Logo nos primeiros dias (e até nas primeiras horas) de vida, o bebê deve passar pelos testes de maternidade. São procedimentos simples e muito importantes para a detecção de doenças. E agora surgiu uma novidade nesses exames: o teste da bochechinha. Você já ouviu falar? Ele pode ser feito até mesmo pelos pais, em casa, e surgiu para complementar o teste do pezinho, sendo capaz de detectar mais de 280 doenças. Saiba mais sobre ele a seguir.

teste da bochechinha

Imagem: 123RF

Como funciona o teste da bochechinha

O teste da bochechinha pode ser feito já a partir do primeiro dia de vida do bebê, e não há limite de idade para a sua realização. Ele pode ser efetuado no hospital ou mesmo em casa, pelos pais – basta adquirir o kit do teste (infelizmente, o procedimento ainda não é oferecido na rede pública).

Para fazê-lo, uma esponjinha deve ser passada na parte interna da bochecha da criança. Ela faz parte do kit do teste, assim como os outros utensílios necessários, recebidos prontos para uso. Depois, ela é colocada dentro de um tubo, para ser misturada com um líquido, e então é enviada para análise. O resultado do teste da bochechinha fica pronto em cerca de três semanas.

Publicidade

O que o exame detecta?

No total, o teste da bochechinha é capaz de detectar 287 doenças. Além das enfermidades já verificadas pelo teste do pezinho, esse novo procedimento ainda consegue identificar enfermidades silenciosas, como doenças raras e hemofilia. A vantagem é a detecção precoce dessas doenças, o que permite uma intervenção mais rápida e, consequentemente, maiores chances de sucesso no tratamento.

Mas o teste da bochechinha é mesmo necessário? Quanto custa?

O exame é uma nova opção à disposição dos pais, mas um fator que o torna inviável para muitas famílias é o preço: o teste da bochechinha, que surgiu em maio deste ano, ainda só está disponível na rede privada (por enquanto no Laboratório Mendelics). Se você está se perguntando quanto custa fazê-lo, é bom preparar o bolso: em média os pais desembolsam R$1.000,00.

Porém, como as principais doenças identificadas pelo procedimento são as mesmas detectadas pelo teste do pezinho, vale a pena, pelo menos, realizar o teste do pezinho (que aliás é obrigatório). A versão básica do exame é, inclusive, oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS).