Mãe também tem direito de ficar só

Por 14 Comentários


Outro dia eu tive um pequeno ataque aqui em casa, daqueles que nenhuma mãe se orgulha em ter. Não me perguntem porque daquela vez tive uma reação tão exacerbada – afinal, o fator que o motivou se repete com frequência em minha rotina. Talvez eu estivesse realmente cansada, exercendo minha função de mãe 24/7 sem trégua, e precisasse muito de pausa nessa toada tão dura.

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

Eu coloquei Catarina para dormir, e, como de costume, me deitei em sua cama, fazendo carinho até que ela dormisse. E como tem acontecido (mais do que eu gostaria), acabei pegando no sono por ali mesmo. Até aí, nada anormal. O problema foi que, cerca de uma hora depois, acordei sobressaltada, lamentando por não ter levantado logo em seguida – afinal, muito trabalho ainda me aguardava. Olhei no relógio e percebi que já era meia-noite, e fiquei alguns minutos me decidindo se voltaria a dormir (no meu quarto), ou se teria forças para abrir o computador, para resolver as pendências que insistiam em não sair da tela.

Mas… Assim que coloquei um dos pés no chão, para me levantar, a pequena acordou. E não deu tempo de colocar o segundo para fora da cama: ela começou a choramingar, dizendo que eu precisava ficar ali, que eu não podia sair. Naquela hora (inexplicavelmente, eu sei, já que não era motivação para eu me alterar tanto), eu virei um bicho. Aliás, um bicho bem feio. Senti um misto de frustração, por não conseguir me distanciar, depois de ter passado boa parte do dia ao seu lado, com uma pitada de raiva, por não ter direito de ficar sozinha por alguns instantes, com uma boa dose de culpa, por ter ficado tão brava e soltado uns bons berros, para que ela voltasse a dormir sem reclamar. E nessa hora eu pensei: “poxa, será que mãe não tem direito de ficar sozinha de vez em quando?”.

Mãe levanta cedo pela manhã, com o choro do bebê, ou, quando os pequenos crescem um pouquinho, para tira-lo da cama, fazer o café da manhã e correr para a escola. Depois, enquanto os filhos estão estudando ou em alguma outra atividade, ela trabalha (seja dentro de casa e fora), sem ter tempo de respirar entre uma tarefa e outra (muitas vezes ficando em jejum até a hora do almoço, porque não foi possível engolir um pedaço de pão). Mãe é quem, em geral, também cuida da casa, do marido, da própria mãe, às vezes da sogra, da irmã e da casa. Mãe é aquela equilibrista que tenta deixar todos os pratos girando ao mesmo tempo – e sabe que se não for rápida, eles vão estatelar no chão.

Agora me fala: quando é que a mãe fica sozinha? Mas um “sozinha de verdade” sem trabalhar, sem correr, sem lavar a louça, sem fazer as compras do mês, sem filho choramingando do lado de fora da porta do banheiro! E a resposta é: quase nunca! Porque quando a mãe não está com o filho pequeno a tiracolo, está fazendo alguma coisa pela família, ou para tentar manter seu lado profissional funcionando.

Só que a verdade é que mãe também precisa ficar só. Precisa ligar a TV sem que esteja passando Peppa Pig, ou o futebol do marido. Precisa tomar um banho gostoso sem medo de ser interrompida cinco minutos depois, com o choro do filho. Para ser bastante sincera, precisa ficar um tempo sem escutar ele chorando (seja pelo brinquedo que quebrou, por você ter dito “não” para algo que ele queria fazer, e pelos outros quatrocentos e cinquenta e nove motivos que levam uma criança a chorar todos os dias). Precisa sair de casa e olhar a rua, tomar um café, sem ficar olhando de dois em dois minutos no relógio, porque vai perder a hora de buscar o pequenino na escola. Precisa poder ligar para uma amiga para bater um bom papo, sem alguém esperneando ao lado porque quer atenção.

Mãe também precisa dos seus momentos de solidão. E não é feio admitir isso, é humano! O problema é que, geralmente, as pessoas só percebem isso quando você tem um pequeno ataque de nervos.




Arquivado em: Papo de mãe Tags:

Comentários (14)

Trackback URL

  1. Efigênia Santos disse:

    Toda mãe um dia já perdeu as estribeiras. Por pura frustração por não ter conseguido resolver uma situação, seja para o filho ou para si mesma… Sentindo-nos culpadas, nos frustramos mais ainda! Não deveríamos nos cobrar tanto e não ter vergonha de “pedir penico” de vez em quando. kkkk

