ou dor abdominal, vale a pena consultar um psicólogo.

Negligências neste nível podem resultar em problemas em fases posteriores da vida, manifestando-se na falta de independência ou problemas de relacionamento.

  • Veja também: Castigo resolve? – Especialistas analisam os efeitos do castigo na criança

Como posso lidar com isso?

Algumas crianças experimentam ansiedade de separação com calma, outras dramaticamente. O que fazer para ajudar seu filho a se acostumar com essa situação?

Ansiedade da separação

Jovem com bebê no colo – Foto: Freepik

  • O mais importante é proporcionar à criança uma sensação de segurança, amor, compreensão e bondade. Dê atenção e tempo ao seu filho, esteja por perto.
  • Vale a pena acostumar seu filho a ser cuidado por outras pessoas além da mãe o mais rápido possível. Sair de casa, mesmo que por pouco tempo, para acostumar seu bebê ao fato de ele também ser cuidado por outras pessoas, e para dar um recado claro – você sai, mas você volta.
  • Não fuja. Quando uma criança percebe que você desapareceu repentinamente, ela se sente enganada, abandonada e perde a confiança nas pessoas mais próximas. É importante dizer que você está indo, e quando você voltar (diga de uma forma que seja compreensível para uma criança – não opere por uma hora e diga “depois do almoço” ou “quando o papai vai lhe dar banho”).
  • Rituais antes de sair funcionam bem – um beijo, tchau, fechar a porta. Os rituais organizam o mundo da criança, dão-lhe uma sensação de segurança e a rotina e a previsibilidade permitem-lhe domar o medo. Não prolongue suas despedidas.
  • Uma pessoa que cuida da criança na ausência da mãe deve poder cuidar dela com algo interessante, não pode tocar na criança com histórias e comentários sobre a mãe.
  • Vale a pena mostrar (de certa forma provar à criança) que quando algo não é visível, não significa que deixou de existir.
  • Não ensine seu filho a se apegar a você em todos os lugares. Deixe-o ser livre. Deixe-o conhecer o mundo a partir da sua perspectiva, deixe-o aparecer em vários contextos, não só com a mãe, nos braços dela, perto.
  • Lembre-se de que o nível de ansiedade é agravado pela fome, fadiga, doença ou qualquer outra situação que afete o seu bem-estar.
  • Não desista de sair de casa só porque o bebê está chorando – você sabe exatamente o que vai ensinar a ele com isso, certo?

Quanto tempo dura a ansiedade de separação?

Ansiedade da separação

Mulher abraçando bebê – Foto: Freepik

Os especialistas afirmam que, no que diz respeito à ansiedade de separação, ela atinge seu pico desde os 1,5 anos de idade até os 2,5 anos.

Como ajudar uma criança com ansiedade de separação?

Vamos começar com o fato de que você não deve cometer o erro fundamental de fugir de casa despercebido. Os pais costumam fazer isso para evitar o choro da criança e a visão de seu rosto ressentido.

Ansiedade da separação

Mãe, bebê pequeno e pai felizes no jardim. Foto: Freepik

Sim, essa tática é conveniente para os pais, mas, como resultado, pode aprofundar os medos da criança.

Faça a adaptação

Se você está deixando seu bebê com uma nova babá, é uma boa ideia ficar em casa por um ou dois dias. Este tempo permitirá que a criança se acostume com a nova pessoa, dando a ela o status de “seu”.

Lembre-se de que toda vez que seu filho fizer uma conexão com ela (eles estão se divertindo ou rindo), afaste-se.

Se a criança estiver absorta em alguma brincadeira atraente, ela não se concentrará na separação.

Quando chegar a hora de você ir embora, vá até seu filho, dê um beijo nele, diga um breve “tchau” e vá embora. Mesmo que ela chore, não volte. Nada de errado está acontecendo e a criança, mais cedo ou mais tarde, retornará a brincadeira que começou.

Diga tchau sem drama e tristeza. Sorria e fique calmo, mesmo depois que seu filho já cruzou os limites da histeria.

Certifique-se de ir para casa depois de fazer as coisas. Você pode dizer adeus com uma frase engraçada para aliviar um pouco a tensão. E apenas saia.

Nenhum pai quer que seu filho se sinta triste. Não! Gostaríamos de proteger as crianças de todas as emoções desconfortáveis ​​do mundo. Infelizmente, isso não é possível e não valeria a pena.

A criança deve aprender a conviver com o estresse, a tristeza e outros sentimentos dolorosos e desagradáveis. Ela também precisa aprender a lidar com o estresse. E esta é uma daquelas lições.

Leia mais sobre: