Sobre minha admiração extrema pelas mães que não trabalham fora

Por 50 Comentários


No início das férias escolares (bem no comecinho, para falar a verdade), eu cheguei a me perguntar que raios estava fazendo ao dedicar tantas horas do meu dia ao lado profissional. Mesmo trabalhando em casa (geograficamente falando), eu me considero uma mãe que “trabalha fora”. Tenho várias atividades que não estão ligadas à Catarina – escrevo, reviso, vou a reuniões, eventos… Ou seja, uma parte da minha vida ocorre no mundo dos adultos, apesar de estar intimamente ligada à maternidade – afinal, o blog trata exatamente desse assunto.

Como Catarina não está na escola, passei a trabalhar menos durante o dia. Viajamos e eu tive oportunidade de estar com a pequena em quase todas as horas do dia. Nós temos uma ligação muito bacana, e posso dizer que acompanho seu crescimento de perto. Mas esse “intensivão” de tempo que passamos juntas me fez perceber coisas que eu ainda não havia percebido – o quanto ela está esperta, inteligente, como consegue formular raciocínios complexos e como sua imaginação é cerca de 1000% mais desenvolvida do que a minha, com a mesma idade.

De repente, confesso a vocês, eu estava apaixonada por essa nova rotina de estar o tempo todo com ela. Os dias pareciam cheios de cor, de alegria, de diversão… Até que voltamos para casa. E aí, não havia mais a novidade das viagens para diverti-la, nem as crianças com que Catarina brincou por semanas. Também não havia o restaurante para servir as refeições prontas e para lavar a louça depois. Nem o marido (que durante suas férias dividiu as atividades de cuidar da pequena), que voltou a chegar em casa apenas para o jantar. Foi aí que eu percebi que a rotina das férias não tem absolutamente nada a ver com a de uma mãe que trabalha em casa e cuida dos filhos, dia após dia.

Percebi que não havia mais diferença entre os dias da semana. Segunda, quinta, sábado ou domingo era a mesma coisa. Meu repertório de brincadeiras se esgotava rapidamente – era brincar com bonecas, com o kit de médico, pintar, cantar, esconde-esconde, pega-pega e o dia ainda não tinha chegado à metade. Eu não conseguia ir da sala ao quarto sem ouvir o grito de “manhê!”. Tudo o que eu fazia – supermercado, farmácia, almoço, limpar a casa – era sempre com a pequena a tiracolo. E, por vezes, eu me perguntei: “como alguém consegue dar conta disso o ano todo?”.

Mas eu sei que há muitas mães que dão conta disso e de muito mais. Que não têm ajuda para cuidar da roupa, que passam boa parte do dia na cozinha, que não tem uma mãe ou uma sogra por perto para ficar com a cria quando a coisa aperta. E que fazem tudo isso sorrindo, com a certeza de que estão fazendo o melhor por suas famílias.

Se você trabalha “apenas” em casa (aliás, como alguém tem coragem de usar a palavra “apenas” para definir o que você faz?), saiba: eu te admiro pra caramba!




Arquivado em: Papo de mãe Tags:

Comentários (50)

Trackback URL

  1. Obrigada, era tudo que eu precisava ouvir( ler) . Boa noite.

  2. Essa é a mais pura realidade. Muita gnt pensa q a gnt nao faz nada o dia todo, q fica so comendo e assistindo tv, mas nao sabem qual eh a nossa realidade. Obrigada

  3. gabriela fonseca disse:

    Nossa, alguém q me entende e disse tudo o que vivo e passo o dia todo, e meu marido ainda tem a coragem de dizer q eu tô na vida mansa. Kkkk é pra rir. Bjs

  4. Priscilla Saber disse:

    Tão bom ler essas palavras! Que todos tenham esse reconhecimento!

  5. Camila Noronha disse:

    Amei. Me sinto confortada a noite estou um trapo…

  6. Daniela Goes disse:

    Muito obrigada pelo texto! Muitas vezes acho que não vou conseguir, até que meus filhos me agradecem por estar sempre ao lado deles e fazer o papel de mãetorista! Aí, estou pronta pra mais um dia!

  7. Muito obrigada precisava disso hoje meu dia foi uoh

  8. Renata Pereira disse:

    Obrigada!!! E eu com 3 crianças ainda ouço dizer que eu não trabalho só fico em casa!

  9. Mariane Calderan Fernando Hoffmann disse:

    Obrigada! Tem dias q não é fácil…. Mas seguimos fos e fortes…aaahh e cada vez mais pacientes. Obg pelo reconhecimento, não ew isso q ouvimos dos fulaningos

  10. É que trabalha dentro de casa. Somente quem vive a situação é que pode falar alguma coisa. Belo texto!

  11. Tenho um menino de 6 anos em férias escolares e uma baby de 4 meses… pensa no caos da rotina, rsrsrsrrs. As vezes acho que vou surtar. Ainda bem que meu marido divide as tarefas comigo no período que está em casa, incluindo as de madrugada.

  12. Fafa Fascina disse:

    É verdade tem dias que é estressante mas vale a pena pois aprendemos muito com eles. Tenho uma menina de 5 anos e um menino de 3, imagine aí o trabalho mas amo eles demais e não confio em ninguém para tomar conta deles acho quevminha proteção passa de 1000, as vezes me acho protetora demais.

  13. Camila Vidal disse:

    Obrigado! 🙂

  14. Nossa é verdade tb sai do trabalho pra me dedicar a minha casa e percebo como isso foi bom para o desenvolvimento da minha filha assim como meu amadurecimento como mae ,nao tenho ninguem pra me ajudar entao realmente a rotina é ardua mas vou levando com muita alegria e sentimento de dever cumprido minha pequena vai fazer 2 anos e pretendo voltar a trabalhar fora tb ,só nao sei como vou dar conta mas… a vida é assim a gente vai se adaptando

  15. Quando se faz com amor tudo fica mais fácil.

  16. Lindo ! Perfeito!!! Descreve exatamente nossos corações !!!!

  17. Obrigado. Seu texto me encantou! Eu sou Mãe da Joana em tempo integral e tenho orgulho disso, mas o além disso é que pesa! Rs

  18. Nívea estou conhecendo seu blog agora. Quantos anos tem sua bebê e quanto tempo ela passa na escolinha? Estou com esse dilema sobre colégio/babá com a minha filha de 1 ano!

  19. Oi, Cristina, tudo bem?
    Minha filha acabou de fazer 4 anos! Ela fica meio-período na escola :). Eu trabalho nas horas em que ela fica na escola, e mais umas 4 horas à noite, depois que ela dorme. Isso significa que eu durmo pouco, rsrsrs.
    Bjs!

  20. Isabel Balbin disse:

    Em Sampa, além de tudo estamos com a questão do racionamento que ""Não existe"". Tem que ser muito "sexo forte" para dar conta. Quando alguém disser que somos do sexo frágil mandem para aquele lugar.

  21. Me dedico em tempo integral para meus filhos!

  22. Raquel Rz disse:

    Também admiro todas aquelas mulheres que decidiram dedicar aos filhos. Muitas mulheres privilegiam carreira, acúmulo de bens e reconhecimento social. Em contrapartida, estão filhos saturados de bens materiais, mas carentes ao extremo de gestos de carinho, de diálogo e um tempinho para serem ouvidos.

  23. É muito gratificante sim sem dúvida alguma mas também da muito trabalho, confesso que sou muito estressada e totalmente sem paciência!!!! Mas tudo passa!!!! E dias melhores virão!!!!

  24. Simplesmente obrigada de uma mãe que trabalha "apenas" em casa …

  25. trabalho o dobro mais nao a dinheiro que pague vc ver seus folhos crescerem

  26. Thais Frajuca disse:

    Essa é a ocupação em que me saio melhor, ser mãe.

  27. Thais Baggio disse:

    Obrigada, querida!! Bom ler algo que não trata a mãe que escolheu ficar em casa como madame. Bjssss

  28. Thais Baggio disse:

    Obrigada, querida!! Bom ler algo que não trata a mãe que escolheu ficar em casa como madame. Bjssss

  29. <3 muito bom esse artigo. Todas as mamaes merecem uma salva de palmas todos os dias.

  30. Obrigada Níve. Seu texyo me tocou profundamente pois vivo essa rotina diária, agora com uma menina de 8 anos e um bb de 7 meses. é muito difícil, ás vezes choro pq o cansaço é tão grande que dá vontade de gritar. Mas continuo tentando, dia após dia, sem titubear se quero continuar ou não. Um grande abraço e obrigada pelo texto!

  31. Juliana Krauss disse:

    Obrigada por evidenciar esse lado! Não é fácil mesmo cuidar da casa, da neném e de dois cães, no meu caso ( que dão o dobro de trabalho que a nenem dá, rsrs) sozinha! Abraço!

  32. Giane disse:

    Muito obrigada, me senti muito valorizada lendo teu texto, e amanhã farei tudo de novo com um sorriso a mais no rosto.

  33. Gerusa disse:

    Por mais cansativo que seja dar conta “apenas” da casa, do almoço na hora certa, dos brinquedos que vc junta mais de 10x ao dia, das pilhas de roupas pra lavar e passar…. Tudo se deixa de lado quando ganhamos um beijo, um sorriso puro e sincero. Não cabe no coração a alegria de saber que vc esta ali, junto dele vendo a primeira arte, as primeiras tentativas de balbuciar mamãe. É de chorar, de estremecer o amor que eles nos dão, puro, sem malícia, sem maldade, somente amor profundo, imensurável.
    Estou em estado de desespero em pensar que preciso colocá-lo na escolinha, que vou ter que voltar a uma rotina estressante de casa-trabalho e meu tempo com ele ira diminuir significativamente.
    Nao é fácil ne mamães, mas nao há coisa melhor nessa vida!!!
    Acreditem, nos somos as verdadeiras “mulher-maravilha”, é um prazer enorme nao terceirizar os primeiros anos de vida dos nossos pequenos!!!

  34. Rafaela disse:

    Muito bom ser valorizada de vez enquanto !!Obrigado

  35. Juliana disse:

    Sai do emprego pra cuidar do meu filho apesar do dinheiro está me fazendo falta não me arrependi,ele é tudo pra mim.

  36. kathellin Borges disse:

    Muito obrigada ♡ ♡ ♡

  37. Cibele disse:

    É exatamente isso….Os dias são todos iguais!

  38. Gostei de ouvir(ler) isso, precisamos de mais gente que valorize o papel da mulher dentro de casa.

  39. Talita Leal disse:

    Muito obrigada, suas palavras me deram ânimo. Precisava muito ler isso hoje!!!

  40. Fernanda Wendemacher disse:

    Ainda com a pequena no colo… lendo seu texto e cantando para ela dormir, agradeço a vc e a seus textos.
    Boa noite!!!

  41. Adriana disse:

    Sou dona de casa há 15 anos e desde de sempre sinto um preconceito muito grande em relação a essa condição. E ao mesmo tempo que, muitos gostariam, no seu mais intimo sentimento, em estarem participando diretamente em tempo integral da vida dos seus filhos,e por diversas razões, não os fazem.
    É difícil jugar, cada um sabe onde aperta o seu. Porém, infelizmente em contra partida ao machismo, hj se vive o feminismo.
    Sou a favor da liberdade e respeito as escolhas e espero que numa próxima etapa se consiga chegar a consenso entre esses dois lados extremos.
    É preciso que se entenda que crianças precisam ser cuidadas. Nada melhor que os próprios pais para cumprir essa tarefa tão extraordinariamente gratificante e enriquecedora. Afinal, não se trata de um emprego, mas de um trabalho tão digno quanto qualquer outro.
    Que as pessoas parem de rotular e criarem pré conceitos.

  42. Marilia disse:

    Nossa estou em um dilema grande em ir trabalhar ou não e deixar filho em creche, e isso me incentivou a ficar com ele, ele só tem 10 meses e acho que ele precisa muito mais de mim, trabalho fora de casa ficará pra daqui a 1 ano e meio!!!

  43. Me senti alguém depois desse texto rsrss. Depois de dias sendo desvalorizada dentro de casa isso me coforta. Todo dia eu dou o meu melhor por minha familia. Parece q nao vou agentar mas sei que vou

  44. Ana disse:

    Muito bom seu texto. Sou mãe a pouco mais de tres meses,e nesse tempo tive ajuda por 15dias quando a pequena nasceu,fora isso sempre me virei sozinha,com filha,casa,marido,pois meu marido trabalha viajando. Tem dias que eu estou exausta, mas ai minha filha me olha e me da aquele sorrisao mais gostoso,que me recarrega. Ser mãe mil e uma utilidades é muito bom,cansa mas faz parte.

  45. Fernanda Wendemacher disse:

    Boa noite!
    Acompanho e admiro seu trabalho desde o início de minha gravidez (02/2015). Não consegui conter minhas lágrimas ao ler este texto. Obrigada. Mais uma vez vc conseguiu emocionar minha noite. Mais uma vez, obrigada!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail