Conversa entre mãe e terapeuta é o que toda mãe deve ler hoje

Por 0 Comentários


Que mãe não tem os seus momentos de angústia, de sentir que o mundo está caindo sobre sua cabeça e que ela não é uma boa mãe? Pois para mostrar que essa realidade é a mesma de milhares de mulheres (e no mundo todo), é que hoje compartilho com vocês um relato da blogueira australiana, e mãe, Constance Hall.

No depoimento, ela narra uma conversa dela com uma terapeuta, em que, após um desabafo, ela ouve da profissional uma opinião sensível – que todos os pais devem (e merecem) levar em conta. Eu me emocionei, porque percebi que várias vezes nos sentimos impotentes, nos perguntamos por que não estamos fazendo um bom trabalho, quando na verdade estamos fazendo o melhor que podemos (e tudo o que nossos filhos realmente precisam!).

Vem ver a postagem, que no Facebook chegou a quase 370 mil curtidas em dez dias:

Imagem: http://facebook.com

“Algumas semanas atrás, uma terapeuta infantil que conheço olhou para os meus filhos e disse:

– Você é uma boa mãe.

Sentindo-me como uma fraude total, eu disse:

– Eu não me sinto como uma boa mãe. As crianças estão me deixando tão louca, eu estou perdendo minha cabeça e indo dormir à noite perguntando como que vou arrumar mais paciência no dia seguinte.

Então ela respondeu com uma afirmação de que não consegui esquecer:

– Bebês choram, é como eles se comunicam. As crianças gritam, as crianças se queixam e os adolescentes reclamam. Então, as mães dizem as palavras ‘puta que pariu’, em voz baixa antes de cada resposta. É assim que nos comunicamos. Mas adivinhe? É melhor do que o silêncio. Uma casa cheia de crianças gritando, adolescentes brigando e pais que estão sendo bombardeados com todas as perguntas e solicitações é saudável para mim. São as crianças silenciosas, as crianças assustadas, os adolescentes que não chegam em casa e os pais que não estão em comunicação com seus filhos com os quais me preocupo. E as crianças não te deixaram louca, você já estava louca. É por isso que você os teve.

E assim, eu me senti como uma boa mãe novamente.  Respire fundo, você está fazendo um bom trabalho”.




Arquivado em: Papo de mãe Tags:

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail