O sexto mês de gravidez conta com uma série de marcos importantes, assim como ocorre no quinto mês. Isso acontece porque a partir do quinto mês o desenvolvimento fetal é ainda mais acelerado.

No sexto mês de gestação o desenvolvimento do bebê precisa “correr contra o tempo”, quase literalmente. Isso porque faltam apenas três meses para o nascimento (e o bebê não está nem perto de “estar pronto”).

Veja aqui o resumo completo do que acontece com a futura mamãe e com o bebê ao longo do sexto mês de gravidez. Boa leitura!

Sintomas do sexto mês de gravidez

barriga de mulher grávida no sexto mês de gestação

Crédito: Freepik

Publicidade

No sexto mês a mulher já está chegando ao fim do segundo trimestre de gravidez. Por isso, os principais sintomas desta etapa são os mesmos do restante do segundo trimestre, podendo variar em intensidade apenas.

Além disso, é normal que alguns sintomas do terceiro trimestre possam começar a se apresentar aqui, principalmente na segunda metade do sexto mês de gravidez.

Veja aqui a lista dos principais sintomas deste momento de gestação:

Desejos e aversões alimentares

Gestante no sexto mês de gravidez encostada em árvore

Crédito: Freepik

Uma novidade comum do sexto mês de gestação em diante são os famosos (famosíssimos) desejos alimentares – ou aversão a alguns alimentos ou cheiros.

Não raramente é nesta etapa que os desejos e aversões se tornam mais frequentes e intensos, mesmo nos casos de mulheres que já os estejam sentindo há algum tempo.

Publicidade

Entretanto, vale sempre lembrar a importância de buscar orientação profissional para garantir que nem você e nem seu bebê sejam prejudicados. É super indicado que você possa ter alguns desses desejos saciados (mesmo que tenha que fugir um pouquinho da dieta por causa disso), mas é fundamental que o cardápio regular seja mantido, mesmo com algumas escapadas.

Aproveite as consultas de pré-natal para questionar o médico ou a enfermeira sobre o assunto. Não esqueça que você tem direito de tirar todas as suas dúvidas, e que o melhor caminho para isso é questionando os profissionais competentes.

Emocional da gestante no sexto mês de gravidez

Gestante no sexto mês de gravidez com sapatinhos de bebê nas mãos

Crédito: Freepik

É normal que no sexto mês o equilíbrio emocional da mulher esteja mais estável. Isso costuma acontecer porque nesta fase o organismo já se habituou com as alterações, as quedas e os picos hormonais originários da gravidez.

Entretanto, também é super comum que nesta segunda metade do segundo trimestre de gravidez a mulher comece a ter preocupações com o futuro. Algumas preocupações normais costumam estar associadas com o momento do parto, com os primeiros dias de vida do bebê e com aspectos financeiros da família.

É muito importante lembrarmos as futuras mamães que todas essas preocupações e os possíveis medos deste momento são super naturais. Afinal de contas, o momento tão esperado está cada vez mais perto, não é mesmo?

Publicidade

Por isso tudo, é super normal que você perceba que está mais distraída que o normal. E está tudo bem ficar distraída, você está passando por um momento ímpar na vida. A dificuldade em se concentrar é um sintoma emocional bastante comum, fique tranquila quanto a isso.

Ler pode ser uma forma de reduzir a ansiedade, principalmente se a mulher conseguir fontes seguras para se informar sobre seus medos, sejam eles:

Apesar de ser difícil, tentar encontrar atividades de relaxamento também costuma ajudar muito a mulher a partir dos seis meses de gravidez.

Veja também este estudo que mostra que a mulher pode ficar mais inteligente depois do nascimento do bebê.

Barriga da grávida no sexto mês de gestação

Grávida no sexto mês com estetoscópio na barriga

Crédito: Freepik

No sexto mês de gestação o bebê está crescendo muito rápido, afinal, o momento de sua chegada ao mundo está se aproximando. Por isso, a futura mamãe consegue observar que nesta fase sua barriga tende a crescer muito, e muito rápido também.

É devido a esta mudança no tamanho do bebê que a barriga da grávida fica não somente maior, mas também muito mais pesada a partir do sexto mês.

Infelizmente, há uma notícia ruim: é super normal que neste período as dores se façam ainda mais presentes.

Dores nas costas e no baixo ventre costumam se tornar presentes na rotina da mulher nesta fase. Isso acontece porque os tendões que mantêm o útero no lugar estão sendo pressionados. Mas acalme-se: as dores são normais, e elas representam o desenvolvimento natural do seu filhotinho.

É muito importante que a partir desta fase você já esteja conseguindo desacelerar sua rotina. Essa também é uma razão importante para que o chefe seja avisado sobre a gestação no máximo até o quarto mês. Isso porque, desta forma, você terá tempo de ajudar a organizar o ambiente de trabalho para sua saída (e porque a partir do sexto mês pode ser que você realmente precise já ter passado boa parte dos conhecimentos/compromissos laborais para alguém).

Tente descansar quando estiver se sentindo dolorida ou cansada. Se sentar e se deitar são duas formas bastante adequadas de relaxar um pouco do estresse muscular a que você é submetida quando fica de pé.

Reorganização de órgãos

Ilustração de conjunto de órgãos internos, como coração, pulmões e rins

Crédito: Freepik

O deslocamento dos órgãos internos é algo comum na gravidez, e costuma acontecer entre o final do terceiro e o final do quarto mês. Entretanto, é aqui no sexto mês que este fenômeno acontece em proporções maiores. Por isso, também é aqui que a mulher costuma perceber melhor essa mudança.

Este deslocamento dos órgãos internos acontece porque o útero vai crescendo durante a gestação e, por isso, os outros órgãos precisam se reorganizar para abrir espaço para ele. Muitos dos sintomas da gestação estão associados com essa mudança, por exemplo:

Ilustração de bebê dentro do útero

Crédito: Freepik

Evidentemente, não são todos os órgãos do corpo que se reorganizam durante a gravidez, mas somente aqueles que estão na região do abdômen, tais como:

Em alguns casos, até mesmo o coração precisa se locomover timidamente para que o útero tenha espaço suficiente. Mas isso é mais comum na gestação de gêmeos ou na gestação de bebês maiores.

Além dessa reorganização, o pulmão também costuma ter mais dificuldade de conseguir puxar o ar. Isso também acontece devido ao volume que o útero ocupa durante a gestação. É essa dificuldade que pode fazer com que algumas mulheres percebam que têm falta de ar em determinadas situações ou posições.

Aproveite que a chegada do bebê está próxima e conheça o Carrinho Smartbe, o carrinho de bebê inteligente que vai facilitar a sua rotina.

O que a mulher pode fazer no sexto mês de gravidez (e o que evitar)?

Gestante olhando para a barriga na natureza

Crédito: Freepik

Entre o fim do quinto mês e a metade do sexto mês de gestação é fundamental que a gestante comece a pesquisar e a definir o seu plano de parto.

Ainda há algumas semanas pela frente, é claro, mas a partir deste momento isso se faz fundamental porque:

  • É normal que a mulher já comece a ficar ansiosa e com receios em relação ao momento do parto
  • É preciso tempo para entender sobre o assunto e definir o plano
  • Costuma ser necessário mais que um encontro com o profissional para debater o assunto
  • É possível que ocorra um nascimento prematuro, então é importante que o plano tenha sido definido com antecedência

Plano de parto

Infelizmente, a maior parte (ainda) dos médicos não dá liberdade para as mulheres serem pró-ativas no planejamento do seu próprio parto. Isso acontece porque os médicos tendem a focar exclusivamente em aspectos clínicos e a definir de forma autônoma qual o tipo de parto que a mulher terá, apenas informando-a sobre o tema em alguma consulta de pré-natal.

Grupo de gestantes conversando com profissional

Crédito: Freepik

Apesar disso, vale a pena perguntar sobre o assunto e verificar a possibilidade de construir este plano em conjunto. Além disso, sempre existe a possibilidade (maravilhosa, diga-se de passagem) de conversar com uma doula e contratar seus serviços de acompanhamento deste sexto mês em diante.

Com a doula, sim, você terá total liberdade para sanar dúvidas, conhecer todas as suas opções e fazer um planejamento para que o momento do nascimento tenha a sua cara (e as suas preferências).

É claro que há situações que fogem do controle, e nem sempre é possível prever tudo. Entretanto, com o plano de parto você pode definir alguns detalhes importantes, por exemplo:

  • Posições de sua preferência para serem tentadas durante o parto
  • Estratégias para alívio de dor que você tem preferência (opções medicamentosas ou não medicamentosas, por exemplo)
  • Cuidados e medidas de conforto que você gostaria de ter disponível (como ouvir música ou ter uma pessoa próxima por perto)
  • O que você quer que aconteça logo após o nascimento (corte do cordão umbilical e primeiro contato com o bebê, por exemplo)

Leia também como ajudar na estimulação da fala do bebê.

Veja outros cuidados que também são necessários da mulher dar atenção no sexto mês de gravidez, para além do planejamento de parto.

Preparação do ambiente para chegada do bebê

Quarto de bebê

Crédito: Freepik

Aproveite que você ainda não chegou no terceiro trimestre de gestação e faça os ajustes necessários no ambiente para a chegada do bebê.

É importante aproveitar o final do segundo trimestre porque neste momento a sua barriga ainda não estará tão grande e você ainda terá pique para fazer as adequações necessárias. Por isso, se planeje para não deixar para a última hora, ok?

Alguns dos ajustes no ambiente que você pode fazer são:

  • Instalar a cadeirinha de bebê no carro
  • Terminar de montar o quarto do bebê (pelo menos os itens mais pesados, como os móveis)
  • Instalar portões nas escadas, preferencialmente com travas à prova de bebês
  • Colocar itens perigosos em ambientes altos, como no alto de prateleiras e armários

Chá de fraldas

Sala decorada para chá de fralda

Crédito: Freepik

Há casos em que uma familiar ou amiga organiza um chá de fralda para você. Em outros casos, é a própria gestante que organiza este evento.

De modo geral, o chá de fralda acontece entre o sexto mês e o sétimo mês, devido aà proximidade do nascimento. Aproveite este momento para celebrar com as pessoas próximas a futura chegada do seu bebê.

Uma excelente ideia é aguardar até o momento do chá de fraldas para revelar o sexo do novo filhote, nos casos das mulheres que já não deram a notícia ao longo do trimestre, é claro.

Aproveite que você está se preparando para a chegada do filhote e veja esta lista incrível de filmes para entender melhor sobre a relação das mamães e papais com os filhos.

Cuidados no sexto mês de gravidez

Grávida no sexto mês de gestação sentada na cama

Crédito: Freepik

Um dos principais cuidados que precisam ser tomados não somente no sexto mês de gestação, mas desde a descoberta desta novidade, é o plano alimentar.

Apesar dele ser importante desde sempre, aqui ele se torna fundamental. Isso porque com o aumento da barriga é normal que você vivencie dores. Lembre-se de que prevenir o problema é sempre a melhor solução.

Por isso, tente se habituar a uma dieta bem equilibrada e rica em fibras e vitaminas. Além disso, opte sempre por se manter hidratada e não fique tempo demais na mesma posição.

Além da adequação na alimentação, também é muito importante que você fique atenta ao ressecamento natural que pode acontecer na pele decido ao estriamento. Um dos principais sintomas deste problema são as famosas coceiras.

Para combater este problema de coceiras e de estrias é muito importante que você faça um tratamento hidratante intenso. O mais indicado é pedir recomendação médica dos produtos que você pode usar.

Apesar de ser super recomendado se orientar com um médico, aqui você tem acesso a algumas dicas de hidratantes sem cheiro (para evitar problemas de enjoo).

Outras preocupações normais nesta fase podem ser:

Apesar destas preocupações, você pode ficar calma. Estas situações são normais e o mais indicado é pedir orientação ao médico, porque ele conseguirá explicar a melhor estratégia para cada caso específico (levando em conta o seu quadro particular, é claro).

Alimentação no sexto mês de gravidez

Grávida no sexto mês comendo salada no sofá

Crédito: Freepik

Como já foi mencionado, o médico ou o nutricionista conseguirá fazer um planejamento alimentar completo considerando o seu caso específico. É fundamental que você consiga seguir as recomendações destes profissionais o tanto quanto for possível.

Entretanto, fizemos aqui uma pequena lista com algumas dicas amplamente recomendadas pelos médicos, para você já ir reorganizando a sua rotina alimentar.

Rotina alimentar

Em primeiro lugar, esqueça aquele hábito de fazer três refeições principais ao longo do dia (café da manhã, almoço e jantar). Durante a gestação é importante reduzir a quantidade de alimentos por refeição e aumentar a frequência de refeições.

Por isso, evite ficar mais que três horas sem comer. Para isso ser possível, pode ser importante reduzir a quantidade de comida em cada refeição.

De modo geral, os enjoos já desapareceram ou já estão bem mais amenos no sexto mês de gravidez. Apesar disso, manter a estratégia de fazer várias pequenas refeições no dia ajuda a evitar enjoos eventuais. Isso porque os enjoos costumam se fazer mais presentes quando:

  • O estômago está vazio
  • O estômago está muito pesado

Ou seja, evitar deixar o estômago vazio (ficando muito tempo sem comer nada) e evitar deixar o estômago muito pesado (fazendo refeições muito grandes) é uma forma adequada de reduzir as chances de você enjoar.

O que ingerir?

Prato com salada e filé de salmão

Crédito: Freepik

Além da rotina alimentar, também é importante se atentar ao conteúdo das refeições. Por exemplo, é amplamente recomendado que as gestantes consumam alimentos ricos em vitaminas, minerais e vegetais. Isso porque no sexto mês de gravidez o bebê está em desenvolvimento constante, e ele precisa que a futura mamãe se alimente adequadamente.

Vegetariana? Então leia estas dicas de alimentação para gestantes que não consomem carne.

Dê preferência para alimentos ricos nos seguintes nutrientes.

Ômega 3

Por exemplo: Peixes.

Entretanto, evite ao máximo comidas enlatadas. Portanto, nada de atuns de latinhas, ok?

Dê preferência para carnes frescas, daí sim o atum está liberado, assim como o salmão e o bacalhau, por exemplo.

Cálcio

Cesto com grãos crus de feijão branco

Crédito: Freepik

O cálcio também deve estar presente na dieta da gestante. Isso porque o bebê precisa de muito cálcio para fortalecer seu processo de ossificação. Além dos ossos, o cálcio também ajudará seu pequeno a desenvolver músculos e dentição saudáveis.

Entretanto, não é somente o bebê que é beneficiado com a alimentação rica em cálcio. Por exemplo, você sabia que durante a gravidez os nutrientes que você consome vão prioritariamente para o desenvolvimento do bebê? Ou seja, se você não consumir o suficiente para o desenvolvimento do pequeno e para a sua saúde, é muito provável que você tenha deficiência deste nutriente no organismo.

Alguns estudos demonstram que gestantes que consomem cálcio em boa quantidade têm muito menos risco de desenvolver osteoporose materna.

Por isso, inclua na alimentação alguns destes itens:

  • Feijão branco
  • Soja
  • Folhas escuras, como rúcula, couve, mostarda e acelga chinesa
  • Gergelim
  • Brócolis
  • Quinoa

Ferro

Sementes e grãos para alimentação de gestantes

Crédito: Freepik

O ferro também é muito importante porque ele vai prevenir problemas de anemia nas grávidas (problema muito comum, infelizmente).

Uma vez que os nutrientes que as mulheres consomem estão indo para o desenvolvimento dos bebês, é normal que o organismo da gestante se enfraqueça e, com isso, que ela sofra de anemia.

Uma forma de evitar o problema é comendo bastante ferro. Portanto, não esqueça de incluir algumas destas opções na sua alimentação:

  • Carne vermelha
  • Vegetais escuros, como brócolis, couve e espinafre
  • Leguminosas, como grão-de-bico, lentilha e feijão
  • Tofu (queijo de soja)
  • Cereais integrais, como aveia e quinoa
  • Sementes de gergelim e abóbora

Água

Garrafa e copo de água

Crédito: Freepik

Talvez a hidratação seja um dos mantras mais importantes da gravidez. Isso porque além dela ser essencial para o desenvolvimento da vida, também reduz significativamente alguns dos sintomas mais chatinhos da gestação, tais como:

Por isso, esteja sempre com uma garrafinha de água por perto, certo?

Aproveite que o bebê está a caminho e se prepare para ocupar o papel de mamãe: Veja aqui os malefícios de uma criação muito superprotetora.

Desenvolvimento do bebê no sexto mês

Mulher grávida em atendimento médico

Crédito: Freepik

Agora já estamos no finalzinho do segundo trimestre de gestação. Por isso, o seu bebê está cada vez mais prontinho para “sair do forno”.

No sexto mês de gravidez o bebê já apresenta movimentos que você consegue perceber com facilidade. Além disso, ele também treina sua respiração e soluça (bastante!).

O crescimento no sexto mês é tão acelerado que é normal alguns bebês chegarem a quadruplicar de peso nestas semanas. É muita agitação dentro da sua barriga, não é?

De modo geral, é normal que o bebê saia do quinto mês de gravidez com cerca de 250 gramas de peso. Entretanto, ao virar do sexto para o sétimo mês, o pequenino pode ter entre 750 gramas e 1 quilo. Ou seja, o seu crescimento costuma variar de 3 até 4 vezes o tamanho original. E tudo isso dentro de apenas um mês!

Na virada do sexto para o sétimo mês é provável que seu filhote esteja com mais ou menos 30-40 centímetros de comprimento. Enorme, não é?

Contato com o mundo externo

Ilustração de feto dentro de ventre em forma de coração

Crédito: Freepik

É nesta fase do sexto mês que o seu bebê vai começar mais ativamente a se mexer. Por isso, é provável que aqui você comece a sentir seus chutes, pontapés e cotoveladas. Isso mesmo: finalmente chegou o momento de sentir seus movimentos e chamar a família toda para sentir também.

Justamente devido ao crescimento acelerado, agora o seu bebê está muito mais sensível ao contato com o mundo externo. Por exemplo, ele está cada vez mais sensível aos sons e as luzes. Ou seja, se você cantar para ele ou colocar uma música para tocar, ele terá muito mais facilidade de reconhecer o mesmo som depois de nascido.

Além disso, caso você aponte um feixe de luz sobre a barriga, é possível que o bebê mexa o pescocinho para olhar para a luz.

A partir do sexto mês você vai perceber no ultrassom que ele está muito mais encorporado, tendo “mais cara e jeito” de um bebê, incluindo o que tange a proporção dos seus membros.

Leia também sobre o sono do bebê e descubra porque o leite materno o ajuda a descansar melhor.

Reta final

Ilustração de bebê no útero

Crédito: Freepik

Além do peso do bebê, o útero e o líquido amniótico também pesam bastante. Por isso, é normal que a mulher sinta muito, mas muito peso vindo da barriga a partir do sexto mês de gestação.

Nesta fase o bebê está com o seu desenvolvimento quase completo, faltando apenas ele terminar de amadurecer algumas funções.

Por esse motivo, a partir desta fase o bebê já tem condições de sobreviver fora do útero, caso um nascimento prematuro venha a ocorrer. Claro que isso somente é possível devido ao avanço tecnológico, porque hoje há diversos aparelhos que o ajudarão a terminar seu desenvolvimento no hospital.

Ou seja, no sexto mês a futura mamãe está chegando na reta final da gravidez. Por esse motivo, as mulheres costumam ficar bastante animadas nesta altura da gestação.

Além disso, é normal que o bebê passe boa parte do dia dormindo. Todavia, nos momentos em que ele estiver acordado você vai saber: ele tende a ser muito mais ativo neste momento.

Treino de respiração

Ultrassom do bebê no útero da mãe

Crédito: Freepik

No sexto mês o bebê começa com bastante intensidade os seus treinos de respiração. Os treinos funcionam da seguinte forma: o líquido amniótico começa a entrar nos pulmões do seu filhote, porque assim ele vai se acostumando com os movimentos do diafragma.

Os soluços super normais dos bebês nesta fase são consequência deste treino. Isso porque os conhecidos “soluços” são, na verdade, espasmos involuntários do diafragma do bebê.

A verdade é que este treino é iniciado lá no princípio do segundo trimestre de gestação. Entretanto, somente aqui o treino ganha intensidade e é mais percebido, porque aqui o bebê está grande o suficiente para que a mamãe consiga “ver” estes treinos com mais facilidade.

Assim como os chutes e cotoveladas, estes soluços do pequenino também podem ser percebidos pela mamãe em alguns momentos (mesmo fora das ocasiões do ultrassom).

Já que a partir deste momento o bebê já está “pronto para sair”, que tal ler este material sobre a importância da música no desenvolvimento do cérebro prematuro?

Resumo do sexto mês de gravidez

Com uma série de marcos nesta fase, como o aparecimento mais evidente dos movimentos e o crescimento exponencial do bebê, no sexto mês de gravidez o bebê chega a um patamar de desenvolvimento que o faz “estar pronto para sobreviver fora do útero”.

Agora, o bebê só precisa amadurecer para não necessitar de equipamentos hospitalares depois do nascimento. Este é o momento perfeito para fazer o chá de fraldas e para concluir os ajustes no ambiente para a chegada do bebê.

Lembre-se sempre de fazer o acompanhamento médico e de não hesitar em perguntar o que for preciso. Você está na fase final da gestação e ela é fundamental para o bom desenvolvimento do seu bebê.

Gostou deste conteúdo? Então deixe um comentário e conte pra gente a sua experiência deste momento mágico na gestação.