Como cuidar da catapora em crianças?

Por 1 Comentário


Até o mês de novembro, aumentam as chances de você receber em casa aquela circular da creche ou do colégio do seu filho informando um contágio de catapora (também conhecida como varicela) entre os alunos. Eu não sei se você pegou quando criança, mas eu tive – e só de me lembrar já tenho vontade de me coçar inteira, e nem posso imaginar Catarina passando por aquelas feridinhas chatas no corpo inteiro!

Mas é importante se preparar, porque esse é justamente nesse período, da primavera, que aumentam os casos da doença. Ela é transmitida por um vírus que se propaga mais facilmente nos meses de setembro, outubro e novembro em nosso país, portanto agora é bom ficar atento e proteger os pequenos.

E para ajudar mamães e papais a se prepararem para o risco da catapora, reuni nesse post algumas informações importantes sobre a doença, desde os primeiros sinais até como tratar e ainda prevenir. Vem ver e compartilhar com outros pais também!

Imagem: 123RF

Como a catapora aparece?

As manchas vermelhas que aparecem pelo corpo e coçam são as características mais conhecidas da catapora, não é mesmo? Porém, esses não são os únicos sinais de um possível contágio. Cansaço, sensação de mal estar, dor de cabeça, perda de apetite e até mesmo febre baixa podem acometer a pessoa infectada pelo vírus Varicela-Zóster.

Vale saber que esses sintomas geralmente demoram um pouco para aparecer – entre 10 e até mesmo 21 dias após o contágio. Em relação às manchas, ainda é importante lembrar que, na maioria dos casos, elas aparecem primeiro na parte de cima do corpo (rosto, couro cabeludo e tronco) e, depois, vão descendo (sendo bastante comuns nas costas). Elas começam como manchinhas formadas por um líquido claro no interior (parece uma mini bolha) e, com o tempo, ficam escuras, secas e cicatrizam.

Se notar esses sintomas no filhote, é necessário encaminhá-lo o quanto antes ao pediatra que, após avaliação clínica, pode informar se o pequeno está ou não com a doença. E, em caso positivo, dar início imediatamente ao tratamento.

 

Tratamento da catapora

O tratamento da catapora consiste basicamente em aliviar os incômodos que a doença causa. Nesse sentido, o médico costuma indicar remédios para amenizar a dor de cabeça e a febre, além de cremes e sabonetes específicos para diminuir a coceira e ajudar na cicatrização.

Se você já teve catapora na infância e se lembra de ter tomado um banho colorido, de permanganato de potássio, saiba que hoje essa recomendação não é mais tão comum. O uso da substância era indicado pelo efeito anti-séptico e secante dela, porém, o risco de irritação da pele é alto (podendo até mesmo causar queimaduras). E, como bebês e crianças são ainda mais sensíveis, são só em casos bem específicos que os médicos indicam o permanganato (não faça uso sem orientação médica!).

Outra recomendação importante é o repouso. Além de ser necessário que o paciente descanse (já que a doença causa bastante cansaço e desconforto pelas manchas), ele precisa ficar um tempo afastado do convívio com outras pessoas, porque a catapora é altamente contagiosa. A transmissão pode ocorrer pelo contato com a saliva (por meio de um espirro ou tosse, por exemplo), com o líquido das manchas ou ainda com objetos contaminados.

 

Quais os riscos da catapora?

Apesar da doença em si não ser grave, o perigo é que a catapora evolua para novas infecções – na pele (por isso é importante falar para o filhote não coçar as manchas que aparecem), no ouvido, ou mesmo no cérebro, desencadeando um quadro de encefalite. Ou ainda no sistema respiratório, originando uma pneumonia.

O risco dessas evoluções é real quando a catapora não é tratada adequadamente. Por isso, vale a atenção aos sintomas nas crianças para fazer o tratamento direitinho!

 

Tem prevenção?

A principal maneira de prevenir a catapora é a vacina. Conforme a lista do Calendário Nacional de Vacinação, as crianças devem receber duas doses da vacina tetraviral (que protege contra a catapora). A primeira é aos 12 meses, quando elas tomam a tríplice (que corresponde à primeira dose da tetra) e, a segunda, aos 15 meses.

Manter cuidados básicos de higiene também é uma ação importante para evitar o contágio da doença, evitando ambientes fechados com muitas pessoas, o compartilhamento de objetos de uso pessoal e, também, lavando as mãos (inclusive do seu filho) com frequência.

Vale destacar ainda que, embora mais comum entre crianças, a catapora também pode acometer os adultos (afinal, a forma de contágio é exatamente a mesma). E, inclusive, quem já teve catapora uma vez pode ter a doença de novo (embora sejam casos raros, eles acontecem, e quase ninguém sabe disso). Por isso, mantenha os cuidados com toda a família!




Arquivado em: Saúde Tags:

Comentários (1)

Trackback URL

  1. Ana disse:

    vale lembrar o risco de usar Ibuprofeno pra aliviarmos sintomas… tem estudos dando conta de que, embora sejam reações raras, podem agravar substancialmente as lesões na pele e evoluir para algo bem pior. O caso foi relatado na Inglaterra e a própria bula do remédio desaconselha o uso neste caso. Como eh um remédio de uso comum em crianças – eu mesma uso bastante na minha – vale o alerta.

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail