Enfim, o verão chegou, a época do ano mais aguardada pelas crianças! E nós, mães, também a curtimos bastante: acabamos levando a família para alguns dias na praia, para um hotel no campo, com direito a muitos banhos de piscina! Embora o ideal é que nos preocupemos com o sol durante todo o ano, a verdade é que nem sempre acabamos tomando o cuidado necessário diariamente. Mas nessa estação não há como descuidar: sem uma boa proteção solar, facilmente o filhote fica “vermelho”, com a pele queimada e ardida.

protetor solar

protetor solar. Foto: freepik

Como escolher o filtro solar

Eu costumo dizer que toda a atenção que colocamos no uso de filtro solar nos dias quentes deveria ser levada à risca sempre! Com Catarina eu sei que não posso descuidar: minha avó e meu pai tiveram lesões pré-cancerosas de pele, por isso eu faço o máximo para que ela fique protegida.

Eu não sei se vocês sabem, mas segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, 75% da radiação solar acumulada acontece entre 0 e 20 anos de idade. E com o uso frequente de protetor solar, há uma diminuição de 78% no risco de desenvolvimento de câncer de pele!

Publicidade

Por esse motivo, a recomendação é usar filtro solar nas crianças desde os 6 meses, idade em que ele passa a ser permitido.

Mas, enfim, como escolher um bom protetor solar infantil? Por aqui eu acabei fazendo uma pesquisa para entender o que eu deveria levar em consideração na hora de escolher um. Cheguei a testar algumas marcas e estou bem satisfeita com minha escolha atual.

A seguir, eu compartilho com vocês algumas informações que obtive, e que acho super importantes para todas as mães. E se você tiver alguma dúvida, comente ao fim do post, que eu terei o maior prazer em buscar as respostas, combinado?

criança usando protetor solar

criança usando protetor solar. Foto: freepik

5 dicas para escolher um protetor solar infantil

1- Escolha um produto com alto fator de proteção solar (FPS)

Isso porque quanto maior o FPS mais protegido eles estarão. Já tentei usar fatores de proteção não tão altos na Catarina e eu não recomendo – ao fim de uma semana, ficando na piscina ou na praia durante algumas horas, ela fatalmente acabava ficando vermelhinha.

Publicidade

Agora minha opção é por usar um fator de proteção mínimo de 50, e não tive mais problemas de queimaduras leves. Ela fica só fica moreninha, o que é o ideal.

2- Escolha um produto de fácil aplicação, mas com uma boa cobertura

Quem é mãe sabe que os pequenos não ficam quietos quando estamos aplicando o filtro solar. Se você tiver em mãos um produto bem viscoso, que não espalha, provavelmente o filhote sairá correndo antes que você termine a tarefa (e alguma área ficará descoberta).

Para a pele da Catarina eu prefiro os fotoprotetores em loção, porque eu tenho a impressão de que eles dão um resultado melhor do que o spray (já testei também uma marca importada em espuma, que saía muito rápido, definitivamente não funcionava).

Mas tem que ter textura leve, de rápida absorção e ser fácil de espalhar, porque eu preciso ser rápida na aplicação.

3- Escolha um produto hipoalergênico

Aqui em casa isso é essencial, porque Catarina tem dermatite atópica e manifesta alergia na pele com facilidade. Se seu filho também segue esse padrão, fique muito atenta!

Publicidade

Procure um produto que não tenha conservantes, parabenos e fragrância, porque a chance de ocorrer uma reação alérgica é muito, muito menor! O Episol Infantil, da Mantecorp Skincare, é assim e eu recomendo muito, porque para a pele da Catarina funciona super bem.

bebê usando protetor solar

bebê usando protetor solar. Foto: freepik

4- Escolha um produto muito resistente à água e suor

Isso nem precisava dizer, não é mesmo? As crianças querem ficar o tempo todo na água, e quando estão do lado de fora estão correndo, brincando e suando!

Não adianta nada ter um fator de proteção solar alto se não durar bastante na água. Os produtos muito resistentes à água permitem até 80 minutos de imersão. Mas, é claro, é tarefa dos pais reaplicar depois do tempo recomendado pelo fabricante e sempre após sair da água.