  2. Deborah Carvalho disse:

    Nossa, falou tudo…

  3. Vívian disse:

    Bom dia!
    Adorei este seu post. Me vejo totalmente em todas as palavras que você compartilhou. Na verdade, já havia escrito sobre isso em minhas anotações. Tenho uma pequena de três anos e não tenho tempo para mim hora nenhuma. Sou mãe, trabalho 8 horas fora por dia, esposa, dona de casa e outras coisas que fazem parte da rotina diária de uma mulher. Não tenho muita ajuda por parte do marido, aliás, nenhuma, pois ele trabalha e chega cansado, mas “eu não chego não”. Tento fazer uma atividade física, mas é quase impossível manter uma regularidade, e quando dá o olhar no cronômetro do relógio não me deixa aproveitar a atividade, pois tenho que voltar para pegar Milena na casa da minha mãe, dar banho, fazer jantar, passar roupa e tentar tomar uma banho – de porta aberta para a pequena me ver. Não assisto a programa nenhum, porque em uma televisão está passando desenho e na outra Leilão ou jornal. Mas e eu??? Para mim não há tempo. Na verdade, eu faço a roda girar e ninguém olha se eu preciso de descanso. À noite, uma voz do quarto ao lado interrompe o pequeno, mísero momento de descanso com um MAMÃE!! e papai dormindo sossegado ao lado. É… e vai ser assim hoje, amanhã, e depois …. Por isso tenho medo de arrumar outro filho, o cansaço sugou um pouco essa vontade, pois não sei se daria conta de cuidar de dois. Mas o que me conforta é saber que não sou só eu quem passa por esta prova de fogo na tentativa de um minuto só meu. Na verdade, não sei quando eu tive ou vou ter este minuto. Desculpe o desabafo mas este post me aguçou e fez com que eu percebesse que todas as mães são, na verdade, super-heroínas do dia-a-dia.
    Beijos a todas as mamães e um em especial a você Nívea que tão bem nos representa em seu blog.

  4. Damaris disse:

    Cara Nívea, bom dia.

    Que agradável surpresa é ler os seus post. Quando estava grávida da Sophia descobri seu site e já fazem três anos que acompanho. E o motivo é simples, pq você é de verdade, sim de verdade, carne, osso, lágrimas….humana tão humana quanto eu, por isso é delicioso ler cada post, pois sinto verdade e interesse em você, como não vejo em muitas blogueiras.
    Parabéns pelo texto, pela sensibilidade, por ser humana!

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Damaris, que delícia receber essa sua mensagem! Alegrou meu dia!

      Obrigada pelo carinho e por estar na mesma sintonia, adoro essa troca!

      Grande beijo,

      Nívea

  5. Helin disse:

    Nossa passei uma situação idêntica semana passada… Após uma hora esperando meu mais velho (de 2 anos) dormir, quando tento pela quinta vez meu levantar da cama dele ele acorda! Fiquei irada!!! E esbrqvejando disse que ele deveria dormir sozinho pois já era grande. Meia hora depois volto no quarto, ele está deitado no escuro olhando pro teto..meus olhos se encheram de lágrimas e fui até ele dar um bj, dizer que o amava e que ele podia dormir sozinho pois já era grande e que a mamãe estaria por perto. Minutos depois ele estava dormindo.
    O lado bom foi que essa situação me abriu os olhos para perceber que ele.ja tem capacidade de adormecer sozinho. E assim tem sido. Escolhe um brinquedo e vai pro quarto dele dormir.
    Confesso ser triste vê-lo e deixá-lo crescer, mas é preciso!

    Adoro sua página!
    Parabéns pelo belíssimo trabalho!

  6. Michelle disse:

    Meu caso hoje … esgotada, minha filha me chamando 1.000,00 vezes, eu cansada, tendo que dar conta do trabalho de casa e do escritório, dos cuidados com a minha filha, um chororô sem fim, uma canseira louca (vários xixis pela casa … estou desfraldando minha filha) e não tenho o direito de ficar irritada. Qdo falo um pouco mais alto, escuto o meu marido: trabalhei o dia inteiro e vc ainda quer falar alto (gritar). Tô esgotada pô! Custa entender? Não … fala como se eu não tivesse feito nada. Isso tudo cansa muito, viu! Desculpe o desabafo …

  7. Ionara disse:

    Bom dia Nívea! Me identifiquei completamente! Também sou muito solicitada na hora de dormir e muitas e muitas vezes acabo pegando no sono no quarto da pequena! E já dei piti igual a você! Não foram muitas, mas foram algumas vezes! O problema é que após esse piti acabo me sentindo super mal, uma mãe horrível, porque gritou e esperneou e mandou a filha dormir de uma vez! Estamos cansadas e não somos a mulher maravilha! Somos normais e precisamos ter um tempo pra gente! Como diz a gíria: Tamo junto! Nós e mais um de milhão de mães espalhadas por este planeta! Beijo grande!

  8. Nayara disse:

    Eu to bem assim querendo um tempo ao meu qualquer coisa eu estresso com a minha Filha nao sei mais o que fazer 😣😣😣😣

  9. Valentina disse:

    Oi,

    Como eh dificil ser mae, e mulher… eu mesma ja escrevi um post no meu blog a respeito disso… te convido a ler se tiver vontade.

    Devemos dizer ter mini ataques com mais frequencia, pois, como ja dizia o Chacrinha, quem nao se comunica, se trumbica e logo.

    Abracos

    Valentina

  10. Rita disse:

    Nívea, confesso que hoje entrei em seu blog procurando um alento…e encontrei…esse texto…para nos lembrar que somos humanas e precisamos nos perdoar também…

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail