Filme dos Minions: vale a pena levar o filhote ao cinema?

Por 5 Comentários


Um dos lançamentos mais esperados do ano acaba de acontecer: o filme dos Minions já está nas telas de todo o país! Eu estava muito curiosa para saber um pouco mais sobre a animação, para me decidir por levar ou não Catarina para assisti-lo. Então convidei a super fofa Luísa, da equipe do blog, para nos contar o que ela viu por lá (a seguir, tudo o que você precisa saber antes de levar o filhote ao cinema!).

Por Luísa Massa

Se você tem filhos em casa, com certeza já ouviu falar dos Minions – aqueles personagens amarelinhos do filme Meu Malvado Favorito. Essas fofas criaturas conquistaram o coração das crianças e dos adultos também (confesso!). Devido ao grande sucesso que fizeram, os Minions acabaram ganhando um filme próprio, que estreou na quinta-feira passada, dia 25/06. Quer saber se vale à pena levar seu filho ao cinema para assistir essa animação? É exatamente isso o que eu conto no post de hoje!

minions-1

Assistindo aos filmes da saga Meu Malvado Favorito, é impossível não se apaixonar pelos Minions – cá entre nós, eles roubam praticamente todas as cenas! E exatamente por isso, esses divertidos personagens ganharam sua própria animação, que conta a parte da história antes do ponto que já conhecemos: o encontro deles com o Gru, vilão de Meu Malvado Favorito. Considerando que os Minions são seres milenares, o longa retrata toda a sua trajetória, passando por diversos períodos históricos.

O filme também mostra que, desde o seu surgimento, os Minions estão sempre em busca de um vilão para liderar toda a turma. Como eles são muito desastrados e sapecas, imprevistos acontecem no meio do caminho, e a maioria dos chefes malvados sofrem acidentes. Ao ficar muito tempo sem a presença de um líder, os Minions ficam deprimidos e desapontados. E a fim de restabelecer a alegria e a esperança de sua espécie, três deles – Kevin, Stuart e Bob – começam uma grande viagem em busca de um novo comandante, indo primeiro para os Estados Unidos, em uma convenção de vilões.

Se você conhece um pouco dos Minions, já pode imaginar que esse filme arrancará risadas dos pequenos e dos mais velhos também! A saga pela busca de um novo chefe é marcada por momentos divertidos, engraçados e também instigantes. Um dos aspectos mais interessantes da animação são as passagens históricas retratadas (e que podem despertar a curiosidade dos pequenos pela história do mundo): desde o surgimento dos Minions, na época dos dinossauros, passando pela fase das cavernas, o Antigo Egito, até o momento em que eles viajam e chegam a Londres, na década de 60 (quando até os Beatles aparecem de leve na trama)!

Mesmo que seu filho ainda não entenda direito o que essas passagens significam, depois do filme, você pode explicar um pouco mais sobre elas, e o quanto as coisas mudaram até que chegássemos à sociedade de hoje. Por serem seres originais, os Minions também têm uma linguagem própria: eles misturam alguns sons com outras palavras de diferentes origens – como inglês, espanhol, italiano. Isso não compromete o entendimento no filme, já que os personagens são muito expressivos e sonoros; pelo contrário, é mais uma faceta interessante a se trabalhar com os pequenos. Se o seu filho for um pouco maior e prestar bastante atenção, provavelmente conseguirá entender o sentido de uma palavra dita em inglês, por exemplo.

Querendo ou não, o filme também lida um pouco com a violência, já que os Minions estão atrás de vilões e querem cumprir suas “maldades”. Para alguns pais, esse pode ser um ponto desfavorável na hora de levar os filhos ao cinema. Se você quiser arriscar, acho que vale conversar com a criança e explicar que aquilo é ficção e que devemos sempre seguir o caminho do bem. Rever os filmes do Meu Malvado Favorito, que supostamente dão continuidade ao dos Minions, também pode ser uma boa alternativa, porque em um deles o vilão principal acaba se tornando bonzinho.

Mesmo assim, acredito que vale à pena levar o pequeno ao cinema para assistir esse filme. Acima de tudo, a animação mostra que os Minions estão sempre unidos, buscando o que é melhor para todos – em um sentido coletivo. Você também pode aproveitar o gancho para explicar que as relações com a família e com os amigos devem ser assim! Minha impressão é a de que crianças um pouco maiores, na faixa de 5, 6 anos, conseguirão aproveitar melhor o conteúdo que é passado na trama. Fica aí a dica de um bom programa para divertir o filhote nas férias de julho! E se você já levou seu pequeno, conte o que achou nos comentários!




Arquivado em: Diversão Tags:

Comentários (5)

Trackback URL

Sites que possuem links para este Post

  1. Bolo dos Minions: 25 modelos incríveis! : Mil dicas de mãe | 23 de julho de 2015
  1. Lidiane disse:

    Levei meu pequeno pela primeira vez no cinema pra ver o filme hoje. Eu e meu marido sempre fomos muuito de ir ao cinema então queremos que o pequeno goste de nos acompanhar então pra ele se acostumar aproveitamos o filme. Ele tem só 4 meses hehe

  2. Franciele disse:

    Meu filho tem dois anos e três meses. E simplesmente ama o Minions. Assistiu inúmeras vezes o trailer do filme.
    Levei-o ao cinema pela primeira vez para assistir a animação dos Minions. Fiquei apreendida se ele assistiria até o final. Mas fui surpreendida. Ele assistiu o filme todo até os créditos. O filme é muito
    engraçado. O ponto que deixa a desejar é a busca pelo vilão malvado… de querer fazer as coisas más… Acho que isto deve ficar bem esclarecido na cabecinha da criança… e explicar que todos os vilões malvados tem um final triste.

  3. sandra maria lopes monteiro disse:

    Também vi o filme, achei legal pq sou adulta, mas fiquei com muitas dúvidas.
    os criminosos da vida real também são unidos e organizados. Um filme que enfatiza o maior vilão como exemplo a ser seguido por um grande grupo me deixa algumas interrogações. Acho que há animações mais interessantes e produtivas pra nossos filhos. Cabe aos pais decidirem o que é melhor para os filhos, mas nós sabemos que um estranho muitas vezes conquista mais que um familiar, então acho que um olhar mais atento não faz mal a ninguém.

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail