10 formas de economizar com o bebê

Por 0 Comentários


Pode parecer difícil, mas é possível economizar nos gastos com a criança. E não estou dizendo para deixar nada de lado: você e o seu filho terão todo o conforto e bem-estar que merecem, mas ajustando um pouquinho aqui e ali, dá para economizar um dinheiro nessa fase, que por si só já é cheia de despesas! Veja algumas dicas a seguir (e me conta nos comentários se tiver mais, combinado?).

economizar com o bebê
Imagem: 123RF

Dicas para economizar com o bebê

  1. Planeje seus gastos: Planejamento é a palavra de ordem quando o assunto é economizar dinheiro. Portanto, coloque na ponta do lápis tudo o que você pretende gastar com o bebê em relação a cuidados de higiene, saúde, alimentação, etc. Por exemplo, para ter uma ideia de quantas fraldas você irá utilizar com a criança, recorra à nossa calculadora de fraldas e se programe para assumir esse gasto ou recorrer a medidas que o diminuam, como as que constam nas dicas abaixo. É importante que você tenha uma noção da conta total para, em algumas ocasiões, fazer uma compra maior, dentro da sua necessidade, mas na qual a maior quantidade significa um menor preço.
  2. Pesquise muito: Hoje em dia encontramos fraldas à venda em supermercados, farmácias e até mesmo na internet. E com tanta variedade, a pesquisa fica mais fácil. Para saber se o preço de um determinado pacote de fraldas vale a pena, divida o valor total por cada unidade – esse deve ser o parâmetro de comparação (e acredite: nem sempre aqueles pacotes enormes são de fato mais baratos). Mais uma dica é não comprar grandes quantias da mesma fralda antes do bebê nascer, pois o bebê pode se adaptar melhor a uma marca do que outra.
  3. Invista no chá de bebê/fraldas: Preparar um chá de fraldas ou um chá de bebê é bacana para celebrar a chegada da criança, e também, para reunir a maior quantidade possível de fraldas e outros produtos úteis ao pequeno. Mas para garantir economia, tenha o cuidado de pedir produtos diversos e fraldas de tamanhos diferentes (descreva o tamanho desejado no convite), assim você pode aproveitá-los medida que o bebê cresce, sem desperdício (aprenda a fazer a lista de fraldas aqui). E se não tiver muita grana para investir na festa, dá para economizar nela também (veja dicas preciosas aqui).
  4. Que tal experimentar fraldas de pano?: Falando em fraldas, muitos pais têm recorrido a um tipo de fralda antigo para usar com os seus filhos – as fraldas de pano. Já pensou nessa possibilidade? A medida pode ser útil para economizar (já que você usará muito menos fraldas de pano do que as descartáveis), reduzir a quantidade de lixo e ainda prevenir assaduras no bebê por conta do tecido mais respirável. Vai ficar muita coisa para lavar? Se essa é a sua contraindicação para fraldas de pano, vale a pena conhecer os últimos modelos, que facilitam a lavagem (conheça nesse post). Alguns pais ainda vão além e não utilizam nenhum tipo de fralda com os seus filhos, são os adeptos da higiene natural. Pode valer o teste!
  5. Se precisar, aproveite o que for de graça: Na maternidade e no consultório do pediatra chovem amostras grátis de produtos infantis. Caso você precise de algum específico, não custa perguntar, com educação, se o local tem para oferecer. Também não tenha receio de aproveitar o que nosso país tem de melhor para oferecer no Sistema Único de Saúde – as vacinas! Levar seu filho ao posto para tomar traz uma boa economia, e garante a saúde dele.
  6. Verifique o que pode ser herdado: Tem mais um bebê na família, que veio antes do seu? Então verifique se o seu pequeno pode “herdar” algum produto dele. Itens como carrinho, berço e cadeirinhas são caros e, evidentemente, não são úteis por muito tempo. E quando deixam de ser necessários, os pais procuram se desfazer deles, afinal, ocupam um espação em casa!
  7. Visite grupos de usados: Mais uma alternativa para recorrer a produtos usados em bom estado são grupos nas redes sociais, sites e aplicativos destinados a essa finalidade. Muito provavelmente na sua cidade há algum grupo ativo na internet de venda ou troca, e neles é comum encontrar de tudo, desde equipamentos a vestuário e acessórios de bebê. Eles também servem para fazer um dinheirinho depois que os produtos deixam de ser úteis ao seu filho.
  8. Não compre o que não precisa: Algumas roupas e brinquedos nos enchem os olhos, não é mesmo? Mas antes de gastar fortunas nesses ítens, vale a análise: será que o meu filho realmente precisa disso? Esse exercício é bastante útil, porque temos a mania de achar que tudo fica bonitinho no bebê e às vezes compramos o que não precisa. É o caso dos sapatinhos lindos para recém-nascidos (que serão usados raríssimas vezes) ou de brinquedos caros para crianças pequenininhas (fase em que a caixa do presente ou as panelas da sua cozinha são muito mais atrativos!). Vale o questionamento sempre!
  9. Troque o mais rápido possível: Quando receber um presente para o bebê, não demore para experimentá-lo na criança. No caso de uma roupa nova que ficar pequena ou um brinquedo repetido, por exemplo, organize-se para ir à loja o quanto antes fazer a troca. Você pode substituir a peça por outra mais útil à criança – mas faça isso rapidamente, porque os estabelecimentos seguem políticas de trocas e, expirado o prazo, não é possível trocar mais.
  10. Amamente o máximo que puder: O melhor alimento para um bebê é de graça e chama-se leite materno. Procure defini-lo como prioridade para alimentar a criança e em caso de dúvidas ou dificuldade, você pode recorrer ao banco de leite da sua cidade, onde o atendimento é gratuito. Caso venha a precisar de fórmulas, faça uma boa pesquisa de preço antes de adquirir uma e, quando a criança estiver acostumada a uma marca específica, compre a fórmula em embalagens maiores, que costumam ser mais em conta.

 



Arquivado em: Gravidez Tags:

Deixe seu comentário