Imagine que seu filho está aparentemente normal, vivendo uma rotina como a de outras crianças da idade dele. Então, de repente, começa a reclamar que sente dores pelo corpo. Isso pode ser dor de crescimento.

A dor de crescimento é mais frequente do que se imagina, e ocorre principalmente em crianças de três a cinco anos de idade (justamente a fase em que o crescimento está a pleno vapor, daí o nome!).

criança com dor

criança com dor. Foto: freepik

Mais tarde, entre oito e doze anos, é possível que o quadro também se manifeste. A principal característica dela é a sensação dolorosa, especialmente nos membros inferiores (as pernas), sem outro motivo aparente.

Publicidade

Embora não haja uma causa específica, a dor de crescimento pode ser aliviada por meio de alguns tratamentos simples. Veja quais são e entenda um pouco mais sobre a condição nesse post que podem te ajudar!

Como saber se meu filho está com dor de crescimento?

A dor de crescimento se manifesta principalmente nos momentos em que os músculos relaxam e acabam esfriando (como, por exemplo, logo depois de uma série de brincadeiras e atividades físicas intensas). Nessa ocasiões, é comum que a criança se queixe de dores pelo corpo (algumas delas também sentem dor de cabeça).

Caso você perceba que o quadro está sendo recorrente, leve seu filho ao pediatra. Por meio de um exame clínico (e até outros mais específicos, caso ele julgue necessário, como de sangue ou imagem) o profissional eliminará a possibilidade de outros problemas, e chegará então ao diagnóstico da dor de crescimento.

Mas por que a dor de crescimento existe?

Como citado anteriormente, não existe uma causa específica conhecida pela medicina que justifique a dor de crescimento (tanto é que os médicos chegam ao diagnóstico do problema por meio da exclusão de outros quadros).

Contudo, algumas teorias foram levantadas para explicar a dor de crescimento. Uma delas é que uma alta intensidade de atividades físicas, combinada a estados emocionais como estresse (no caso de uma semana de provas escolares, por exemplo), possa provocar um cansaço mais forte nas crianças, e, daí essa sensação de dor.

Publicidade

Fatores hereditários e até a possibilidade de um crescimento mais rápido dos ossos em relação a músculos e tendões são outras explicações para a dor de crescimento. Porém, para nenhuma delas existem  comprovações científicas.

A boa notícia é que a condição costuma ser passageira e não gera outros sintomas ou resulta em quadros de saúde graves, sendo facilmente tratada.

Diagnóstico da dor de crescimento

médico examinando criança

médico examinando criança. Foto: freepik

As dores do crescimento são diagnosticadas excluindo todas as outras causas de dor nas pernas. Outros problemas de saúde que podem causar dor nas pernas incluem:

  • artrite – que danifica as articulações
  • infecções (como osteomielite) e algumas infecções virais (como o vírus Ross River)
  • problemas que afetam o modo como os músculos trabalham juntos – como joelhos virados e pés muito chatos.

Sempre consulte seu médico se seu filho:

  • tem dor forte ou dor que afeta apenas uma perna (ou braço), ou se a dor ainda estiver lá durante o dia
  • não está bem ou tem febre, perda de apetite ou erupções na pele
  • tem inchaço, vermelhidão ou sensibilidade na perna ou braço
  • está mancando.

E como aliviar os incômodos da dor de crescimento?

Pelo fato da causa da dor do crescimento não ser específica, os pediatras não costumam receitar medicamentos (a não ser analgésicos por um breve período de tempo, quando a criança reclama muito de dor).

Publicidade

O que os profissionais indicam geralmente são tratamentos simples para aliviar dores musculares, como massagens e aplicação de compressas de água quente nas regiões doloridas.

massagem

massagem em criança. Foto: freepik

Vale lembrar ainda que, como a dor do crescimento pode estar associada também a quadros emocionais, o acolhimento da criança por parte dos pais é mais um fator eficiente para amenizar o incômodo.

O que fazer?

Tente acalmar seu filho conversando com ele, explicando que situações de estresse são comuns a todos, mas que preocupações excessivas não são necessárias.

A mesma regra vale para prevenir o quadro: mostrando ao pequeno como ele pode agir em situações de estresse (com equilíbrio), ele aprenderá a lidar melhor com esses momentos e a sofrer menos.

E, se você perceber que o filhote se queixa mais dessas dores quando pratica atividades físicas intensas, incentivar a prática de exercícios de menor impacto pode ser mais uma forma de prevenção. Mas, claro, não impeça que ele brinque e se exercite!

Coisas para lembrar

  • Muitas crianças têm dores nas pernas sem uma causa óbvia e são frequentemente chamadas de dores do crescimento.
  • Mesmo que a criança possa sentir muita dor, nenhum dano está acontecendo aos ossos ou músculos da criança, e as dores do crescimento podem responder a tratamentos simples.
  • A maioria das crianças que faz muitos exercícios não sente dor, e muitas crianças com dor não têm feito mais exercícios do que o normal.
  • Consulte sempre o seu médico para se certificar de que não existe outra causa de dor.