Na última semana, Catarina chegou em casa relatando seu primeiro desentendimento na escola.

– Mãe, minha amiguinha espremeu minhas bochechas, assim ó (claro que ela teve que espremer as minhas, para mostrar exatamente o que havia acontecido).

– Mas não era uma brincadeira, filha?

– Não, não era, mãe, e eu fiquei muito brava.

Publicidade

– Por que ela fez isso, Catarina?

– Porque ela queria brigar comigo!

– Você fez alguma coisa para ela ficar irritada?

– Eu não quis emprestar o brinquedo. Eu estava brincando com ele, poxa! Aí não deixei ela pegar, e ela apertou minhas bochechas.

– Ah, filha, da próxima vez empresta para a amiga e pega outro, lá na escola tem tanto brinquedo! Ou explica que você está terminando de usar e que vai emprestar depois. Combinado?

– Combinado.

Publicidade

“Essa aí foi fácil”, pensei. Nível 1 de treinamento sobre habilidades sociais de negociação. Até que no dia seguinte a pequena chegou da escola toda falante:

– Mãe, hoje a minha amiga apertou minha bochecha de novo!

– E você, filha, fez como a mamãe falou ontem?

– Fiz, sim, mãe. Ela queria o brinquedo que estava comigo e me apertou. Então eu dei para ela. Aí eu gritei bem alto: “NÃO GOSTEI DISSO, NÃO FAÇA NUNCA MAIS!” (E fiz uma cara muito, muito feia). Foi ótimo, ela me devolveu o brinquedo na hora! Obrigada, mãe, você me ensinou direitinho!

 

Conclusão: quando você achar que eles entenderam… Desconfie!

Publicidade