Qual é o melhor colchão para crianças e bebês? Saiba como escolher!

Por 2 Comentários


Você sabe qual é o melhor colchão para crianças e bebês? Essa é uma pergunta que eu já me fiz muitas vezes ao comprar os colchões da Catarina, e confesso que tive que procurar várias informações até descobrir a melhor opção.

Em primeiro lugar, te farei algumas perguntas: como você escolhe o colchão do seu filho? Compra o mais bonito? O mais barato? O que parece mais fofo quando você aperta? O que dizem durar mais, com a intenção de não trocá-lo durante anos e anos? Infelizmente, se você respondeu “sim” a pelo menos uma dessas perguntas, há algo que precisa ser mudado na hora de encontrar o colchão ideal – e não só para a criança, mas talvez para você também. 

Imagem: 123RF

Para te ajudar a escolher o melhor colchão para crianças e bebês, reuni nesse post algumas dicas que mostram o que deve ser, verdadeiramente, levado em conta no momento da compra. Vale (e muito!) se informar, afinal, estamos falando de um produto que será fundamental ao desenvolvimento do pequeno, pois as horas de descanso também são extremamente valiosas para que ele cresça com saúde. Vem ver!

Colchão para crianças e bebês: qual a melhor densidade?

Primeira dica: jamais compre colchão de molas para seu filho pequeno! Opte sempre pelo de espuma, que se adapta melhor ao corpo do bebê e da criança. Mas também não pode ser qualquer colchão: a principal característica que você deve observar na hora de comprar o melhor colchão é a densidade do produto, que é categorizada de acordo com a quantidade de matéria-prima (a própria espuma) utilizada na sua fabricação.

Um padrão que deve ser seguido à risca é a escolha por colchões de densidade 18 para bebês de até três anos (eles são identificados pelo código D18). A partir dessa idade, a densidade do colchão deve corresponder à altura e ao peso da criança. Por exemplo: se ela tem até um metro e meio de altura e pesa até 50 quilos, o ideal é um colchão D23. Uma sugestão que facilita a compra é tirar essas medidas do seu filho sempre que você for adquirir um novo colchão para ele, e informá-las para os vendedores especializados, que poderão indicar a opção correta.

Vale lembrar ainda que a relação peso x altura também deve ser levada em conta na hora de escolher os colchões de adolescentes e adultos. Visite uma loja do ramo, tire suas dúvidas e descubra se você também está precisando trocar o seu próprio colchão (não custa aproveitar!).

Outras características do melhor colchão para bebês e crianças

O colchão dos bebês e das crianças deve ser firme, mas também confortável. Escolhendo a densidade correta do produto, seu filho não correrá o risco de “afundar” no colchão, o que poderia ocasionar até mesmo um sufocamento durante o sono. Evite ainda colchões com plástico e tenha muito cuidado ao escolher opções impermeáveis, que podem causar um aquecimento exagerado na criança, gerando um desconforto durante o sono.

Uma boa ideia é investir em colchões antialérgicos, com tecnologia antiácaro, uma vez que a imunidade da criança ainda está em fase de fortalecimento (afinal, nesse período, qualquer ação preventiva é extremamente valiosa para poupar a saúde dos pequenos!).

E mais uma observação importante: caso você compre um berço e ele já venha com um colchão, avalie todos os pontos citados aqui no texto e, caso seja necessário, compre um colchão diferente. A dica também vale na hora de avaliar a compra de um usado. O mais recomendado, na verdade, é que você sempre compre colchões novos, sem nenhum desgaste. Mas, caso isso não seja possível, escolha algum que esteja com as melhores condições possíveis.

Como aumentar a vida útil do colchão

Algumas dicas rápidas ajudam a preservar a qualidade do colchão por muito mais tempo, sabia? Olha só: para evitar deformidades (ou seja, uma área mais alta que a outra), vire o colchão uma vez por mês (na hora em que você trocar a roupa de cama, por exemplo). E lembre-se de inverter não só o lado de baixo com o de cima, mas também o lado “da cabeça” com o “dos pés”, para que a pressão seja uniforme.

Já se a criança continuar fazendo xixi na cama após o desfralde, a dica para que o líquido seja bem evaporado, sem danificar o colchão, é borrifar um pouco de álcool 70% sobre a mancha antes de deixar o colchão no sol por algumas horas.

Evidentemente, com o passar do tempo, mesmo seguindo essas orientações o desgaste do colchão será inevitável. Por isso fique atento: caso a peça apresente deformidades, odores ou manchas permanentes, está na hora de trocá-la. Especialistas dizem que o colchão para crianças deve ser utilizado por no máximo três anos. E considerando a importância desse item para o bem-estar do seu filho, é sempre bom seguir as orientações.

Lembrando que, caso o pequeno reclame de dores ou demonstre desconforto e incômodo ao se deitar, faça uma avaliação do colchão e veja se está na hora de fazer uma substituição. Caso os sintomas não passem, consulte um pediatra e faça uma avaliação mais detalhada, para saber se o seu filho precisa de algum colchão especial.

Espero que essas dicas tenham sido úteis para que você consiga comprar o melhor colchão para sua criança ou para seu bebê. Qualquer dúvida é só deixar nos comentários!


 



Arquivado em: ComprasEnxoval do bebê Tags:

Comentários (2)

Trackback URL

  1. Bom dia, Sou consultor do sono e trabalho com colchão a 10 anos, e todos os inúmeros cursos que fizemos, vai totalmente na contra mão do que foi falado neste post. Gostaria de avaliar alguns pontos…

    1° Após a certificação das espumas pelo INMETRO, os colchões se tornaram extremamente firme, inclusive os de densidade mais baixa como os d-23, o colchão de espuma raramente conseguira dar ( CONFORTO E SUPORTE ), ao usuário.

    2° Colchão de espuma é o ambiente para proliferação de ácaros e fungos, pois o ar não circula, se tornando um ambiente quente e úmido, mesmo com todos os tratamentos contra o acaro e fungos, a proliferação é inevitável. Aumentando assim problemas respiratórios.

    3° Nosso corpo não é em linha reta, muito improvável que o colchão de espuma, consiga delinear nosso corpo, preenchendo todos os espaços fazendo com que a coluna do usuário permaneça de forma reta.

    _________________________________________________________________________

    O Brasil como a Africa do Sul, é um dos poucos países no Mundo, que ainda vende colchões em espuma, então dizer que o colchão de espuma é melhor do que o de mola, é um grande erro… Vale lembrar que existe várias tecnologias de molas, e ai sim você precisa se informar ao máximo para efetuar uma excelente compra.

    O colchão de mola tem melhor absorvição de impacto, elimina a pressão do corpo, auxiliando a circulação sanguínea, maior ventilação interior pelo movimento das molas, eliminando em até 80% o acaro e fungos, melhor suporte e adaptação da coluna para diversos biotipos.

    Ednaldo Consultor do Sono

    • Nívea Salgado disse:

      Olá, Ednaldo,

      Agradecemos sua colaboração. Gostaríamos de colocar que todas as informações desse post foram checadas com pediatras especialistas em saúde infantil.

      Um abraço!

Deixe seu comentário