Dica de viagem: Royal Palm Plaza. Para curtir com as crianças em grande estilo!

Por 3 Comentários


Vocês já ouviram falar sobre o Royal Palm Plaza? Confesso que sempre tive vontade de visitá-lo com minha família, afinal, ele é um dos mais bem conceituados resorts de todo o Brasil. Eu não fui, mas nossa querida Fabiana, parceira do blog e super viajante, esteve lá com o marido e seus dois filhos, e nos conta nesse post sua experiência. Depois de ler seu texto, o destino entrou definitivamente para minha lista de futuras viagens! Adianto: tem muitos elogios vindo por aí (e olha que a Fabi é bem rigorosa em suas avaliações!). Vem ver:

Por Fabiana de Toledo

Se você me conheceu lá nos idos de 2005 e me contou que havia acabado de retornar com a família de um resort desses “top”, com direito a todas as refeições inclusas, incontáveis mordomias e uma infraestrutura de lazer tão completa que o hóspede nem bota o pé para fora, eu tenho algo a lhe dizer: desculpa! Sim, porque tenho de admitir que provavelmente torci o nariz para a sua escolha, e não compreendi como poderia valer a pena investir uma quantia razoável apenas com hospedagem, sendo que há tantas outras opções satisfatórias e bem mais em conta. Que tolinha! Mais de uma década passou e hoje aqui me vejo, casada, com um filho de 4 anos e uma bebê de 1, em um caso de amor recente com um lugar que atende pelo nome de Royal Palm Plaza – o luxuoso resort em Campinas, onde estive com a minha família há cerca de um mês.

O hotel é daqueles de arrancar suspiros e deixar saudades. Uma alternativa imperdível para quem já descobriu que hospedar-se em resorts premium é vivenciar uma experiência única, que arrebata os corações dos pequenos e faz os pais se lembrarem do significado da palavra descanso.

Passamos quatro dias deliciosos no Royal, que fizeram as férias de verão do meu menino iniciarem com o melhor astral possível. E o nosso encantamento começou logo de cara. Depois de uma viagem muito rápida (pouco mais de 1h20 da porta de casa, em SP, até lá) e um check-in ágil, fomos acomodados em um ótimo apartamento no térreo do bloco Buganvilia, que fica próximo às piscinas. Em caso de disponibilidade, recomendo essa opção para quem viaja com bebês, pois facilita o deslocamento pelo resort, que é muito grande.

Quarto categoria luxo

Quarto categoria luxo

O apartamento em que ficamos, da categoria luxo, é o mais básico de todos e já é excelente: duas camas de casal, TV LCD, aparelho de DVD, wi-fi cortesia (isso vale também para o restante do hotel), ar-condicionado, poltrona, mesa de trabalho, roupa de cama e banho de primeira linha, banheiro de muito bom gosto com direito a banheira (pra delírio materno!), e varanda enorme. Atenta às necessidades de nossa família, a equipe já havia deixado no quarto um berço e uma banheirinha. Aliás, no que se refere às utilidades que o resort oferece para quem viaja com bebês e pequeninos, posso dizer que o serviço é VIP mesmo, incluindo o empréstimo de carrinho de bebê de ótima qualidade e de simpáticos carrinhos para crianças pequenas. Além disso, vale destacar a existência de três Copas do Bebê estrategicamente localizadas para garantir que os pais possam utilizá-las, estejam onde estiverem. Nelas, há variadas frutas, leites, bolachinhas, duas sopas de diferentes sabores no almoço e no jantar, equipamentos úteis (geladeira, liquidificador, micro-ondas, fogão, esterilizador etc.), cadeirões, poltrona para amamentação e até um bercinho.

Copa do Bebê

Copa do Bebê

Copa do Bebê

Copa do Bebê

Quanto às instalações e decoração, gente, que beleza! Tudo belíssimo, novo e impecavelmente limpo. Meu queixo simplesmente caiu diante do paisagismo da área das piscinas. Coqueiros, gazebos, espreguiçadeiras e outros tantos cantinhos relaxantes que são um charme só. Sem dúvida, a ala aquática, por si só, já justifica a ida ao Royal. São quatro piscinas climatizadas, uma hidromassagem quentíssima rodeada por flores e mais duas piscinas infantis – uma bem rasinha, com escorregador, balanço e outros atrativos para os menores e outra com um grande toboágua e um baldão gigante que, quando cheio, dá uma banho daqueles na molecada. Impossível não achar a vida cor-de-rosa e não se esquecer de todos os perrengues entre um mergulho e outro por ali! O eficiente serviço de bar nesse entorno, a generosa oferta de felpudas toalhas e a presença de salva-vidas atentos nas redondezas só reforçam essa sensação. Meu filho e meu marido aproveitaram tanto que eu tinha de ser ligeira para acompanhá-los no vai e vem das piscinas dos pequenos para a principal (de 50 metros e com uma vistosa cascata!) ou para a dupla de piscinas que têm um agradável recuo, que permite relaxar horrores dentro d’água mesmo. E tanto treino surtiu efeito: o filhote, que iniciou na natação há poucos meses, literalmente se despediu das boias graças a esse intensivão.

Piscina principal

Piscina principal

Piscina principal

Piscina principal

Piscina com cascata

Piscina climatizada

Eu e Eduardo

Eu e Eduardo

Piscinas climatizadas

Piscinas climatizadas

Descanso na área das piscinas

Descanso na área das piscinas

Piscina infantil

Piscina infantil

Outro setor do hotel que merece destaque é a chamada Casa de Campo, onde fica grande parte das atrações de lazer – e que jardins são aqueles?! Nessa região, localizam-se os dois parques temáticos que fazem a alegria dos hóspedes mirins: o Miniville e o Kata Kuka. O Miniville é o mundo encantado da coelha Fofa Flor, do cachorro Currupaco Paco e do papagaio Capitão Átila, os mascotes do hotel. Lá, o cenário é tão fantástico que parece coisa de filme: tem um castelo medieval, uma graciosa casa de boneca em versão ampliada, uma nave espacial e um navio pirata.