5- Escolha um produto oftalmologicamente testado

Pois é, reações alérgicas podem acontecer não só na pele, mas também nos olhos. Quantas vezes você estava passando o filtro solar no seu filho e ele se mexeu, e o produto foi parar bem pertinho do olho? Por isso, procure saber se o produto também é seguro do ponto de vista oftalmológico.

Por fim, acho bom comentar que é essencial usar nas crianças um protetor solar infantil. Isso porque esse tipo de produto é feito especificamente para a pele das crianças, que é mais sensível (nada de usar o seu e achar que está fazendo o melhor).

O metabolismo do corpo dos pequenos é diferente do nosso, e a fórmula do produto tem que estar ajustada a eles. Como eu comentei, atualmente eu uso na Cacá o Episol Infantil com FPS 70, e ela se adaptou muito a ele. Fica bem protegida dentro e fora d’água, e eu consigo aplicar facilmente, então fica como dica de quem usa no dia a dia.

criança passando filtro solar

criança passando filtro solar. Foto: freepik

Dicas para protetor solar infantil

Mesmo depois de ter o protetor solar certo em mãos, ele não fornecerá a proteção necessária, a menos que você o aplique corretamente. Siga estas dicas para se certificar de que seu filho está protegido do sol, especialmente ao nadar ou suar:

Aplique protetor solar diariamente

O protetor solar não é apenas para a praia ou para o clima quente. Você deve aplicá-lo sempre que seu filho estiver ao ar livre. Mesmo que não esteja ensolarado, 80% dos raios ultravioleta ainda passam pela névoa. Além disso, a neve reflete 80% da energia solar.

Ignore o protetor solar em bebês com menos de 6 meses

“Qualquer pessoa de 6 meses ou mais precisa usar protetor solar”, diz o Dr. Agim. “Se seu filho tem menos de 6 meses, recomendamos uma exposição limitada ao sol. Mantenha seu bebê na sombra, com um chapéu e roupas para cobrir sua nova pele sensível ao sol.”

mãe passando filtro solar no filho

mãe passando filtro solar no filho. Foto: freepik

Evite protetor solar em spray

O spray de protetor solar pode ser ótimo para economizar tempo, mas coloca seu filho em risco de respirar produtos químicos prejudiciais ao borrifar. Opte por loções de proteção solar, que também contêm hidratantes para a pele. Quanto mais espessa e oleosa a loção, mais resistente à água ela tende a ser.

Aplique protetor solar suficiente

Um grande erro é que alguns pais simplesmente não colocam protetor solar suficiente em seus filhos. Em geral, leva cerca de uma onça (duas colheres de sopa) de protetor solar para cobrir as partes expostas do corpo.

Menos para crianças menores. Certifique-se de que partes importantes do corpo do seu filho estão cobertas, como nariz, orelhas, pescoço, mãos e pés. Os lábios também apresentam risco de queimaduras solares, portanto, selecione um protetor labial com FPS 30 ou superior.

Inscreva-se logo e reaplique com frequência

Aplique protetor solar 30 minutos antes de seu filho se expor ao sol e planeje repetir o processo a cada uma ou duas horas, ou antes, se seu filho estiver na água.

Comunique-se com outros cuidadores

Se o seu filho ficará sob os cuidados de outra pessoa – seja um parente, amigo ou responsável por cuidar da criança – certifique-se de ter comunicado a eles sobre o protetor solar.

Determine quem aplicará o protetor solar e com que frequência, para garantir que a pele de seu filho esteja sempre protegida.

Mãe e filha com protetor solar

Mãe e filha com protetor solar. Foto: freepik

Não dependa apenas do protetor solar para proteção solar

É importante que os pais entendam que embora o filtro solar seja eficaz, eles também devem tomar outras precauções para proteger a pele de seus filhos.

Evite atividades ao ar livre durante os horários de pico de sol e tente encontrar uma sombra quando passar o tempo ao ar livre. As roupas também ajudam a proteger a pele dos raios ultravioleta e você pode considerar roupas de proteção solar ou UPF para proteção adicional.