Episódios de agressividade podem ocorrer desde a infância. Afinal, trata-se de uma reação comum que todos podemos ter para lidar com situações desagradáveis e frustrações. Talvez você já tenha presenciado com o seu filho: ele pode demonstrá-la batendo nos outros (ou até nele mesmo), ou se jogando no chão e esperneando porque não teve algo que queria. Mas será que isso pode ser considerado um transtorno explosivo intermitente?

Situações como as que eu citei, por mais que sejam situações chatas, são naturais, que fazem parte do comportamento humano. O problema ocorre quando esses episódios se tornam recorrentes.

Nesse caso pode ser que se trate de um quadro chamado Transtorno Explosivo Intermitente (TEI). A principal característica dele é a agressividade exagerada, desproporcional e repetitiva. E é importante que os pais fiquem alertas, pois saber lidar com o transtorno vai ajudar muito todos da família.

A seguir, veja mais informações sobre o TEI.

Publicidade
criança chorando

criança chorando. Foto: freepik

Será que o meu filho tem TEI?

A identificação do transtorno não é simples, ou seja, não existe um número de episódios de agressividade que o caracterize.

Porém, vale ficar atento se a criança apresenta um nível de agressividade muito alto – muitas vezes que começa com o estresse nas alturas, e depois  resulta em demonstração de um arrependimento profundo.

Então, se a preocupação aparecer, vale conversar com o pediatra do filhote ou procurar um psicólogo.

Vale saber que a ciência vem demonstrando que a maioria dos distúrbios do comportamento infantil tem causas ligadas às emoções.

Com isso, o quadro pode se manifestar especialmente em crianças que sofrem com situações como bullying e violência doméstica, por exemplo.

Publicidade

Por isso, vale voltar a atenção para a família e as pessoas próximas do convívio do pequeno, pois muitas vezes uma situação estressante vivida pelos pais pode refletir nesse comportamento agressivo.

criança gritando ao lado do pai

criança gritando ao lado do pai. Foto: freepik

Veja também: O que fazer quando seu bebê bate

Como ajudar meu filho a superar a agressividade exagerada?

Ao presenciar um ato agressivo muito exagerado do seu filho, intervenha. Isso não significa bater, porque violência não se resolve com violência (e as crianças aprendem muito por observação, repetindo nossas atitudes, ou seja, o ato violento pode alimentar esse comportamento).

O mais indicado é tirar a criança daquela situação – tirando-a do chão, pegando no colo ou segurando a mão dela caso ela esteja se batendo.

Se você perder a paciência (pois nem sempre é fácil controlar uma criança nesses momentos), deixe-a em um lugar seguro (como o berço) e saia por alguns minutos, até se acalmar.

Publicidade

Mais uma atitude válida é levar carinho. Abraço, colo e direcionar a atenção à criança, com olho no olho, acolhimento e abertura para o diálogo também podem contribuir para controlar a situação.

E se sentir necessidade, tanto para a criança quanto para os pais, buscar ajuda de um profissional, como um psicólogo, pode ser bastante válido.

Veja também: 5 dicas para acabar com a guerra à mesa

O que causa distúrbio explosivo intermitente?

Os pesquisadores não conseguiram identificar as causas exatas do distúrbio explosivo intermitente. É provável que, em qualquer indivíduo em particular diagnosticado com a doença, vários fatores possam desempenhar um papel.

Entenda que um distúrbio explosivo intermitente em um indivíduo pode ser causado por uma combinação única diferente de fatores em comparação com outra.

Por exemplo, uma pessoa pode ter distúrbio explosivo intermitente grave como resultado de sua genética, epigenética e ambiente.

Outra pessoa pode ter transtorno explosivo intermitente como resultado de abuso de substâncias ao longo da vida que alterou sua neuroquímica. Embora os sintomas sejam semelhantes, as causas exatas podem não ser as mesmas para todas as pessoas diagnosticadas.

criança irritada chorando

criança irritada chorando. Foto: freepik

Sintomas do Transtorno Explosivo Intermitente

Há uma razão pela qual o Transtorno Explosivo Intermitente em crianças e adultos é denominado como tal. Um dos sintomas críticos do TEI é não conseguir controlar os impulsos agressivos.

Isso significa que o TEI em crianças mostra um sinal de “agressão explosiva”. A agressão explosiva geralmente dura menos de 30 minutos e responde a um pequeno cutucão de alguém.

A agressão explosiva ou episódios agressivos têm alguma gravidade e podem assumir diferentes formas. Os sintomas de Transtorno Explosivo Intermitente em crianças pode ser parecido com os seguintes exemplos:

  • birras
  • tiradas ou discurso de crítica ou acusação
  • verbal aquecida (argumentos)
  • gritos
  • lutas corporais
  • batendo, empurrando
  • ameaçadora ou agredir pessoas ou animais
  • danos à propriedade ou outros bens
criança irritada chorando

criança irritada chorando. Foto: freepik

Todos os sintomas TEI em crianças, agressão especialmente explosivo, talvez acompanhado por ou visto depois de sinais físicos como o seguinte:

  • raiva
  • irritação
  • energia aumentou
  • formigamento
  • pensamentos rápidos
  • palpitações cardíacas
  • tremores corporais

Embora TEI em crianças e adultos mostrem comportamento violento, os indivíduos com TEI geralmente têm episódios mais não violentos ou menos graves do que os destrutivos ou agressivos.

Ao observar se alguém tem TEI, é essencial observar se o comportamento de seu parente está afetando seu crescimento na vida mental, social ou ocupacional. O Transtorno Explosivo Intermitente em crianças ou adultos apresenta sintomas comportamentais, que provavelmente afetam seu funcionamento.

Todos os sintomas do TEI são constantes ou estão se substituindo em 12 meses. Para TEI em crianças, apenas profissionais de saúde mental são qualificados para diagnosticar, e a criança deve ter mais de sete anos de idade.