Conservantes em alimentos: por que é fundamental ler o rótulo do que sua família come?

Por 2 Comentários


Você já parou para ler o rótulo dos alimentos que compra no supermercado? Pois aqui essa atitude passou a ser obrigatória, depois que Catarina nasceu. Tudo começou na fase em que suspeitamos de uma alergia a leite de vaca, quando a pequena era bebê. E conforme a introdução alimentar começou a ocorrer, passei a ficar mais atenta, para evitar certos aditivos indesejáveis, como é o caso de alguns conservantes.

Eu não sei se todo mundo sabe, mas é relativamente comum o consumo de quantidades bem maiores do que as recomendadas para algumas dessas substâncias (que são facilmente encontradas em alimentos industrializados, pois têm a finalidade de conservá-los por mais tempo). Um dos maiores exemplos do consumo excessivo desses aditivos acontece com o sódio (também um dos conservantes mais usados pela indústria de alimentos): enquanto a recomendação do Ministério da Saúde é a ingestão máxima de 1,7 g de sódio – o equivalente a 5 g de sal por dia, o consumo médio do brasileiro, de sal, chega a 12 g diárias (ou seja: mais que o dobro do recomendado!). O maior problema do excesso de sódio à nossa saúde é o aumento da pressão, que também aumenta o risco de doenças cardiovasculares.

Mas os perigos dos conservantes não param por aí: essas substâncias podem provocar alergias, irritações ou mesmo problemas de ordem neurológica. Conheça a seguir a quais substâncias você deve ficar atenta e como decifrá-las nos rótulos dos alimentos:

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

Como eu sei que o alimento tem conservante?

Só mesmo lendo o rótulo para ter essa informação, uma vez que é obrigação do fabricante informar na lista de ingredientes do produto tudo o que foi usado durante o processo de fabricação. Nessa lista, os conservantes podem aparecer com o nome escrito por extenso ou então por um código (como 282, por exemplo, que é referente ao propionato de cálcio, um dos conservantes mais comuns encontrados nos alimentos industrializados). A Agência Nacional de Vigilância Sanitária disponibiliza nesse link a relação completa do INS (o Sistema Internacional de Numeração de Aditivos) – mostrando o código e o que ele significa (a partir do nome, fica mais fácil pesquisar possíveis efeitos colaterais do conservante).

 

O perigo dos conservantes

Entre os efeitos colaterais mais comuns à nossa saúde, resultantes da ingestão excessiva de conservantes, estão transtornos gastrointestinais e problemas na pele, além de irritações gástricas, urinárias, dos olhos e nariz, náuseas e vômitos. Desordens de natureza neurológica também podem ocorrer. E atenção, asmáticos: os sulfitos (um tipo de conservante) devem ser evitados, pois quem tem asma é mais sensível aos efeitos colaterais desse aditivo, responsável por possíveis reações alérgicas.

 

Dicas

A primeira recomendação para uma alimentação mais saudável é saber o que você está comendo e oferecendo para a família. Por isso, leia o rótulo e verifique os ingredientes (e uma informação importante: o ingrediente que aparece primeiro no rótulo é o que está presente em maior quantidade no produto). Opte por alimentos com menos aditivos artificiais – mesmo que o prazo de validade seja menor, a troca vale a pena! E, sempre que possível, faça comidinhas em casa. Que tal, por exemplo, começar trocando os caldos artificiais por caseiros? É fácil, eu ensino como fazer aqui.




Arquivado em: Alimentação Tags:

Comentários (2)

Trackback URL

  1. Lisiane disse:

    Olá
    Gosto do blog porém vejo que fala de vários assuntos de outras áreas que não a sua (odontologia) sem citar fontes das informações. Na minha opinião fica anti-etico. Sou nutricionista e vejo que fala bastante de nutrição como se você fosse da área por exemplo.

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Lisiane,

      Assim como outros blogs e sites nós fazemos uma pesquisa intensa antes de publicar sobre um determinado assunto. Isso é bastante comum no ramo do jornalismo (inclusive, contamos com duas jornalistas na equipe que fazem um excelente trabalho).

      Caso você deseje contribuir na sua área específica com algum conhecimento, sempre estamos de portas abertas.

      Abraços!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail