Estudo mostra que a relação entre pai e mãe influencia o comportamento dos filhos

Por 6 Comentários


Você já parou para pensar como seu relacionamento com seu parceiro influencia o comportamento de seu filho? Imagino que todos nós tenhamos em mente que, quando pai e mãe têm uma boa convivência, falam a mesma língua e se ajudam na criação das crianças, tudo fica mais fácil. Mas será que existem provas de que o comportamento dos filhos está relacionado ao entendimento entre os pais? Pois um estudo recente da Universidade de Sussex, no Reino Unido, mostra exatamente isso.

relacionamento pais

Apesar de alguns outros estudos já terem mostrado a relação entre a forma como pai e mãe trabalham juntos na educação dos filhos e o comportamento das crianças, poucos trabalhos analisaram de maneira isolada a percepção do pai e da mãe sobre o próprio relacionamento, e como isso interfere na expressão dos pequenos. Nessa pesquisa, foram analisadas 106 famílias, todas com filhos biológicos e nas quais pai e mãe moram juntos na mesma casa. Os pais responderam questionários e tiveram entrevistas por telefone com os pesquisadores, para relatar como se relacionavam com o cônjuge e atuavam na criação das crianças. E o resultado foi interessantíssimo.

Quando as mães que participaram do estudo afirmavam não receber suporte do marido, não foi estabelecida uma relação com o bom ou mau comportamento dos filhos. Entretanto, no caso dos homens que se disseram não apoiados por suas esposas na educação dos filhos, foi identificado um padrão desafiador das crianças, que demonstravam comumente atitudes como jogar os brinquedos no chão, ou responder de forma áspera aos pais.

Embora a pesquisa tenha identificado essa relação, mas não tenha estudado as causas que levam a ela, uma possível explicação para o mau comportamento dos filhos quando a parte paterna não encontra o apoio materno é a de que o papel atual do pai na criação dos pequenos ainda não está bem estabelecido. Como ainda hoje é a mãe a considerada responsável por essa tarefa (e a família inteira tem essa consciência, inclusive os filhos), é importante que ela abra espaço para que o pai também seja atuante – só assim ele ganhará autoconfiança e poderá construir um relacionamento de amizade e respeito com as crianças.

Fica a dica: vamos deixar que os pais sejam pais, que participem, que estejam próximos. Seja na hora de trocar uma fralda, de ajudar o filho a dar os primeiros passos, no momento de repreender e também no de demonstrar carinho. Certamente, dessa forma, teremos pais e filhos cada vez mais amigos e felizes.




Arquivado em: ComportamentoCuidados diários Tags:

Comentários (6)

Trackback URL

  1. Uma mãe preocupada disse:

    O estudo linkado na fonte não tem nada a ver com o que está escrito no texto acima. Podem passar reto, a ciência nunca disse nada disso.

    • Nívea Salgado disse:

      Olá, bom dia,

      Sobre esse post, eu li diversos textos que referenciavam o trabalho da Universidade de Sussex, para redigi-lo. Voltei a lê-los novamente, depois do seu comentário, e não identifiquei o problema na tradução ou interpretação do que foi dito.

      Como você comentou que o texto está incorreto, poderia me indicar exatamente onde está o erro? Assim eu poderia melhorar meu trabalho.

      Um abraço,

    • Vivian disse:

      Eu também descordo.Na maioria das vezes ,o pai não quer estar presente na vida dos filhos. Por sua vez, sempre culpando,e jogando todas responsabilidades nas costas da mãe ,que já vive sobre carregada,exatamente,porque os pais não querem ser ativos.
      Cada um no seu quadrado, mulher nem uma deve ficar lembrando o pai de ajudar.Eles que busque fazer suas obrigações com os filhos,dividindo tarefas.Claro que essa pesquisa esta equivocada.Parece que foi feita por um homem,somente para homens.

  2. Nadia disse:

    Vamos deixar que os pais participem?!? Culpe da mãe?!?! Kkkkk fala sério este texto kkkkk

  3. Danielly maria da silva disse:

    Meu esposo fica colocando meu filho de quatro anos contra mim. às vezes choro muito, pq meu filho não quer saber de mim. Sou muito carinhosa com ele mas ele não é comigo. Como isso pode influenciar a educação dele? Futuramente ele poderá não gostar de mim?

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Danielly, tudo bem?

      Você já conversou seriamente com seu marido sobre isso? Acho que é importantíssimo que ele saiba como você está se sentindo, e quais os efeitos de algumas observações dele. Dê muito carinho para seu filho, mostre na prática o quanto você o ama. Vá conversando com ele e mostrando o quanto ele é importante em sua vida.

      Espero que tudo dê certo!

      Beijos!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail