Desde que seu filhote nasceu, você leu livros que falam da importância da rotina, ouviu de sua mãe que filho tem que ter horário para comer e para dormir e tentou aplicar isso na sua família. Mas cá entre nós: na prática, essa história de seguir sempre os mesmos passos diariamente não é tão fácil assim, principalmente se o pequeno já tem idade suficiente para “discutir” o assunto. Se vocês me perguntarem se eu gosto da ideia de estabelecer uma rotina para os filhos, vou dizer que sim (isso, claro, considerando que você não tem mais um recém-nascido; porque nos primeiros meses eu considero que muito mais importante do que se deixar levar pelo relógio, é acolher bem o pequenino, concentrar-se na amamentação e tentar tranquilizar o bebê de alguma forma, nos momentos de choro). E, em parte, minha filha concorda comigo (vejam bem, só em parte!).

dormir

Aqui em casa, Catarina gosta de uma certa rotina diária. Sinto que ela se sente segura sabendo que todos os dias quando levanta é só chamar que mamãe levanta, que mamãe sai para trabalhar mas volta a tempo de passar a tarde com ela, que o almoço e o jantar são servidos no mesmo pratinho, que papai brinca com ela quando chega em casa na hora do jantar. Tente dar a comida em outro prato ou dizer que ela não comerá pera de sobremesa (assim como ontem, anteontem, e no dia anterior a esse também) e prepare-se para ouvir um sonoro NÃO! Mas basta que cheguemos ao capítulo sono, que a opinião da pequena sobre a rotina muda bastante! Começa uma queda de braço que dura em média quarenta minutos todos os dias, quando mamãe a vence no grito: “chega, filha, é hora de dormir e ponto final”. Aí, em questão de poucos minutos (menos de inacreditáveis cinco minutos!), Catarina chega ao maravilhoso mundo dos sonhos.

E aí vocês me perguntam: mas você não faz tudo sempre todos os dias, para que ela perceba que é hora de ir para cama? Sim, faço. Colocamos a fralda (que ela ainda usa para dormir), o pijama, escovamos os dentes, ela toma a mamadeira no meu colo (já no escuro) e vai para o berço. E aí começa a luta: “mamãe, quero história da bolinha” (e lá vai mamãe contar pela enésima vez a história que inventou da bolinha amarela que virou o sol), “mamãe, quero a história da princesa” (“ok, filha, é a última que conto hoje, depois você dorme!”), “mamãe, agora canta a música da estrelinha?” (“filha, é hora de dormir, vamos ficar quietinhas?”), “lá, lá, lá… lá, lá, lá” (se mamãe não canta a música, a filhinha canta), até que chegamos ao derradeiro grito de “dorme, Catarina!”. E então a paz se faz em minha casa.

Publicidade

Vejam bem, apesar de tudo isso, a rotina na hora de dormir já melhorou horrores. Porque antes eu chegava a levar mais de uma hora para colocar a pequena na cama. E aqui eu compartilho com vocês o que aprendi sobre como colocar um bebê de dois anos para dormir:

* Há bebês que definitivamente lutam para não dormir. Se esse é o caso do seu filho, primeiro você senta e chora. Depois você entende que se não for firme, não vai sair do lugar.

* Evite contato visual (nem que para isso apague todas as luzes). Senão começa a sessão gracinha: o bebê pula no berço, manda beijinho, faz careta… E assim você passará mais de uma hora ao lado do berço.

* Em geral dormir com a mamãe é muito mais demorado do que dormir com papai, vovó, titia… Então se puder delegar a função, não pense duas vezes.

* Remova as desculpas para o bebê prolongar o processo. Aqui era só Catarina deitar no berço que falava: “xixi!”. E como estávamos em fase de desfralde diurno, eu a levava ao banheiro, para não incentivá-la a fazer na fralda. Atualmente, antes do pijama, sempre há uma paradinha para esvaziar a bexiga.

* Coloque limite: no meu caso, são duas histórias e pronto (olha como sou legal, ainda dou a segunda de canja)! Do contrário, certamente eu contaria umas dez por noite, sob os aplausos da pequena (vocês já viram um bebê que aplaude as historinhas da hora de dormir? Pois é, essa é a minha filha!)

Publicidade

* Considere dormir junto: se você se sentir à vontade com a ideia da cama compartilhada, essa pode ser uma saída. Nesse caso provavelmente você terá que dormir no mesmo horário do bebê, pois é justamente por saber que o movimento da casa acabou que ele se renderá ao sono.

E com seu filhote, como é a rotina na hora de dormir? Alguma dica de como acelerar o processo? Espero seu comentário!