Mulher falando com criança – Foto: Freepik

Com a epidemia do coronavírus, o isolamento social é uma das alternativas mais seguras para se prevenir do vírus e puxar o freio de mão do crescimento dele no país. 

Porém, com crianças não é apenas ficar em casa, mas criar uma nova vida. A escola fecha, os amiguinhos não podem sair de casa, as festinhas e passeios são cancelados, a casa fica pequena, os brinquedos não são mais novidade, o filme de sempre fica chato e a atenção com a higiene triplica. 

Os adultos limpam aqui, fecham ali, leem acolá e tentam controlar o caos numa dança de álcool gel, banho, muita vitamina C e brincadeiras sem fim. Enquanto os pequenos tentam entender o que está acontecendo. 

Publicidade

Para te ajudar nessa missão que além de física é psicológica, separamos 4 dicas para falar sobre o assunto com crianças. Todas elas estão no documento divulgado, no dia 12 de março, pela Organização Mundial da Saúde e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. 

Confira a seguir.

1.Esclareça as dúvidas das crianças sobre o assunto

Seja sincero a respeito da situação do nosso e de outros países. Tire as dúvidas deles, esteja disponível para conversar, use de fontes confiáveis e informações precisas! Tomando o cuidado para apresentar os fatos de uma maneira que seja compreensível para a criança, conforme sua faixa etária. O tom de voz também é importante, preze pela calma e evite assustar o pequeno. 

Além disso, redobre a atenção para não criar estigmas: evite associar o vírus a grupos étnicos ou sociais! E, dê o exemplo no quesito higiene. Mostre a maneira correta e eficaz de lavar as mãos e evite falhar na missão. As crianças veem os adultos como espelho. 

 

2. Incentive as formas de expressão 

A situação pode criar medo, ansiedade e tristeza nas crianças – e é normal. Para amenizar esses sentimentos, torne o ambiente um local seguro e acolhedor para se expressar, fazer perguntas e, inclusive, chorar. 

Publicidade

Para ajudar, a OMS dá dicas de atividades como desenho livre! Onde a criança pode aliviar-se de uma maneira artística e mais leve, do jeito dela. 

Outra dica é evitar que o pequeno fique muito exposto à televisão, rádio e internet. Porque, como o assunto em pauta é o novo coronavírus, o excesso de informação sobre a pandemia pode contribuir para a ansiedade da criança. 

 

3. Mantenha a rotina o mais próximo do normal

Mesmo dentro de casa é importante seguir com alguns pontos importantes da rotina como alimentação e hora de dormir. Eles funcionam para que a criança não só se mantenha saudável, mas tenha um aproveitamento do dia e da situação.

De quebra, facilita também a vida dos pais que possivelmente terão que dar atenção a outras funções do trabalho em home office. A OMS encoraja a adaptação da rotina a brincadeiras socioeducativas e socialização entre os habitantes da mesma casa. 

 

Publicidade

4. Preserve o convívio social entre os habitantes da mesma residência

Caso seja seguro, a criança deve ficar junto aos seus pais, familiares e responsáveis. Mas se por causa da pandemia de coronavírus isso não seja o ideal para a família, é importante manter uma comunicação diária. Alternativas seguras são: ligações telefônicas (de preferência mais de uma por dia), chamadas de vídeo ou redes sociais. Escolha a mais adequada conforme a faixa etária do pequeno. 

 

A pandemia global do coronavírus é um assunto super delicado porque foge do que estamos acostumados a lidar. A união familiar, a comunicação (dá maneira mais segura possível) e o amor são indispensáveis para que a família toda passe por essa situação. Lavem as mãos, comam bem e fiquem em casa!