Ser mãe é abrir mão de muitas coisas, para ganhar a oportunidade de ver a vida florescer diante dos seus olhos. No início, você não acredita que um ser tão perfeitinho, com mãos, braços, pernas, nariz, possa ter saído de dentro de você. Aí esse bebê vai crescendo, aprende a sentar, a engatinhar, a andar, a falar… É tão mágico poder acompanhar esse desenvolvimento! Mas isso tem seu preço, claro! Que mãe nunca sentiu uma saudade do tempo em que não tinha filhos? Das noites bem dormidas, de ter tempo para si mesma, de poder ir e vir a qualquer momento, sem se preocupar em voltar para a mamada, para dar a papinha, ou em tempo de colocar o bebê para tirar a soneca, para que a rotina diária não fique alterada?

Sabe, esses dias me bateu uma série de saudadezinhas. Nada sério, nada que eu trocasse pela felicidade de ver minha filha crescendo a cada dia. Mas mesmo assim, bateu. A ponto de eu fazer uma listinha, que eu coloco aqui só para ter o gostinho de compartilhar com outras tantas mães, que poderão compreender exatamente esse sentimento. E para daqui a algum tempo ver que tudo é passageiro, que muitas delas serão recuperadas, enquanto outras farão parte da escolha de ser mãe, e não voltarão mais. E se você quiser compartilhar comigo as coisas das quais você também sente falta, eu vou adorar saber!

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

1 – Sinto saudades de me esparramar no sofá depois de um longo dia de trabalho, ficando lá por meia hora, completamente imóvel. Porque eu posso ter tido o dia mais intenso e cansativo do mundo, que hoje não escaparei de brincar de bonecas com Catarina, montar quebra-cabeças, fazer um castelinho com blocos de madeira… Além de dar banho, o jantar e passar pela interminável rotina da hora de dormir!

Publicidade

2 – De acordar tarde aos fins de semana. E olha que, atualmente, há vezes em que Catarina me dá uma colher de chá e acorda às 9:30h no sábado ou no domingo! Ah, mas era tão bom acordar às 11h nos dias frios! Quem sabe em 2 ou 3 anos?

3 – De comer chocolate quando e onde eu quiser. Ah, pessoal, eu adoro um chocolate! Acho que poucas tristezas no mundo resistem a dois quadradinhos do tablete, depois do jantar. Se tem o dito cujo aqui em casa, eu tenho que dar uma bicadinha. Mas se vocês me perguntarem se ele é liberado para Catarina, responderei que não, não mesmo. Eventualmente, sem problemas, mas todos os dias, eu não acho saudável. Então acabo comendo depois que ela dormiu, ou em uma rápida passada pela cozinha. Eu achei que ela não percebesse, até que outro dia, já no berço, ela soltou: “Nossa, mãe, você está com um cheirinho de chocolate!”. Impressionante o olfato da menina!

4 – De ficar em paz no banheiro. E nisso a maioria das mães me entende, certo? Não ter ninguém batendo na porta, ou chorando do lado de fora só porque você resolveu ficar 5 minutos a mais lá dentro, não tem preço! E os banhos demorados, alguma mãe por aí já voltou a ter esse direito?

5 – De ver novela. Eu sei que é até patético, mas sendo bastante sincera: eu sinto saudades. Sabe quando o Brasil inteiro estava falando da Carminha, em Avenida Brasil? Eu estava vendo pela vigésima sétima vez o mesmo capítulo de Backyardigans!

6 – Da bota caramelo que servia direitinho, antes da gravidez. E que passou a ser a coisa mais apertada do mundo, depois que Catarina nasceu. Dá para acreditar que ela ainda mora no meu armário? (Olha ela abandonada aqui, coitadinha!)

botas

Publicidade

7 – Do silêncio. Porque mãe também tem seus dias de mau-humor, ou de baixo-astral. Concorda que há dias em que você gostaria de falar o mínimo possível, e ouvir ainda menos? Pois é, com filho pequeno é impossível! Ou você está ouvindo choro, ou um tagarelinha que acabou de aprender a falar e que consegue a proeza de falar 99% do tempo em que está acordado (e se não está falando, corre que deve estar aprontando!).

8 – De ficar sentada por horas em um restaurante, calmamente, sem sair correndo atrás de criança, sem levá-la pelo menos uma vez ao banheiro, sem precisar pegar pela nona vez os giz-de-cera que o garçom deixou para o filhote se distrair e que caíram no chão (de novo, nãao000000!)!

9 – De passar a tarde lendo um bom livro, debaixo das cobertas. Sabe quantos capítulos eu conseguiria ler com Catarina acordada? Simplesmente nenhum! Minha sorte é que ela está pegando gosto pelos livros e em um futuro não tão longínquo, espero poder sentar ao seu ladinho, cada uma com seu exemplar, para saborear uma deliciosa tarde de leitura!

10 – De viajar sem culpa. Não só sem culpa, mas também sem planejamento, sem horário pré-definido em função da soneca, sem dia e hora para voltar. Alguma mãe aí pode me dizer quando conseguiu viajar sem o sentimento que está deixando uma parte de si para trás?