Casa de Campo

Casa de Campo

Entrada da Miniville

Entrada da Miniville

Miniville

Miniville

Elis e o Catelo Medieval

Elis e o Catelo Medieval

Casa da Fofa Flor

Casa da Fofa Flor

Navio Pirata

Navio Pirata

Elis no escorregador

Elis no escorregador

Teatro com os mascotes

Teatro com os mascotes

Já no Kata Kuka, o clima é de aventura e mistério, à la Indiana Jones. Cobrada à parte e voltada para maiores de 1,30 m, a expedição que acontece nesse espaço é cheia de desafios, que incluem labirintos, parede de escalada, arvorismo e tirolesa. Tivemos a sorte de poder adentrar o seu interior e participar de uma divertida atividade feita excepcionalmente para os pequeninos lá dentro da oca. Eduardo adorou brincar de índio! Não apenas essa, mas grande parte das atividades propostas pelos competentes recreadores do resort acontece em meio à lúdica paisagem desses dois locais. E por falar na recreação, ela atende todos os grupos de hóspedes, com programação especialmente dedicada às diversas faixas etárias – dos 3 aos 6 anos, a turminha recebe o nome de Fofuchos, enquanto dos 7 aos 12, é chamada de Guerreiros. Uma forma superbacana de ficar ligado no que está rolando é por meio do aplicativo Royal Enjoy, que o hóspede pode baixar para o seu smartphone assim que entra no hotel. Tem tudo lá, cada uma das brincadeiras que a equipe de lazer propõe ao longo do dia (há apenas um intervalo para descanso, das 18h às 19h30). Para pais com filhos grandes o suficiente para se juntar aos monitores, é tranquilidade na certa.

Kata Kuka

Kata Kuka

Kata Kuka

Kata Kuka

E isso não é só um modo de falar: dá para ficar de folga de verdade. Os adultos podem curtir o sossego e brincar à beça! Há quadras de tênis, arco e flecha, campo de futebol society, ginásio poliesportivo coberto, sinuca, pingue-pongue, sauna, academia e até um cinema com sessões noturnas. Isso sem falar no caprichadíssimo Aflora SPA, que oferece massagens, banhos e outros tratamentos terapêuticos e estéticos. Com a nossa pituquinha Elis a tiracolo, não deu para experimentar todo esse farto cardápio, mas deu para se lambuzar com outras delícias: as comidas!

Campo de futebol

Campo de futebol

Quadra de tênis

Quadra de tênis

Há vários bares e três restaurantes no resort. Todas as refeições servidas no Vila Real, em sistema de buffet, estão incluídas na diária e são muito saborosas. Fiquei impressionada com a apresentação dos pratos, sempre primorosa, e gostei muito das entradas, ricas em queijos, camarões, castanhas etc. Mas o que me conquistou pra valer foram as duas sobremesas que são o carro-chefe da cozinha do Royal: o pudim de leite e o quindim. Sem exagero, arrisco dizer que são os melhores que já comi. Aliás, não fui a única a achar isso: o marido também amou, especialmente o pudim, e até o nosso menino, que estranhamente sempre dispensa um docinho, rendeu-se aos encantos dessa iguaria.

O pudim e o quindim!

O pudim e o quindim!

Ainda no quesito alimentação, vale contar que, nos períodos de férias e feriados, o resort disponibiliza um restaurante especialmente dedicado aos pequenos. Nele, o menu é mais trivial e o ambiente é bem descontraído, com música infantil e toalhas fofas com HQs dos mascotes do hotel (que inclusive, fazem aparições por lá). Dá até para deixar as crianças fazerem as refeições com a turminha e os tios. Eu confesso que ainda não me sinto tranquila com essa opção, porque gosto de me certificar sobre o quê (e quanto) o meu moleque comeu (alguém se identifica?).

Agora responde rápido: diante desse festival de maravilhas, tenho ou não motivo para ter mudado de opinião sobre a hospedagem em resorts de alto padrão? É, não resta dúvida: a maternidade é mesmo um eterno cuspir para cima e cair na testa.

selo




Arquivado em: DiversãoViagem Tags:

Comentários (3)

Trackback URL

  1. Adorei as instalações do Royal Palm e as refeições são muito saborosas também.
    A equipe recreativa fica com crianças a partir dos 3 anos de idade, são super atenciosos, ajudam até as crianças a comerem, o que convenhamos não é um trabalho muito fácil aos pais.
    Já tenho estadia pra voltar, porém como faltam alguns meses para meu filho completar 3 aninhos, vou esperar para agendar mais um pouco. Assim ele poderá desfrutar das brincadeiras de recreação.
    E nós pais poderemos curtir do lazer do resort.
    Super indico aos pais com crianças de qualquer idade!!!
    Abs
    Ana

  2. Elizabeth disse:

    Queria muito uma opiniao: Mavsa Resort ou Royal Palm? Quero ir e estou na duvida entre os dois…

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Elizabeth,

      Puxa, não consigo te dar uma resposta, porque eu fui ao Mavsa, mas não ao Royal. Foi a Fabiana, nossa colaboradora, quem foi a Campinas (nenhuma das duas foi aos dois hotéis para fazer uma comparação justa). No entanto, acredito que você vai curtir qualquer um dos dois destinos! São super bem cotados por todas as mães que levam crianças!

      Beijos!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail