Talvez você já tenha feito esse exame, ou é um dos próximos testes à vista em sua gravidez. Não é obrigatório, mas é altamente recomendado e geralmente prescrito por ginecologistas. É o exame de curva glicêmica. Vamos ver o que é e como se preparar para enfrentá-lo da maneira mais serena possível.

O objetivo do exame é o diagnóstico precoce de diabetes gestacional, uma forma dessa doença que, por vários fatores, pode aparecer na gravidez. As consequências da patologia podem ser importantes para a mãe e o filho e, portanto, é essencial descobrir com antecedência para poder intervir da maneira mais eficaz.

Quando fazer o exame de curva glicêmica?

O exame da curva glicêmica é geralmente exigido daqueles indivíduos que apresentam alterações nos valores de glicose no sangue em jejum, o que faz com que se suspeite o aparecimento de uma condição de intolerância à glicose ou diabetes.

Foto: Freepik

Publicidade

Assim, em geral, o exame é necessário na presença de suspeita de patologias relacionadas ao metabolismo da glicose e, em particular, é adequado que indivíduos obesos o façam na presença de um quadro patológico mais complexo como hipercolesterolemia e gestantes, para realizar possivelmente o diagnóstico de diabetes gestacional, ou mesmo mulheres com ovários policísticos.

Como mencionado, não é um exame obrigatório , mas é recomendado, principalmente se houver algumas condições:

  • Obesidade
  • Gestações anteriores com diabetes gestacional
  • Idade de 35 anos ou mais
  • Excesso de peso
  • Histórico familiar de diabetes

Como é examinada a curva glicêmica?

O exame da curva glicêmica no sangue é simples de executar em geral, desde que sejam seguidas algumas regras básicas para poder chegar a um diagnóstico claro.

exame de curva glicêmica

Foto: Freepik

Primeiramente, você deve beber 75 gramas de glicose, uma substância extremamente açucarada. Há três tempos para retiradas de sangue:

  1. Imediatamente após a ingestão
  2. Após uma hora
  3. Após 2 horas

Esses são considerados valores normais:

Publicidade
  • Aos 0 minutos : 99 mg/dL;
  • No tempo intermediário, se houver alguma medida acima de 200 também é diagnóstico de diabetes.
  • Aos 120 minutos : Até 140 mg/dl

Se o nível de açúcar no sangue excede estes limites será solicitado um diagnóstico de diabetes gestacional e, além do obstetra, você também será acompanhada por um endocrinologista.

O exame de curva glicêmica é muitas vezes temido por mulheres grávidas. O maior terror é o de não conseguir segurar a “bebida” da glicose, vomitar e, portanto, cancelar o exame. Na realidade, é uma coisa muito subjetiva: existem mães que até gostam do sabor doce da glicose!

exame de curva glicêmica

Foto: Freepik

O fato de ter que estar em jejum certamente não é de grande ajuda. Uma dica é beber a glicose em pequenos goles.

A curva glicêmica na gravidez, portanto, oferece uma imagem bastante clara para diagnosticar uma condição de diabetes gestacional, que pode levar a sérias complicações para a mãe e o feto. O diabetes gestacional aumenta o risco de gestose, uma condição que causa hipertensão e pode desencadear outras complicações que põem em risco a saúde da mãe e do bebê que ela carrega no útero.

Por esse motivo, é aconselhável realizar esse teste durante o primeiro trimestre da gravidez na presença de certos fatores de risco, como obesidade. Mas geralmente, esse exame é realizado entre a 24ª semana e a 28ª semana, depois entre o quarto e o sétimo mês.

Publicidade

Quais fatores podem alterar a curva glicêmica?

Os fatores que podem interferir nos resultados dos testes que originam valores anormais são:

  • Hipertireoidismo: produção excessiva de hormônios tireoidianos pela tireoide
  • Acromegalia: patologia causada pela produção excessiva de hormônio do crescimento pela glândula pituitária
  • Gravidez: associada precisamente à condição de diabetes gestacional
  • Síndrome de má absorção: condição que compromete a função de absorção pelo intestino

Açúcar no sangue e diabetes gestacional

exame de curva glicêmica

Foto: Freepik

A diabetes gestacional é uma doença metabólica que leva à tolerância à glicose diminuída: assim, o corpo tem dificuldade em produzir insulina, o hormônio produzido pelo pâncreas. Isso cria uma concentração excessiva de açúcar no sangue.

Geralmente tende a desaparecer após o parto em 95% dos casos.

Os sintomas da diabetes na gravidez são:

  • Sede excessiva;
  • Diurese abundante e frequente;
  • Fadiga crônica;
  • Aumento da sensação de fome paralela à perda de peso;
    Infecções frequentes.

Para evitar o risco de desenvolver diabetes gestacional, é importante seguir uma dieta adequada, praticar uma boa quantidade de exercício e manter o peso controlado durante a gravidez.