As muitas transições pelas quais seu filho vai passar (e que não precisam ser tão sofridas assim)

Por 0 Comentários






Início de ano é sempre igual: lá vai o pequeno com a mochila na mão, entrando pelo portão da escola, e o coração da mãe ficando pequenininho, com medo de que o filhote chore e ela queira carrega-lo dali. Esses momentos de transição ocorrem durante toda a infância, e fazem parte do desenvolvimento normal dos nossos filhos. Mas a verdade é que nem sempre estamos preparadas para essas transformações, e para algumas lágrimas que rolam durante o caminho.

Um momento de transição que é difícil para muitas mães diz respeito ao fim da amamentação. Enquanto para algumas mães esse processo é muito natural, para outras ele é bem difícil – seja porque a criança reclama ou mesmo porque a mãe não se sente preparada para fazer esse primeiro desligamento do filho.

Imagem: 123RF

Todo mundo sabe, mas não custa repetir: o leite materno é o principal alimento no início da vida do bebê. Ele apresenta o balanço perfeito de nutrientes e ainda carrega os anticorpos da mãe, que são passados para o filho, evitando muitas doenças. Defendo que a amamentação deve ser exclusiva até os 6 meses e estendida pelo tempo que a mãe quiser. A Catarina, por exemplo, mamou até perto de 1 ano, quando teve uma bronquiolite, não conseguiu mamar por duas semanas, e meu leite acabou secando.

Confesso que esse momento foi difícil para mim do ponto de vista psicológico, porque eu amava amamentar. A ligação com a pequena que a amamentação me proporcionou foi muito intensa, tanto que era a hora do dia em que eu me sentia mais feliz, mais mãe! Tive medo de deixar isso para trás, mas a Cacá acabou me mostrando que o sentimento que une uma mãe e um filho vai muito, muito além disso. Quando percebi que para ela não estava sendo sofrido, eu parei de sofrer também, e passei a observar nossa união em outras atividades: numa brincadeira, em um olhar, em um carinho.

Eu conseguiria pensar ainda em muitas outras transformações na vida de nossos filhos que nos deixam inseguras. A volta ao trabalho da mãe, que a afasta por horas da convivência com o bebê, dá um nó na garganta por meses, até que você percebe que seu filho está sendo bem atendido por outra pessoa. A entrada na escola (e não adianta achar que será apenas no início, não, porque a readaptação acontece a cada fim de férias!), a primeira viagem sem o filho, a saída das fraldas, a primeira vez que seu filho dorme fora de casa!

Acho que o grande segredo de vivenciar todas as fases do desenvolvimento do seu filho sem sofrimento é se cercar de informação, conversar muito com o pediatra. É interessante saber que, no caso da alimentação, eles costumam pedir para não oferecer açúcar o maior tempo possível, inclusive recomendar produtos sem adição dessa substância, para que o corpinho do seu filho não se acostume. Não sei se todo mundo sabe, mas desde pequeno o corpo do filhote vai sendo “programado” para funcionar de determinada forma, de acordo com o que ele come. Optar por alimentos sem açúcar, inclusive o leite, durante a infância pode diminuir as chances de obesidade no futuro, assim como do desenvolvimento de diabetes. O Milnutri, por exemplo, que é o leite da Danone adaptado para a infância, não tem adição de sacarose nem de frutose, justamente por isso. Ele também não contém glúten e possui o maior teor de ferro da categoria, e possui o DHA, um nutriente derivado do ômega-3, que ajuda no desenvolvimento cognitivo, visual e imunológico. É esse aqui da foto (* sobre o kit eu falo ao fim do post).

Tire todas as suas dúvidas com o pediatra e tenha certeza de que a ligação que você tem com o filhote vai fortalecer a cada dia, a cada fase que ele passar. Ao final de cada etapa, você percebe que é bonito vê-lo crescer e se tornar, aos poucos, mais independente. É só uma das tantas despedidas que teremos que fazer como mães.

Esse é um kit de Milnutri que recebi em casa. Como ela é a marca do Crescer e Aprender, está com uma ação legal: você encontra pacotes do produto que acompanham os jogos da foto (um quebra-cabeça ou um jogo da memória), enquanto durarem os estoques.

Este é um post publicitário.






Arquivado em: Publieditorial Tags:

Deixe seu comentário