A descoberta do segundo filho é sempre um momento de muita emoção para toda a família. Diferente da gestação anterior, desta vez você ainda terá que anunciar a novidade para o irmão mais velho. Esse anúncio pode ocorrer de diversas formas e pode contar com uma série de reações. Costuma ser uma surpresa para os pais a forma como o primeiro filho responderá à novidade.

A idade, a personalidade da criança e a forma como a notícia foi dada influenciam bastante a receptividade à notícia, de acordo com especialistas. Apesar de não haver fórmula mágica e uma única resposta correta, aqui você encontrará algumas dicas fornecidas por psicólogas sobre o momento de dar a notícia, o jeito de falar e como lidar com o possível ciúme. Boa leitura!

Quando dar a notícia do segundo filho ao irmãozinho mais velho?

Mamãe anunciando segundo filho para irmão mais velho

Crédito: Freepik

É normal sentir receios de anunciar a chegada de um segundo filho para o primogênito, principalmente porque a reação da criança é sempre uma surpresa. Há crianças que dão saltos de alegria e fazem mil perguntas, querendo saber tudo sobre o novo maninho que está a caminho. Entretanto, há também situações nas quais a criança fica confusa e não entende o que está acontecendo. De modo geral, essa reação é mais comum com crianças pequenas (com 3 anos ou menos). Além disso, apesar de ser menos frequente, é possível que a criança demonstre ciúme ainda durante a gestação. Com todas essas possibilidades, vale a pena que a família reflita com calma sobre o momento de anunciar a novidade.

Publicidade

A primeira dica das especialistas é justamente sobre essa questão: quando falar.

Tenha certeza absoluta

Primeiramente, evite dar a notícia antes de ter certeza sobre o assunto. Apesar dos testes de farmácia serem a porta de entrada dessa notícia entre os adultos (de modo geral), é recomendável que a família tenha absoluta certeza antes de trazer essa notícia para o universo da criança. Ou seja, fale sobre o segundo filho apenas depois de já ter feito um ultrassom e de ouvir os batimentos cardíacos do bebê. Isso é importante porque os testes de farmácia não demonstram a progressão da gestação e o anúncio precoce pode gerar confusões na cabeça da criança. Entre outros sentimentos, é possível que o filho se sinta enganado, frustrado ou triste no caso da gestação não se confirmar.

As especialistas afirmam que crianças com 4 anos ou mais conseguem entender melhor a situação. Por isso, é super tranquilo dar a notícia logo no início da gestação (tão logo a gestação seja efetivamente confirmada). Contar desde o início dá tempo para a criança se acostumar com as mudanças (não somente as que virão após o nascimento, mas mesmo as modificações da mamãe e da rotina durante a gravidez).

Aproveite a notícia para envolver o irmão mais velho nas decisões que dizem respeito à chegada do segundo filho. Por exemplo, peça para o irmãozinho mais velho ajudar a escolher os itens de decoração do quarto ou dar dicas de nomes. Fazê-lo se envolver nessas decisões o ajuda a processar a informação, a entender que um bebê está a caminho e que ele ainda terá seu espaço: afinal, “mamãe e papai estão pedindo minha opinião”.

E se acontecer um aborto?

Há também famílias que preferem aguardar fim do primeiro trimestre, porque esse é o período mais comum dos abortos acontecerem. Não há nada de errado com essa estratégia, desde que os pais cuidem para que a criança não perceba que há algo de diferente no ar e na rotina e que ela não foi informada.

Se isso acontecer, a criança pode não somente ficar insegura nesses três meses, como também é possível que todos esses sentimentos negativos reflitam na recepção dela com a notícia. Por isso, opte por essa estratégia se for possível garantir que a criança não se sentirá “no escuro” frente a uma mudança que apenas ela não conhece.

Publicidade

De que forma contar ao irmãozinho sobre o segundo filho?

Falando sobre o segundo filho para a irmãzinha

Crédito: Freepik

Fale diretamente, basicamente. Se a criança for muito pequena – com 3 anos ou menos – pode ser interessante esperar a barriga aparecer um pouquinho, para facilitar a notícia. Claro, é importante que se espere pela barriga se os adultos conseguirem seguir a rotina sem dar muitos alertas de que algo está mudando, conforme foi explicado anteriormente. Essa dica pode ajudar bastante porque, se a informação do segundo filho for dada com muita antecedência para crianças pequenas, é possível que ela fique muito ansiosa e não entenda bem o que está havendo e o que mudará em sua vida.

Outra dica importante diz respeito à honestidade. Se a criança fizer perguntas sobre o assunto antes da notícia ser dada, responda com sinceridade. Especialistas contam que não são raras situações nas quais os pais sentem medo de dar a notícia e a criança acaba fazendo perguntas sobre o tema antes da gestação nova ter sido anunciada. Nesses casos, haja com naturalidade, conte a verdade e explique por que não havia falado antes. Não tenha medo: você pode dizer que estava preocupada com a reação da criança. É muito importante ser honesta com seu filho, sempre levando em conta a sua etapa de desenvolvimento.

Nos casos em que a criança ficar ansiosa, é possível fazer um calendário para a criança acompanhar o passar dos dias. Marque a época prevista do nascimento e mostre o tempo passando. Isso dá um senso de controle para a criança e a ajuda a entender a proximidade do momento.

Fórmulas para dar a notícia

Não há receitas ou fórmulas mágicas para dar a notícia do segundo filho ao irmão mais velho. Cada família tem uma personalidade e vai encontrar o seu próprio jeito. Entretanto, as especialistas salientam que é importante que a notícia seja dada de forma objetiva, sensível e sem muitos detalhes, exceto que a criança faça perguntas. Por exemplo, você pode chamar a criança e dizer que tem uma notícia legal para contar para ela. Quando ela estiver pronta para ouvir, apenas diga que tem um bebê crescendo na sua barriga e que ela terá um irmãozinho mais novo.

Evite dar muita ênfase ao momento. Lembre-se de que é somente um comunicado, e não um espetáculo. Conte a notícia, tire todas as dúvidas da criança e pronto. Inclusive é possível, logo em seguida, mudar de assunto ou fazer outra coisa, desde que seja algo natural e não uma forma de fugir rapidamente do assunto. As especialistas enfatizam que é importante que a notícia seja dada, mas também é importante que o momento não esteja carregado de carga emocional, porque isso pode assustar a criança.

Publicidade

Não fique perguntando o que a criança acha, o que ela está sentindo, como ela imagina que vai ser, etc. Acredite: no seu próprio tempo a criança vai elaborar as suas próprias perguntas e vai fazer. Nesse momento, responda-as com paciência, clareza e honestidade.

Positividade

Crédito: Freepik

Outra dica simples e fundamental é lembrar que a notícia do segundo filho deve chegar na criança como algo bom, algo legal, algo bacana. Lembre a criança (e a si mesma) que seu filho primogênito estará ganhando um novo integrante na família. Nunca, sob nenhuma hipótese, dê a entender que a criança estará perdendo algo (espaço, atenção, amor, etc).

É muito importante que o restante da família e as pessoas próximas também sejam alertadas em relação a isso. Infelizmente, os especialistas contam que é super normal o futuro irmão mais velho ouvir coisas do tipo:

  • Agora não vai mais poder…
  • Se prepara porque agora seus pais vão cuidar só do bebê.
  • Ixi, agora o seu reinado vai acabar.
  • Aproveita enquanto pode, porque depois que o novo bebê chegar…

Afirmações desta natureza podem parecer simples brincadeiras. Entretanto, geram medos e receios enormes nas crianças (mesmo quando o contexto da fala era em tom de brincadeira). Alguns especialistas acreditam, inclusive, que este tipo de narrativa contribui para o desenvolvimento de ciúmes e de dificuldade posterior na relação entre irmãos.

Cuidado com as palavras e com as promessas

Especialistas alertam que as crianças prestam muita atenção no que os adultos dizem, mesmo quando não parece. Além disso, elas também registram essas falas e criam expectativas em relação ao que foi dito. Por isso, tenha muito cuidado com o que vai dizer tanto no momento do anúncio quanto depois. Tente cuidar também com o que os adultos ao redor da criança vão emitir sobre o assunto, dentro do possível.

Uma frase muito comum e que deve ser usada com muito cautela (ou excluída da narrativa) é “agora você vai ter um novo amigo para brincar junto”. Apesar da boa intenção dessa sentença, é comum que as crianças que ouvem isso associado ao segundo filho da sua família acabem imaginando que o bebê será como seus amiguinhos da creche ou da escola. Todavia, depois do nascimento, ainda levará um bom tempo para que o bebê possa brincar com o irmão. Além disso, é possível que, quando o novo irmão puder brincar, o mais velho não esteja mais nessa fase do desenvolvimento e não partilhe dos mesmos interesses.

Mudanças

Também é comum ouvir frases como: “(…) mas nada vai mudar”. Simplesmente não diga isso. Não diga porque não é verdade. Lembra da dica sobre a honestidade? Então, garanta que as suas explicações serão honestas. Você pode explicar para a criança que acontecerão uma série de mudanças mas que isso não a prejudicará. Provavelmente, no momento em que você der a notícia, as mudanças já estejam ocorrendo, então falar isso é apenas uma maneira da criança comprovar que você não está sendo honesta.

Faça uso da honestidade, cuide com as palavras e com as promessas. Por mais simples que seja, isso facilita a compreensão e aceitação da nova realidade para a criança.

Dê subsídios para a criança entender a notícia do segundo filho

Familia mostrando fotos para falar de segundo filho

Crédito: Freepik

Se a criança for muito pequena é possível que ela nem entenda o que significa “segundo filho”, “irmão mais novo” ou “outro bebê”. Por isso, faça o terreno antes de dar a notícia. Ou seja, dê subsídios para que o filho mais velho consiga compreender a notícia, quando ela chegar.

Uma boa forma de fazer a criança entender o conceito de irmão é falar dos tios. Por exemplo, explique que o tio João é irmão do pai, o que quer dizer que ele e o pai são filhos da vovó e do vovô. Se preferir, também fale dos coleguinhas de escola ou dos primos: diga que o amiguinho Miguel é irmão do amiguinho Pietro, e que o primo Josias é irmão do outro primo, Carlos. Sempre lembre que as pessoas são irmãs quando têm o mesmo pai e/ou mãe.

Outra boa forma de introduzir o tema “irmão” é mostrando fotos de mulheres grávidas. Isso ajuda seu filho a entender como os bebês vêm (e ajudará quando você contar da barriga, e quando ele vir, no dia a dia, a barriga aumentando). Se for possível, mostre fotos da sua gravidez com ele. Isso ajuda ainda mais porque a criança entenderá que o que está acontecendo hoje com o segundo filho já aconteceu com ele também.

Depois da criança estar habituada com o conceito de irmão será mais fácil dar a notícia. Claro que tudo isso precisa ser feito com naturalidade e em tom cotidiano. É desaconselhável que a mãe e o pai chamem a criança em momentos específicos para explicar sobre o conceito, como se fosse uma aula. Isso pode gerar confusão, principalmente se a criança for muito pequena. Por isso, aposte em momentos informais e rotineiros, como se fosse só mais um assunto e não como se esse fosse o caminho para um fim.

Você gostou deste conteúdo? Está passando por uma segunda gestação e não sabe como contar ao primogênito? Já passou por isso e quer dividir conosco sua história? Deixe um comentário, nós queremos te ouvir também.