Anorexia: fique atenta desde a infância!

Por 0 Comentários


Eu gosto muito quando recebo pedidos específicos das leitoras sobre temas. E algumas mães já me escreveram sugerindo que falássemos aqui no blog sobre anorexia/bulimia. Eu acho o assunto importantíssimo, pois é um cenário em que a ação dos pais e da família em geral pode fazer toda a diferença. Por isso convidei a nossa super hebiatra Bianca Lundberg para conversar conosco sobre o tema.

Quando recebi seu texto, o que mais me chamou a atenção foi o momento em que ela reproduz o diálogo entre um pai e uma menininha. Interessante perceber que tipo de programação colocamos na cabeça de nossos filhos (sim, acredito que desde pequenos podemos ter atitudes que facilitam a ocorrência dessas doenças!). Com vocês, a especialista! E fiquemos atentas!

Por Dra. Bianca Lundberg

peso

Numa tarde quente de sábado, estava eu terminando meu sorvete quando uma menina de uns 4 anos, chegou na vitrine para escolher seu sabor. “Papai, eu já sei! Quero o de chocolate!”

Eis que escuto do pai: “Não, filha! Sabe quantas calorias tem esse? Você vai ficar com barriga, gorda, feia! Escolha o de limão ou de abacaxi e pronto.”

Como é que é? E a menina aparentemente saudável de QUATRO anos acabou de aprender que ser gordo é ser feio.

Isso me motivou a comentar um pouco com vocês sobre um problema cada vez mais comum nos hospitais e consultórios: os transtornos alimentares.

Engana-se quem pensa que a anorexia restritiva e a purgativa (também conhecida como bulimia) são “novas no pedaço”. Há relatos de jovens com restrição alimentar e práticas purgativas desde a Idade Média, naquela época relacionados à religião (como que, ao se purificarem sem comida, elevariam seus espíritos).

Só foi descrito no século 17, no entanto, a conexão entre essas afecções e alterações psicológicas.

Isso eu faço questão de reforçar: os transtornos alimentares são DOENÇAS sim, e não uma “bobagem”, “moda”, “frescura”, como já escutei de muita gente.

E se antigamente só se viam mocinhas com essas doenças, nas últimas décadas a incidência aumentou também em pré-adolescentes, rapazes e mulheres mais velhas.

Tanto a anorexia restritiva quanto a purgativa são multifatoriais, com influências genéticas, biológicas e ambientais. Quem tem algum parente com a enfermidade tem mais chance de desenvolvê-la; um trauma de infância pode ser o estopim.

Sobre a influência ambiental: o acesso quase que irrestrito aos estímulos da mídia, quase sempre favorecendo os corpos esguios e os relacionando ao sucesso e felicidade, faz com que as práticas a favor dos transtornos  sejam  difundidas com uma velocidade incrível. Sites e blogs pró-doença, por exemplo, promovem encontros, dão dicas e enaltecem o chamado estilo de vida das “Ana e Mia” (pessoas anoréxicas e bulímicas).

O termo anorexia, do grego “sem apetite”, não expressa bem o que acontece. Os pacientes não ficam inapetentes, porém o medo extremo de ganhar peso – ou de não emagrecer – supera qualquer desejo por comida. Quanto mais perdem peso, mais estimulados e fortalecidos ficam. Têm grande conhecimento sobre valor nutricional dos alimentos, jejuns e dietas. Conferem seu peso na balança e praticam exercício físico com frequência ( às vezes escondido, inclusive).

Bulimia, por sua vez, vem do grego “fome de boi”. Explicando: existe uma ingestão alimentar descontrolada, os pacientes comem compulsivamente milhares de calorias, Depois disso, há o medo de engordar, que leva aos comportamentos purgativos: uso de laxantes, diuréticos e indução ao vômito ( geralmente logo após a refeição), aliados a longos períodos de jejum e exercícios extenuantes.

No começo, nem sempre percebemos a anorexia ou bulimia nas pessoas próximas. Se os transtornos persistem, notamos que o indivíduo pode não crescer como o esperado, deixar de menstruar ( ou nem começar a menstruar), perder os cabelos e o viço da pele. A longo prazo,  há queda de imunidade, anemia e muitas outras deficiências, como a osteoporose. Na bulimia também vemos alterações relacionadas à indução crônica do vômito, como calos nos dedos, dor de garganta, erosão do esmalte dentário e sangramentos gástricos.

São doenças que podem levar a uma péssima qualidade de vida e à morte, se não identificadas e cuidadas a tempo. E é esse o problema. Como os pacientes negam sua condição, acreditando que seja uma escolha de vida, postergam o pedido de ajuda. Por isso, o primeiro conselho é prestar atenção na rotina daquela pessoa, saber seus hábitos, se importar com ela. Assim, se algo se modificar, talvez seja mais fácil de perceber.

A chave do tratamento costuma ser a família e o círculo de amigos, que devem ser firmes e atentos, porém carinhosos e parceiros. Estes devem se incluir na tentativa de cura junto com o paciente, através de terapia e grupos de ajuda. Trata-se de um esforço multiprofissional, com médicos, psicólogos, nutricionistas, educadores físicos e outros, com o objetivo de retorno lento e gradual a uma alimentação mais próxima do saudável, além de proporções corpóreas adequadas. As recaídas não são raras, por isso é um trabalho para a vida toda, com amor.

bianca




Arquivado em: AdolescênciaSaúde Tags:

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail