O sono aos 3 anos de idade: e os problemas continuam!

Por 29 Comentários


Vou contar uma coisa a vocês: no fundo, no fundo mesmo, o Mil Dicas de Mãe existe por um único motivo – porque Catarina foi um bebê que dormia muito mal. Aliás, que pouco dormia! E isso foi tão enlouquecedor na minha vida, gerou tantos conflitos, que foi a razão por eu ter me lançado à internet à procura de respostas. Foram meses sem dormir direito, com uma pequena que chorava desconsoladamente. E na época eu pensava: isso vai passar.

Eu ouvia de minha mãe: “com três meses, sua filha vai dormir a noite toda. Com você foi assim, com suas irmãs também”. Os primeiros noventa dias de Catarina passaram e eu continuei esperando. “Então será com seis meses, minha filha”. Esse período também se esgotou, e eu não havia voltado a ter noites tranquilas, sem interrupções.

Com mais de 1 ano de vida (quase 1 ano e meio, para ser mais precisa), Catarina me presentou com suas primeiras noites sem acordar. Ah, parecia um milagre! Só uma mãe que já sofreu privação de sono sabe o prazer que se sente depois de voltar a dormir seis, sete horas profundamente. Nas primeiras vezes eu acordava sozinha, e ficava esperando a pequena chorar. Fui até seu berço diversas vezes, para garantir que estava tudo bem (mãe é um bicho estranho: quando tudo está calmo, ela acha que tem algum problema acontecendo!).

É claro que eu achei que depois das primeiras noites bem dormidas, isso viraria rotina em casa. E, por um tempo, isso de fato aconteceu. Como eu não acordava mais durante a madrugada, comecei a dormir um pouco mais tarde, pois sabia que teria horas repousantes em seguida. Mas, infelizmente, isso não durou muito tempo.

Passamos por fases ótimas e outras nem tanto. A cada resfriado, Catarina voltava a ficar manhosa, a exigir minha presença para dormir. E eu, que nunca a suportei chorar, acabava fazendo sua vontade. Às vezes, no auge do cansaço, eu dava uma dura, dizendo que ela deveria dormir em seu quarto e fim de papo. E depois de alguns dias, era o que de fato acontecia.

Até que passamos por duas grandes mudanças quando Catarina completou 3 anos, que influenciaram demais nossa rotina noturna. Uma delas foi o desfralde, sobre o qual eu comentei em uma série de posts. Entre idas e vindas da fralda, Catarina foi desfraldada, e conseguia ficar a noite toda sem fazer xixi.

A segunda mudança foi a troca do berço pela cama. Isso deu autonomia à filhotinha, que aprendeu o caminho do quarto de papai e mamãe. E aí eu tenho que confessar o meu erro: entre levá-la de volta e puxá-la para o meio de minha cama e dormir em seguida, optei pela segunda opção. A mais fácil, a que doía menos em uma mãe que havia passado o dia todo trabalhando, dentro e fora de casa. Mas, é claro, que tudo tem seu preço!

Aos poucos, a nova rotina criada incluía uma visitante na cama dos pais, todas as noites. Por volta das 6h da manhã, e, depois de um tempo, às 4h. O resultado era uma mãe torta, porque não importa se sua cama é king size, o filho quer dormir em cima da sua cabeça!

Com a chegada do outono, o que já não estava 100% piorou. E alguns acidentes noturnos com xixi acabaram acontecendo (e eu conto isso para que outras mães com filhos de 3 anos que passam pela mesma coisa não se sintam sozinhas. Porque, obviamente, já cansei de ouvir que é um absurdo uma criança desse tamanho fazer xixi na cama!). Diminuir a quantidade de líquido para a pequena é quase impossível. Ela sempre foi e continua sendo uma criança que gosta de água! Que pede água, que diz estar com sede. E aí, o que fazer, simplesmente deixar sedenta? Não dá! Por enquanto, estou levando a pequena para o banheiro, no meio da noite. E provavelmente continuarei a fazer isso até a volta do calor.

Então ontem eu me lembrei do livro da Encantadora de Bebês. Aquele cor-de-rosa, que afirma resolver todos os seus problemas (não que tenha resolvido quando Catarina era mais nova!). Li o capítulo sobre os problemas de sono após os dois anos e tenho que concordar com ela: em sua maioria, estão associados à paternidade acidental (termo que ela usa para designar maus hábitos dos pais, que permitem que os filhos desenvolvam rotinas inadequadas). No fundo, eu sei que Catarina não dorme todas as noites em sua cama sem me chamar porque eu permiti que ela fizesse isso. Sinceramente, eu sempre me senti dividida entre fazer todo o necessário para ter uma boa noite de sono e amparar a pequena, sempre que ela precisasse da minha presença.

E eu que um dia achei que tudo estaria resolvido aos três meses… Pois é, nem aos três meses, nem aos três anos! Mas tenho uma amiga que garante: aos quatro anos isso passa!

sono




Arquivado em: Cuidados diáriosSono do bebê Tags:

Comentários (29)

Trackback URL

Sites que possuem links para este Post

  1. O fim do xixi na cama : Mil dicas de mãe | 14 de julho de 2014
  1. Paola disse:

    Oi Nívea querida!
    Quero te dizer que simplesmente adoro tudo o que voce posta e a forma como escreve, voce é uma fofa.
    Agora me desesperei, rs rs! Meu filho tem 7 meses e meio e esta passando por uma fase conturbada do sono, me requisitando muito durante a noite, e pelo jeito nao voltarei a dormir uma noite inteira tao cedo ne.
    Desde o primeiro dia com meu bebe em casa, eu o habituei a dormir no berço, mas confesso que recentemente, devido ao cansaço, levei ele para minha cama algumas vezes… Até me peguei pensando o quão gostoso é dormir com o filho, que a infância passa muito rápido, e me questionei se nao vou me arrepender algum dia de ter mantido meu pequeno sempre no berço. No fundo, sei que o melhor para todos é que ele continue no berço, principalmente pelo fato da rotina de sono dele se iniciar antes da minha e do meu marido (ele dorme as 19:30…20h).
    Espero conseguir manter meu pequeno no seu bercinho/cama!
    Beijos.

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Paola, tudo bem?

      Menina, não se desespere, não! Olha, não é porque minha história com o sono da pequena é conturbada, que a sua será no mesmo jeito. Fico aqui torcendo para que suas noites sejam maravilhosamente repousantes!

      Grande bj para você e para o pequeno,

      Nívea

  2. Olha, não quero desanimar, mas minha filha tem 5 anos e até hoje faz visitas noturnas à minha cama.

  3. Oi, Ana, tudo bem? Isso não me desanima, não. Muito pelo contrário! Faz com que eu sinta que sou uma mãe normal, com uma filha normal :). Bjs!

    • Ana Paula disse:

      acabei não publicando tudo… Na verdade, nem me incomodam as visitas dela. às vezes acabo deixando-a na minha cama e vou para a dela, para poder me esticar e dormir melhor

  4. Nívea Salgado , acabei não publicando tudo… Na verdade, nem me incomodam as visitas dela. às vezes acabo deixando-a na minha cama e vou para a dela, para poder me esticar e dormir melhor.

  5. Lígia disse:

    Meu caso é quase igual ao da Paola (acima), meu bebê tem 11 meses e meio e no começo dormia bem no berço, acordava de 3 a 6 vezes durante a noite para mamar e logo em seguida voltava a dormir no berço. Até que algumas noites eu comecei a achar mais fácil traze-lo para nossa cama perto da hora de acordarmos e ele foi se acostumando e “acordando” cada vez mais cedo, sossegando só na nossa cama! Ainda o colocamos no berço, mas antes ele pega no sono no nosso quarto e depois então vai para o dele em seu berço. E eu estou sempre dividida. Enquanto algumas mamães fazem coro a favor de cama compartilhada, outras abominam a prática e eu sinceramente fico sem saber o que fazer! Daí eu leio suas postagens e me sinto até mais normal rsrs!!

    • Nívea Salgado disse:

      Nossa, Ligia, eu também sempre fiquei dividida. Tem dias em que eu adoro quando a pequena aparece à noite (principalmente nas noites de frio, tadinha!), outros em que tudo o que eu queria é ter espaço para dormir tranquilamente.
      Mas vamos em frente, que tudo dá certo! Quando piscarmos, eles já terão crescido!
      Grande bj,
      Nívea

  6. Cristina disse:

    Olá Nívea, ler seus textos, principalmente os relacionados ao sono, me deixam mais confortável, pensando que não estou só nesta busca da noite de sono! rsrsrs
    O Enzo tem 1 ano e quase 4 meses, e não tivemos ainda uma noite de sono inteira desde que nasceu.
    E olha que mantenho uma rotina, o deixo adormecer no berço e não o levo para minha cama. Porém, o berço dele fica no meu quarto, assim pelo menos o caminho fica mais curto para fazê-lo dormir de novo quando acorda.
    Pesquiso bastante sobre o tema. Cheguei a pensar que a amamentação seria o “problema” (ele ainda mama no peito), mas já li relatos de mães que amamentam no peito e seus filhos dormem a noite toda desde os três meses.
    Cheguei a conclusão de que o ritmo de sono pertence a cada bebê e que quem conseguir a receita, ficará rico. rsrsrs
    Mas vamos ficar na expectativa da primeira noite de sono completa.
    Abraços e parabéns pelo trabalho maravilhoso.

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Cristina,

      Ficarei aqui na torcida pela sua primeira noite de sono completa! Depois me conta, ok?

      Beijos pra vc e para o pequeno,

      Nívea

  7. Rachel Castro disse:

    Eu também não quero desanimar ninguém, minha filha tem 04 e meio ela também até hoje faz isso, e não é somente como a encantadora de bebês publicou, mas vem muito da personalidade da criança, e não só porquê permitimos isso não.

  8. andrea disse:

    Eu tenho gêmeas com 2,4 meses e estou sofrendo com isso também … não posso deixar chorando uma para não acordar a outra e quase todas as noites uma delas ou as duas acordam e vem pra minha cama, q não é uma king e isso é péssimo para a familia inteira.
    tem dias q fico com um mal humor tão insuportável q nem sei como meu marido me aguenta.

  9. Fer disse:

    A minha tambem tem 5 anos e nao dorme ate hoje..

  10. Patricia disse:

    Olá, Nívea! A minha menina está com 4 anos, e até algumas semanas ainda fazia visitas na nossa cama,rs. Consegui fazer ela dormir lá porque fico com ela até ela dormir e também deixo o DVD ligado, para ela se sentir ‘mais segura’. Mais não se preocupe, todas as crianças dessa idade ainda vão para a cama dos pais.
    Mil beijos ❤
    http://mundinho-de-arianne.blogspot.com.br/

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Patricia,

      Ouvir que isso acontece com outras mães sempre é um alento! Muito bom saber que tem gente que entende as dificuldades por que passamos.

      Grande beijo,

      Nívea

  11. Olá, Nívea! A minha menina está com 4 anos, e até algumas semanas ainda fazia visitas na nossa cama,rs. Consegui fazer ela dormir lá porque fico com ela até ela dormir e também deixo o DVD ligado, para ela se sentir ‘mais segura’. Mais não se preocupe, todas as crianças dessa idade ainda vão para a cama dos pais.
    Mil beijos ❤

  12. Thais Semionato disse:

    Nívea, você que é PhD, esqueça os livros dessa Tracy Hogg e leia os livros do Dr. Carlos Gonzales, que são totalmente embasados na mais recente pesquisa em pediatria! Lá você encontrará a maioria das respostas para as questões de sono e muito mais! Infelizmente não estão traduzidos para o português até onde eu saiba. Recomendo o Bésame Mucho (Como criar a tus hijos con amor), Entre tu pediatra y Tú, Creciendo juntos. Se tiver o kindle é só baixar. Abraços e parabéns pelo blog super legal e que acompanho com frequência.

  13. Ola. Muito bom ler esses relatos é ver que não sou a unica que passo por esses transtornos. Meu pequeno tem 11 meses, é até os 6 dormia que era uma beleza, mas agora resolveu dar um trabalho danado pra adormecer, sem falar que quando dorme acorda a cada duas horas chorando muito. Estou muito, muito cansada, mas estou procurando ter paciência e esperança de que um dia vou voltar a dormir bem anoite.
    Parabéns pelo blog…

  14. Pequena Sofia disse:

    Oi Nívea! A Sofia esta com 4 anos e dorme em sua cama desde bebê, mas acho que como toda criança faz suas visitas a minha cama algumas noites.
    Bjs
    http://pequenasofiaemanuelle.blogspot.com.br/

  15. Ana Paula Magri já fiz isso também, de ir para a cama dela para dormir melhor! Bjs!

  16. Nossa, bate um cansaço mesmo, né, Camilla? Sei exatamente qual é a sensação! Grande beijo e força aí, que dá tudo certo :). Bjs, Nívea

  17. Nossa, Thais, fiquei super interessada! Vou ler com certeza!

    Obrigada pela dica 😉

    Grande beijo,

    Nívea

  18. Thais Semionato disse:

    Nívea Salgado Só uma correção, é Carlos González….;)

  19. Sueneyde Holanda disse:

    minha filha nao dorme nadinha ja nao sei mais o que faço ela ja tem um ano e tres meses

  20. Jéssica disse:

    Olá, nossa minha filha é exatamente assim. E vivi e ainda vivo tudo o que você escreveu. Minha mãe sempre falou calma filha isso é fase vai passar. E confesso que o amor que você tem pelo seu filho seja maior. Não é fácil ficar dias sem dormir 5 horas seguida. Dormir de picado 2 em 2 horas ou meu caso de 1 a a hora. Hoje com 1 ano e 7 meses minha filha Luíza já dorme bem melhor. Mas ainda faz umas manhas ao decorrer da noite. Conformei que quando se é mãe, nunca mais terá um noite de um sono profundo e tranquilo. Mesmo com filhos com 20 anos de idade a preocupação será outra. Enfim parabéns para nós, por sermos mãe. E assumo, não é facil !

  21. Lorena disse:

    Oi Nivea. Estou na mesma situaçao que vc! Minha filha tem 3 anos e meio e nunca foi de dormir a noite toda. Quando dorme é de se estranhar e sou eu quem acorda pra ver se está tudo certo. Ultimamente percebi pesquisando pela internet que elaa esta tendo quadros de terror noturno. Toda santa noite ela acorda chorando desesperada e parece nao me reconhecer. Isso sempre ocorre mais de um vez na noite. Eu e meu marido estamos exaustos e nao sabemos mais o que fazer!! Sera que tem algum tratamento medico para isso? Obrigada!!

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Lorena, tudo bem?

      Imagino o quanto você e seu marido devem estar cansados! A notícia boa é que melhora, viu? Hoje, aos 5 anos, Catarina dorme bem melhor.

      Sobre o terror noturno, aqui vivenciamos dois episódios. O segredo foi colocar a pequena na cama antes, e eles pararam de acontecer. Comecei a perceber que tinha muita relação com o grau de cansaço dela, talvez seja uma dica válida por aí também.

      Beijos!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail