Criança com dislexia: Ter um filho com dislexia requer comprometimento da escola e da família para ajudá-lo a entender um texto e manter a atenção. É importante saber se comportar para não desmoralizá-lo.

A dislexia não é uma doença, mas um distúrbio de aprendizagem que consiste na dificuldade de ler e compreender um texto.

Os primeiros sinais aparecem quando as crianças ainda são pequenas, mas só se tornam evidentes entre os 4 e 5 anos de idade.

criança lendo

Criança pensando e escrevendo – Foto: Freepik

Publicidade

Quando uma professora reconhece que uma criança pode ser disléxica, ela requer a intervenção de um médico para confirmar a hipótese.

Embora não seja uma doença, ter um filho com esse transtorno pode ser difícil para os pais. Despreparados, eles se perguntam como podem ajudar seus filhos sem criar desconforto ou dificuldades de interação e aprendizagem.

Com que idade ocorre a dislexia?

A dislexia é uma doença congênita, presente desde o nascimento:

“Na verdade, é constatado um componente genético significativo, de caráter familiar e hereditário. Porém, é com o início da aprendizagem escolar dos processos de leitura e escrita que a dislexia se manifesta mais claramente.

Nem todas as dificuldades de leitura, no entanto, são dislexia

Deve-se lembrar que nem todas as crianças que inicialmente mostram dificuldades em adquirir os fundamentos da leitura são disléxicas.

Muitas recuperam espontaneamente as dificuldades iniciais e atingem níveis absolutamente normais de competência em um tempo relativamente curto.

Como a dislexia é diagnosticada?

Se tiver alguma dúvida de que seu filho é disléxico, deve consultar o pediatra. O diagnóstico é feito por uma equipe multidisciplinar composta por neuropsiquiatria infantil, psicóloga e fonoaudióloga.

Publicidade

O que não fazer se a criança for disléxica?

Não devemos prejudicar sua autoestima. Portanto, professores e pais devem evitar fazer comparações com outras crianças ou ridicularizar ou repreender a criança pelos erros que ela comete.

Por outro lado, é importante incentivar sempre a criança, porque dificulta, mas no final ela aprende como os outros e a dislexia não a impedirá de alcançar as satisfações escolar e profissional.

Também pode ser inútil, até mesmo prejudicial, insistir que a criança leia em voz alta (ou aprenda um poema de cor), porque isso não faz nada além de cansar a criança e causa-lhe frustração. No longo prazo, isso pode até fazê-la odiar a leitura.

Dislexia: exercícios de aprendizagem

Criança deitada com sorriso – Foto: Freepik

A dislexia na escola é administrada por meio de ferramentas compensatórias para garantir à criança disléxica a oportunidade de aprender por conta própria.

Os exercícios são técnicas de aprendizagem utilizadas por meio do uso de computadores ou outro equipamento específico. A estes está associado um plano didático e uma metodologia adequada ao caso.

Publicidade

O objetivo é compensar as dificuldades dos alunos disléxicos, concentrando-se em suas habilidades e potencial. A criança deve ser capaz de realizar as tarefas de forma independente.

Mas como um pai pode ajudar uma criança com dislexia?

Criança lendo – Foto: Freepik

A interação e comunicação dos pais com o professor é essencial.

Em casa, mamãe e papai podem ajudá-lo com a leitura. Por exemplo, eles serão capazes de ler o texto para a criança mais de uma vez, a fim de fazê-la compreender totalmente o texto.

Outro exercício é pedir à criança que conte o que foi lido. O objetivo do resumo oral é garantir que a criança tenha prestado atenção e compreendido as partes principais do texto.

Os pais também serão capazes de criar mapas conceituais com a criança, incluindo as palavras-chave do texto e das imagens. As imagens, de fato, são muito úteis no caso de dislexia. Nesse ponto, a criança pode acompanhar a releitura do trecho.

A última etapa é ter o trecho novamente resumido oralmente seguindo o mapa conceitual que pode ser enriquecido com novas informações, incluindo texto e desenhos.

Criança com dislexia: Por que os videogames de ação podem ajudar?

Os videogames de ação são caracterizados por estímulos muito rápidos, que aparecem na tela sem saber onde e quando, principalmente na visão periférica, e requerem coordenação sensorial e motora precisa para planejar a ação a ser realizada a partir da percepção dos estímulos.

Assim, melhorar suas habilidades de atenção é funcional para o tratamento e a prevenção. Propomos, portanto, integrar os tratamentos tradicionais de reabilitação com a utilização de jogos de ação que atuam nos circuitos cerebrais multissensoriais (auditivos e visuais) da atenção.

Criança com dislexia: Conselhos para pais

Criança lendo livro – Foto: Freepik

A dislexia deve ser abordada passo a passo, tanto para o professor quanto para os pais. Organizar o dever de casa para seu filho disléxico exige esforço. Não existe um método padrão no tratamento de casos de dislexia, então você deve experimentar até encontrar o mais adequado.

Devem ser evitados castigos, reprovações e críticas. E fazer a criança mudar de classe não resolve o problema.

Por isso, é importante planejar, saber o que fazer e como se comportar com a criança disléxica enquanto auxilia no estudo.

Para facilitar a aprendizagem, pode ser útil o uso de material didático que envolva e interesse a criança. A curiosidade na criança deve ser sempre nutrida. Os audiolivros também são muito úteis aqui. É importante que a criança participe ativamente da leitura; é preciso envolvê-la sem forçá-la.

Para desenvolver sua capacidade de concentração e memória, é útil fazer com que a criança jogue cartas ou jogos de tabuleiro (quebra-cabeça, memória) e treine sua memória com poemas simples e rimas ou canções infantis.

Ler livros de ficção diferentes a ajudará a aprender novas palavras e interagir com outras pessoas. Outra dica é pedir a alguém que conte, comente e fale sobre o que foi visto na TV.

É importante eliminar ou remover quaisquer fatores de distração. Como acontece com todos os distúrbios de aprendizagem e atenção, uma janela ou objeto sobre a mesa também pode desviar a atenção da leitura e compreensão do texto.

Criança com dislexia: Converse com a criança disléxica

Um aspecto que não deve ser subestimado é a importância de conversar com a criança sobre seu problema. Ele deve adquirir consciência e acima de tudo compreender que não é uma doença e que não deve se sentir inferior aos outros companheiros.

A criança só precisa de mais tempo para entender o que está lendo e isso não significa que não saiba ler ou que não goste de ler. É fundamental reconhecer os resultados ao final de cada exercício, incentivá-la e tranquilizá-la.