Hoje uma leitora do blog me mandou uma mensagem, pedindo ajuda para um caso difícil: ela já havia conseguido tirar a fralda do filho de 2 anos, mas, depois desse processo, ele começou a prender o cocô, e agora passava alguns dias sem evacuar. Quem é mãe sabe que isso é um grande desafio, porque, em geral, não basta conversar com o filhote. Ele fica ansioso, os pais também sofrem por não saberem como ajudar, e a situação se arrasta, às vezes por meses. Por isso achei que essa questão daria um post interessante, para as mães que estão passando pela mesma coisa.

menino que nao quer fazer coco

Com Catarina, eu não enfrentei essa dificuldade: o máximo que aconteceu foi uma demora de alguns dias (dois ou três) para que ela achasse natural fazer o cocô dentro do penico. Mas na minha família eu acompanhei o caso de uma criança que prendia o cocô (ficava alguns dias sem fazer, e quando fazia, não era no vaso, nem no penico – era num cantinho da sala). Por isso tenho algumas dicas para compartilhar:

– Em primeiro lugar, acho importantíssimo respeitar o tempo da criança para o desfralde. Às vezes, quando se apressa a criança para enfrentar um processo para o qual ela ainda não está preparada, ocorrem alguns probleminhas no caminho – o fato de prender o cocô pode ser um deles. Por isso, observe os sinais do seu filho e sinta o que sua intuição tem a dizer para determinar qual é o melhor momento para tirar a fralda (pessoas podem falar que você está fazendo muito rápido, ou demorando demais, mas o que vale mesmo é o conhecimento que você tem do seu filho).

Publicidade

– Quando estiver para iniciar o processo do desfralde, fale abertamente sobre o xixi e o cocô. É muito comum que as mães nunca tenham falado sobre isso com o filho, e, de repente, ele se vê perdido e sem saber como lidar com esses produtos do seu corpinho. Mostre que o cocô fica na fralda (pode ser que ele nunca tenha visto!), diga que em breve ele fará o vaso ou no penico, e que será bem divertido. Passe uma ideia positiva sobre o cocô, e não de que é algo nojento, ou sujo. Aqui em casa, por exemplo, nos primeiros meses de desfralde, era comum o “tchauzinho” para o cocô: Catarina adorava olhar enquanto ele ia embora com a descarga.

– Fique com seu filho no banheiro. Até então, seu filho não usava o vaso, nem o penico – por isso essa novidade pode gerar um certo receio no pequeno. Esteja ao seu lado, mostre que não há motivo para ter medo, e que isso é um processo normal. Deixe que ele entre no banheiro com você – assim ele perceberá que você também age da mesma forma!

– Modificações no meio da criança podem atrapalhar. Às vezes tudo vai indo bem com o desfralde, até que ocorre alguma mudança na vida do pequeno e ele para de fazer cocô. Isso é mais comum do que você imagina! Pode ser o nascimento de um irmãozinho, a mudança de residência, da professora da escola, a perda de alguém da família: esteja atenta e mostre ao seu filho que ele está seguro ao seu lado, e que não há motivo para temer o que mudou.

– Mas o que fazer para que ele volte a fazer cocô normalmente? A primeira coisa a fazer é conversar, de forma muito calma e sem colocar peso na situação. Não adianta bater, nem colocar de castigo – isso só costuma piorar a situação. Também não funciona falar mil vezes sobre o assunto (se você já disse algumas e percebeu que seu filho entendeu e não mudou de atitude, então parta para outra estratégia). Seu filho admira muito outra criança um pouco mais velha e que seja bastante próxima? Se houver intimidade, leve o filhote quando o primo/amiguinho for ao banheiro, e diga que ele conseguirá fazer o mesmo, pois está ficando um menino grande! Uma outra dica que funciona (e que foi a que resolveu o caso que acompanhei) é dar para seu filho um adesivo, a cada vez que ele conseguir fazer o cocô no penico ou no vaso. Leve-o para escolher os adesivos – assim você aumenta o desejo de ganhá-los. Depois de ganhar alguns selinhos (que o pequeno pode colar em seu quarto, ou no banheiro), ele tem direito a um presentinho (como criança é fácil de agradar, não precisa ser nada muito caro). Esse pode ser o empurrãozinho extra de que seu filho precisava para voltar a fazer cocô!

Se você já passou por esse desafio e tem uma dica para dar, deixe nos comentários! Tenho certeza de que isso ajudará muitas mães que passam pelo blog!