Roséola: a doença que deixará seu filho pintado e com febre alta!

Por 0 Comentários


Recentemente, eu falei aqui no blog sobre uma doença bastante comum nessa época do ano, a catapora ou varicela. E, no post de hoje, venho alertar os pais sobre mais uma ocorrência bem frequente na primavera (parecida com a catapora, aliás): a roséola.

Catarina teve roséola ainda bebê (com pouco mais de um ano), e confesso que fiquei apavorada quando vi aquelas manchinhas se espalharem por todo o seu corpo. Primeiro pensei que fosse uma reação alérgica, depois uma intoxicação alimentar, e finalmente uma virose (mas são sabia identificar qual era). Só não pensei na catapora, na época, porque a pequena era vacinada.

Para quem nunca ouviu falar de roséola, eu explico: é uma doença transmitida por um vírus da herpes (os tipos 6 e 7, mais especificamente) e se manifesta principalmente pelos sinais de febre alta e manchinhas vermelhas pelo corpo da criança. Contudo, apesar da aparência ruim, o tratamento é simples e a doença costuma ser encarada como benigna. Vem entender melhor!

Imagem: 123RF

Como eu sei que meu filho está com roséola?

Se o seu filho tem entre seis meses e dois anos vale saber que essa é a principal faixa etária em que a roséola se manifesta. O primeiro sintoma é a febre alta (entre 38°C e 40°C), que dura geralmente entre três e quatro dias. Depois, quando a febre vai diminuindo, é que aparecem as manchas vermelhas, principalmente no tronco.

Um relato pessoal do que aconteceu por aqui: com Catarina a roséola não aconteceu da forma típica. Isso porque as manchas apareceram primeiro, e só dois dias depois é que a febre alta aconteceu. Fui ao médico quando ela ficou “pintadinha”, e seu pediatra pediu que eu aguardasse, para ver se ficaria febril. Batata: a febre alta surgiu e ele confirmou clinicamente a roséola.

Por conta da febre, pode ser que a criança sofra convulsão (ainda mais se ela tiver propensão à convulsão febril) e, ainda, gânglios inchados (o que pode desencadear falta de apetite e cansaço), tosse e coriza no nariz.

Percebeu algum desses sintomas? Então consulte o pediatra que, por meio de análise clínica, consegue detectar se realmente se trata de roséola (talvez ele também peça algum exame laboratorial para confirmar).

E qual o tratamento?

O tratamento da roséola consiste no uso de medicamentos para baixar a febre, especialmente para evitar as convulsões e até uma possível meningite ou encefalite (embora bastante raras). Já as manchas vermelhas costumam desaparecer entre algumas horas ou em até três dias, não sendo necessário nenhum cuidado específico.

Também é importante manter o filhote hidratado e não descuidar da higiene (sua e do pequeno), pois como se trata de uma virose, a chance de contaminação é alta (por isso, durante o tratamento, é recomendado que a criança fique em casa).

Tem prevenção?

Não há vacina que previna a roséola. Como é uma virose, os cuidados para mantê-la longe são as regras básicas de higiene (especialmente manter as mãos sempre limpas e evitar o compartilhamento de objetos de uso pessoal da criança).

Vale destacar que a incidência de roséola em adultos é bastante rara, pois geralmente já desenvolvemos os anticorpos para evitar que a doença se manifeste. Mas na criançada é importante ficar de olho!




Arquivado em: Saúde Tags:

Deixe seu comentário