Eu sentirei falta de tudo isso

Por 4 Comentários


Outro dia, uma amiga que está grávida me pediu um conselho: ela queria muito saber a melhor forma de se preparar para ser mãe. Sabe aquela pergunta que você não sabe como responder? Porque depois que Catarina nasceu, eu percebi que não estava preparada para receber essa missão. Eu não sabia trocar fraldas, eu não sabia ninar um bebê, eu não imaginava como seria deixar o mundo lá fora e me dedicar 24 horas por dia a um filho. Foi a própria maternidade quem me ensinou a ser mãe, foi aquele chorinho que te obriga a descobrir como confortar o pequeno, foram as noites mal dormidas que me tornaram forte. Foram as lembranças da minha mãe, e de tudo o que eu admirava nela. Por isso, o máximo que consegui dizer para essa amiga foi que ela abrisse seu coração, e que fosse muito agradecida a tudo o que ela ainda aprenderia nessa caminhada.

Da mesma forma que eu não estava preparada para ter um bebê, eu também não estou para ver minha pequena crescer. A cada dia em que a percebo maior, mais independente, meu coração se aperta um pouquinho. Tenho vontade de congelar os instantes de caminhada entre as árvores do nosso prédio, das brincadeiras com as folhas que tanto nos encantam. Quero me lembrar da sensação do vento batendo em meu rosto quando ficamos uma ao lado da outra no parquinho, “correndo” em nossos cavalos de madeira. Quero gravar na minha alma seu sorriso, descendo do alto do escorregador.

Sendo mãe, percebi que a verdadeira beleza está nos momentos vividos todos os dias. Aqueles mesmos que passam correndo, sem dizer adeus. Até o dia em que você percebe que eles já não existem mais: porque seu filho não precisa mais que você amarre seus sapatos e lhe salpique um beijo, porque já sabe ler e quer se virar sozinho, sem que você precise ler a história da hora de dormir. E como eu sentirei falta de tudo isso…

A seguir eu compartilho com vocês alguns desses instantes. Que para mim ficarão eternizados nas imagens da querida Grazi Ventura, que faz um trabalho incrível de fotografia documental de família. Não, não são as fotos clássicas que você tem com seus filhos: na mesa do aniversário, na viagem para a praia. Elas mostram toda a vida que pulsa na sua casa, diariamente, e na qual você não reparava há tempos. Ao fim do post eu deixo os contatos dela, para quem quiser ter esse registro maravilhoso de família (nem vou falar mais, porque já estou emocionada! Vejam as fotos e vocês vão entender!).

batch_IMG_1190 batch_IMG_8362batch_IMG_8376 batch_GSLO5727 batch_IMG_8579batch_IMG_8762batch_IMG_1193-2batch_IMG_8683batch_IMG_8719 batch_IMG_8653batch_IMG_8732-2batch_IMG_8787 batch_IMG_8810 batch_IMG_8825batch_IMG_8777batch_IMG_8929 batch_IMG_9020 batch_IMG_9024 batch_IMG_9033 batch_IMG_9102-2batch_IMG_9264-2batch_IMG_9289-2batch_IMG_9425 batch_IMG_9428batch_IMG_9468-3

Um agradecimento especial à Grazi Ventura, que passou um dia registrando todos os momentos da minha família. Obrigada pelo respeito, pelo carinho em pegar a mãozinha de Catarina enquanto passeávamos pelo bairro, por dividir comigo um pouco de suas histórias, enquanto me presenteava com pedacinhos inesquecíveis da minha vida.

Para quem quiser saber mais sobre o trabalho da Grazi com fotografia documental de família (entre outros, que ela também faz): http://www.graziventura.com.br

Email: graziela@graziventura.com.br

Facebook: https://www.facebook.com/GraziVenturaFotografia/

Instagram: @graziventurafotografia




Arquivado em: Nossa históriaPapo de mãe Tags:

Comentários (4)

Trackback URL

  1. jaqueline disse:

    Amo este blog de coracao . Como é bom ver que o que eu sinto pela minha filha é normal .Este aperto do peito… este medo de ver ela crescer.
    A minha princesa foi ontem com o meu irmao e a esposa para casa deles ( que é longe da minha casa)… ela foi amaradona.Eu e o pai perguntamos se ela queria realmente e ela respondeu: Mae ..pai … eu volto… domingo estou de volta.
    O medo que tenho é cresce…+ sei que tenho que passar confiança e liberdade para ela .Acho que é por isso que ela vai sem medo.
    ABRACO FORTE

  2. Flavia disse:

    Não paro de chorar com o seu texto…descreve exatamente como me sinto. Faço das suas palavras as minhas

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail