Toda mãe sabe que as crianças pequenas não devem comer pratos salgados. O sal contém o elemento sódio, que quando consumido em excesso pode causar hipertensão arterial. Mas como você pode não usar o sal e ao mesmo tempo preparar pratos saborosos que seu filho deseja comer? A solução são os temperinhos naturais habilmente selecionados!

Na comida para a criança, o mais importante são ervas e temperos saudáveis. Saudável porque muitas delas são uma fonte de vitaminas e minerais valiosos e têm propriedades curativas. Ao adicioná-las aos pratos, você não apenas enriquece seu sabor, mas também diversifica a dieta de seu filho com nutrientes valiosos.

Temperinhos naturais

Temperinhos naturais

Temperinhos naturais – Foto: Freepik

As ervas adicionadas às refeições preparadas não só enriquecem o sabor e o aroma, ampliando as preferências gustativas da criança. Mas elas também podem apoiar o sistema digestivo, melhorar a digestão, prevenir cólicas e flatulência.

Publicidade

Vale a pena adicioná-lo a sopas, vegetais e carnes. A lista de temperinhos naturais que influenciam positivamente a saúde da criança é muito mais longa mas você pode começar com os seguintes:

Salsinha

salsa

salsa – Foto: Freepik

É um tesouro de nutrientes. Ela contém minerais, incluindo: magnésio, ferro, sódio, potássio, cálcio, cobre, fósforo, flúor, cloro, β-caroteno e vitaminas: B1, B2, B6, C. Assim, uma colher de sopa de folhas picadas fornece quase metade da necessidade diária de vitamina C. A salsa deve ser adicionada aos pratos para aumentar a absorção de ferro.

Manjericão

manjericão

Manjericão – Foto: Freepik

As mães de crianças agitadas devem apreciá-lo, o manjericão estimula o apetite, aumentando a secreção de sucos digestivos, e evita a flatulência. Na cozinha, é muito utilizado em combinação com pratos de carne, peixe e vegetais. O manjericão é adicionado aos recheios, patês, salsichas, carne bovina, cordeiro e fígado. Folhas de manjericão em pó dão aos pratos um sabor delicioso.

Alho

Se seu filho fica doente com frequência, acrescente um pouco de alho aos pratos. As substâncias nele contidas protegem o coração e o sistema circulatório, desintoxicam o corpo, destroem as bactérias, fortalecem o sistema imunológico e melhoram a digestão.

Publicidade

A alicina presente no alho, que lhe confere sabor e aroma característicos, é um poderoso antioxidante. As crianças não gostarão imediatamente de seu sabor distinto, então adicione esse temperinho natural lentamente.

Outros temperinhos naturais

Temperinhos naturais

Temperinhos naturais – Foto: Freepik

Os pratos infantis também podem ser temperados com cominho, gengibre, noz-moscada, erva-doce, cravo, louro, a lista é muito longa. A escolha depende de você e das preferências culinárias de seu filho.

Você pode introduzir especiarias com segurança na dieta de uma criança a partir dos 7 meses de idade começando com os mais suaves. Um pouco mais tarde, no nono mês, você também pode usar tomilho, estragão, manjericão, alecrim e orégano. Evite temperos picantes que irritam o trato digestivo.

Quando você pode começar a dar especiarias ao seu bebê?

Temperos frescos e secos devem ser adicionados às refeições do seu filho desde pequeno. Sem eles, os jantares preparados podem ser insossos, o que certamente não aumentará o apetite da criança. As especiarias podem ser introduzidas após a criança completar 8 meses.

Canela, agrião, cebolinha e pimentão são outros condimentos valiosos que podem ser oferecidos às crianças, mas somente após os 10 meses de idade.

Publicidade

Assim o mais tardar, por volta do 11º mês, o alho e a salsa, a cúrcuma, o gengibre, o cravo e o açafrão são introduzidos na dieta.

Temperinhos naturais frescos ou secos?

ervas

Ervas – Foto: Freepik

Os melhores são frescos, cultivados em plantações controladas, de preferência em seu próprio jardim.

Se você não tem acesso a ervas frescas, recomendo usar as secas. Neste caso, entretanto, você deve verificar cuidadosamente de onde elas vêm e em que condições foram cultivados. Claro, as orgânicas certificadas serão ideais. Também vale a pena secar as ervas por conta própria.

Quais temperinhos naturais devem ser evitados na dieta de uma criança?

Especiarias muito picantes e com aroma intenso devem ser excluídas da dieta infantil, pois prejudicam o apetite da criança ou causam dores no aparelho digestivo.

A pimenta malagueta é irritante para a mucosa gastrointestinal, e o excesso de alho e cebola pode causar indigestão, náuseas e vômitos.

Temperos naturais

Temperos naturais – Foto: Freepik

A noz-moscada é um tempero que, quando usado em excesso, pode induzir náuseas e vômitos, podendo até causar alucinações e distúrbios do ritmo cardíaco. Todas as misturas de curry e masala podem conter chumbo, portanto, este tipo de tempero não pode ser adicionado às refeições de crianças menores de 6 anos. Contaminantes também podem ser encontrados em especiarias comuns, como anis, canela e outras misturas de especiarias asiáticas.

Alimentos muito condimentados podem causar inflamação da mucosa gástrica, cujo sintoma será forte dor abdominal. Mas na dieta da criança, todos os temperos devem ser usados ​​com moderação para excluir efeitos adversos em seu corpo.

Sal: os pais devem prestar atenção a isso

Crianças com idades entre um e três anos devem ingerir pouco sal. Em números, isso significa que 2 gramas de sal por dia (equivalente a cerca de 1/3 colher de chá) não devem ser excedidos nessa idade. Isso é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O sal de primeira escolha deve ser o sal iodado.

Use temperinhos naturais!

Nem todos os temperos que usamos todos os dias na cozinha podem ser usados ​​para compor uma refeição para uma criança. Ao adicionar temperinhos naturais à dieta do seu bebê, você deve saber quais delas afetarão positivamente sua saúde e quais podem prejudicá-lo seriamente.

As tentativas de introdução de ervas medicinais no caso de crianças podem ser feitas após os 2 anos de idade. Gostaria de salientar que, embora muitas ervas desse tipo estejam geralmente disponíveis e seus efeitos sejam conhecidos por quase todos, no caso das crianças vale sempre a pena consultar um pediatra ou um nutricionista.