O que seu filho (realmente) come na escola?

Por 4 Comentários


Confesso a vocês que a alimentação em minha casa não é 100% natural. Embora tente, na medida do possível, oferecer alimentos integrais, orgânicos e evitar o excesso de doces no cardápio de Catarina, minha filha é liberada para comer alguns biscoitos industrializados, bolos caseiros (que obviamente levam uma quantidade considerável de açúcar na receita) e de vez em quando até um pedacinho de chocolate (depois dos três anos de idade e em quantidade mínima, que fique bem claro). Eu fui criada dessa forma, e acabo reproduzindo com ela o padrão – pode comer quase tudo, mas com moderação. Digo quase porque há produtos que simplesmente não compro, por acreditar que não agregam à sua alimentação. Para mim, se tirassem das prateleiras dos supermercados, fariam um grande bem à humanidade.

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

Pois outro dia, estava no mercadinho da rua com Catarina, quando a pequena me pede para levar uma bolacha recheada (justamente um desses itens que eu abomino, pela quantidade de gordura trans e outras porcarias que entram em sua composição). Eu, que parei de comprar tal biscoito há muito tempo (antes dela nascer, inclusive), perguntei se ela sabia do que se tratava.

– “Uhm, é uma delícia, mamãe, eu adoro!”.

– “Ué, filha, mas você já comeu?”

– “Já, meu amigo sempre leva na escola. E a gente troca – eu dou um pedaço do meu pãozinho e ele me dá a bolacha!”.

Ai, ai… E eu que gastei horas procurando opções saudáveis para Catarina levar no lanche, descubro que ela come um monte de coisas que eu jamais sonharia em ter na despensa de casa! E presumindo que eu não conseguiria controlar as “besteiras” às quais ela tem acesso por meio do lanche dos coleguinhas (alguns itens são terminantemente proibidos pela escola, mas bolacha recheada não é um deles), decidi tentar a velha e boa explicação como forma de convencê-la a ficar longe desses pseudo-alimentos.

– “Filha, você já viu isso lá em casa? Não, né? A mamãe não compra porque não faz bem para a saúde. Tem um monte de coisas dentro desse biscoito que são ruins para você. Por isso é melhor não comer – quando seu amiguinho oferecer, você agradece e continua comendo seu lanche, entendeu?”.

– “Mas, mãe, se fosse tão ruim assim, porque a mãe do meu amigo compraria para ele?”.

Ela só tem três anos e me faz cada pergunta…




Arquivado em: Papo de mãe Tags:

Comentários (4)

Trackback URL

  1. Erika Sadats disse:

    Consegui segurar até os 3 anos essas porcarias, hj minha filha com 6 é liberada para refrigerante nos fds, doces não deixo à vontade, mas até quando né?
    Hoje vejo o pai de meu filho de 1 mês tomar refrigerante no café da manhã?????!!!!! Ao perguntar como foi sua infância em termos de alimentação, nos fds enquanto seus pais dormiam de manhã ele colocava sucrilhos e essas bolachas em uma tigela e um copo de refrigerante e ligava a TV. Essa era a rotina nos sábados e domingos.
    E me pergunto, como assim? Minha mãe todos os dias servia todas as refeições nos horários certos e até hoje é assim e olha que tenho mais de 30 anos rs, e é o que eu faço para minha filha com uma rotina certa e nos fds mais amenizada de vez em quando um fast food pois ninguém é de ferro.

  2. erica disse:

    Oi Nivea li e refleti muito sobre o seu post. Vou comecar dizendo que cozinho praticamente tudo organico, e ainda planto batatas, couve , cenoura, beterraba e abobora no meu jardim. Tendo dito isto nao sou uma daquelas maes que vai defender, ate ficar rouxa, que toda a comida do bebe tem que ser caseira. Desde de que engravidei refleti sobre o tipo de mae que queria ser, claro que quero ser a melhor possivel. Mas leio muito sobre relatos de mae que querem ser superwoman e acabam se deprimindo, porque nem todo mundo eh 100% o tempo todo. Entao eu aplico a regra 80/20, ou seja dou papinha de jarrinha, dou comidinha do meu prato, as vezes Deus que me livre, dou uma batatinha. Eh uma questao de equilibrio se 80% do tempo ele comer bem, entao 20% nao vai matar ninguem, nao preciso me sentir culpada por ter dado aquela lasquinha de batata ou um tequinho do meu sorvete ao Luca. Existem nossos ideais e a realidade, e a realidade para mim eh que meu filho nao estara comigo 100% do tempo, entao ira comer sorvete, bolhacha, doce etc. Mas se 80% do tempo eu fizer o certo para ele, possivemente criarei um filho que teve uma infancia feliz. Hoje idealizamos muito tudo, casamento, filhos, emprego, beleza e esquecemos que a relidade eh bem outra. Um dia ele olharara para traz e lembrara daquele sorvete gostoso que dividimos no parque. Beijos

  3. Hiiii…já aconteceu comigo também, mas pelo lado bom. Eu mandava um tipo de fruta e depois ele me contava que tinha comigo 2 ou 3 variedades!! Eu achava muito bacana!!

  4. Então, minha mãe conseguiu me deixar longe do chocolate até os 5 anos com uma desculpinha boba, ela me convenceu que já como era marrom, tava sujo!! E eu não comia mesmo, quando faziam bolo de mármore eu cavava e comia só a parte de baunilha.

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail