O Autismo, também conhecido por Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), é uma doença séria e cada vez mais comum. Este diagnóstico afeta o sistema nervoso das pessoas, de modo que há uma ampla variedade de funções e de habilidades que são comprometidas.
Apesar de variar significativamente de caso para caso, os sintomas mais comuns de crianças com autismo incluem:
  • Dificuldade na aquisição, desenvolvimento e manutenção da comunicação
  • Dificuldade com interações sociais
  • Interesses obsessivos por temas limitados
  • Comportamentos repetitivos
AUSTISMO

Crédito: Freepik

Estudos demonstram que crianças com autismo correm mais risco de desenvolverem problemas nutricionais do que o restante das crianças. Por isso, as mães de crianças com este diagnóstico precisam ter cuidados redobrados com tudo, e também com a alimentação dos seus filhos. Além disso, algumas dessas pesquisas também apontam para associação entre o laudo de autismo e índices mais altos de intolerância a glúten e à lactose. Ou seja, por algum motivo que a ciência ainda estuda, crianças com autismo têm mais chances de também desenvolverem intolerâncias alimentares.

Com isso, é fundamental que essas famílias procurem por dietas alimentares que satisfaçam a demanda nutricional das crianças com autismo. Veja neste artigo algumas dicas de nutricionistas para a alimentação dessas crianças. Além de atenderem a necessidade nutricional da criança, essas dicas também podem auxiliar no tratamento do autismo. Boa leitura!

Retirar glúten da alimentação de crianças com autismo

Devido às altas taxas de crianças com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) que têm intolerância ao glúten, as nutricionistas recomendam que o elemento seja retirado da alimentação de pessoas com o diagnóstico. Nem sempre é simples e rápido fazer uma avaliação para verificar a intolerância alimentar de uma criança, não é mesmo?

Publicidade

Apesar da dificuldade já ser grande, parece que ela aumenta quando estamos falando de crianças que sofram de um quadro sério, como o autismo. Por isso, é recomendado que, até que a avaliação seja feita, o glúten seja retirado da dieta do pequeno.

Além disso, as nutricionistas também afirmam que a saída do glúten da alimentação não é algo que afetará a saúde da criança. Por isso, as famílias podem manter a dieta da criança sem o elemento, mesmo que no resultado da avaliação seja constatado que não há intolerância.

Veja aqui os principais alimentos que contém glúten:

  • Pães
  • Bolos
  • Salgados
  • Bolachas
  • Tortas
  • Pizza
  • Macarrão
  • Gérmen de trigo
  • Bulgur
  • Sêmola de trigo
  • Molhos como ketchup, maionese e shoyu
  • Salsichas, embutidos em geral e outros produtos que também sejam muito industrializados
  • Cereais e barras de cereais

As profissionais também alertam para a retirada de qualquer alimento que seja feito com base na cevada, centeio e trigo.

Retirar caseína da alimentação de crianças com autismo

AUTISMO

Crédito: Freepik

Assim como no caso do glúten, há uma diversidade de estudos científicos que também demonstram que crianças com autismo costumam ter mais alergia a leite de vaca. Por isso, as nutricionistas indicam muita atenção com a inclusão da caseína nas suas alimentações. Para aquelas que não sabem, a caseína é a proteína presente no leite. Ou seja, ela está presente em todos os alimentos que derivam do mesmo.

Publicidade

Veja aqui uma nova lista com alguns dos alimentos que também devem ser evitados por crianças com autismo – ao menos até que a avaliação dessa possível intolerância seja feito:

  • Leite
  • Queijo
  • Iogurte
  • Coalhada
  • Creme de leite
  • Requeijão

Além disso, as profissionais relembram que é importante passar longe de todas as comidas que fazem uso desses ingredientes no seu preparo. Por exemplo:

  • Pizza
  • Bolo
  • Sorvete
  • Molhos
  • Biscoitos

Alimentos que auxiliam no tratamento do autismo

Crédito: Freepik

Ainda bem que há pesquisas que também tratam do que é permitido ser ingerido. Aliás, mais do que simplesmente permitido, há uma série de alimentos que possivelmente ajudam no tratamento do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

Conheça agora alguns deles:

  • Batata inglesa
  • Batata doce
  • Arroz integral
  • Milho
  • Cuzcuz
  • Castanhas
  • Nozes
  • Amendoim
  • Feijão
  • Azeite
  • Coco
  • Abacate

Além disso, as profissionais relembram que o mais indicado é que crianças com autismo tenham suas dietas recheadas de vegetais e de frutas.

Publicidade

Substituição de alimentos

Outra dica que elas dão é substituir alguns dos alimentos proibidos por outras opções.

Veja aqui algumas trocas possíveis:

  • Farinha de trigo: Pode ser substituída por outras farinhas, sem glúten, como castanha, amêndoas e linhaça.
  • Leite: Podem ser substituídos por leites vegetais, como leite de coco e de amêndoas.
  • Queijo: Pode ser substituído pelas suas versões veganas, como queijo de amêndoas e tofu.

Informações importantes

As nutricionistas ressaltam que crianças com autismo que aderirem a essas dicas podem apresentar alguns indicativos de abstinência. Isso pode acontecer porque o organismo humano costuma se habituar com a alimentação e a retirada de tantos alimentos de uma vez pode ter seus efeitos. Nesse sentido, o elemento que mais costuma impactar quando evitado é o trigo, porque ele gera dependência no corpo humano (como se fosse uma droga).

Entretanto, essa crise de abstinência não costumam durar mais do que duas semanas – as primeiras duas semanas da dieta. Nesse período é normal que os sintomas de agressividade e de hiperatividade aumentem. Outro sintoma comum dessa abstinência é a alteração significativa no sono. Apesar de desconfortável, essas mudanças não afetam o quadro geral do autismo. Após duas semanas do início da dieta é normal que os sintomas cessem e a criança volte ao seu estado normal.

Depois de iniciar essas dicas, costuma-se levar entre 10 e 12 semanas para que os primeiros efeitos positivos surjam. Dessa forma, os efeitos mais comuns são:

  • Melhora na qualidade e na rotina de sono
  • Redução significativa da hiperatividade
  • Melhora nas habilidades de interação social

Tem uma criança com autismo em casa? E como é a aceitação dela a estes alimentos? Compartilhe conosco a sua experiência através dos comentários.