Quando isso tudo passar

Por 33 Comentários


Acho que sempre que passamos por um período de transformação, ficamos mais sensíveis ao que está em nosso redor. Como já comentei com vocês recentemente, estou vivendo um momento como esse, por isso os inícios e as finalizações que a vida nos impõe têm sido objeto da minha atenção. Nessa semana, por exemplo, li um texto de uma mãe americana que mexeu muito comigo. Nele, ela falava sobre o último filho e o sentimento que ele desperta, de que mais uma fase chegou ao fim. A última fralda, a última mamadeira, o último brinquedo jogado pela casa, tudo isso vai nos mostrando, pouco a pouco, que o tempo está passando e que não retornará. E começa a dar aquela saudade do que hoje ainda se tem, porque você sabe que em breve não terá mais.

Fiquei pensando que esse é a sensação exata de quem tem um filho único, como eu. Porque quando você sabe que terá mais filhos (ou pelo menos pretende tê-los), é como se existisse uma segunda chance para viver tudo de novo (e aí você, de fato, só terá o sentimento de que a infância está deixando sua casa quando o caçula começar a fugir de seus beijos, ou pedir que você o deixe a metros do portão do colégio). Mas com apenas um, você quer agarrar o instante – ou você o aproveita intensamente ou, em um piscar de olhos, seu filho estará crescido. Ao me despedir do meu antigo emprego, uma colega de trabalho que tem aproximadamente a idade da minha mãe me disse: “querida, espero que você seja muito feliz nesse novo caminho. Mas, acima de tudo, espero que você esteja perto da sua filha”. Ela, também mãe de um filho único, já está em um “capítulo adiantado desse mesmo livro” (hoje ele mora em outra cidade, onde é casado e tem uma filhinha; e ela, tenho certeza, gostaria de estar de volta ao tempo em que ele não lhe deixava um momento de descanso), por isso seu conselho me calou fundo.

Filha, um dia você talvez leia esse post, e quando o ler, saiba que eu sentirei muitas saudades de deitar ao seu lado em sua caminha até que você pegue no sono. Sentirei saudades do que você me diz, todos os dias, antes de dormir: “mamãe, eu te amo toda hora” (ao que eu respondo: “eu também, filha, te amo toda hora”). Sentirei saudades de fazer um enroladinho de Catarina com a toalha e levá-la até o quarto para trocá-la depois do banho. Sentirei saudades dos seus cachinhos e de acariciá-los, cantando “Debaixo dos caracóis dos seus cabelos…”. Ah, e como sentirei falta de você correndo para mim no portão da escola, com seu sorriso de orelha a orelha, como que dizendo: “agora estou indo para minha casa, para minha família”.

Acho que, mais do que tudo, sentirei saudades de saber o quanto hoje eu sou importante na sua vida. De saber que apesar de todos os meus defeitos, você me considera a melhor mãe do mundo. De ver o quanto você é feliz (afinal, você tem as coisas de que mais gosta do mundo: pernas para correr, macarrão, água e suco!). Ah, quanta beleza na sua simplicidade! Pena que não dá para pedir: “filha, por favor não cresça”.

O que mais seria felicidade se não desejar que tudo fosse exatamente como é hoje?

quando




Arquivado em: Papo de mãe Tags:

Comentários (33)

Trackback URL

Sites que possuem links para este Post

  1. As 10 fotos que você precisa tirar no primeiro dia do bebê : Mil dicas de mãe | 10 de março de 2014
  1. Jocelaine disse:

    Ai que lindo Nívea, chorei 🙁
    Você não pretende ter mais filhos?
    Um beijo

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Jocelaine, tudo bem?

      Infelizmente ao que tudo demonstra, não será possível ter mais um 🙁

      Mas sou extremamente feliz e agradecida por ter conseguido Catarina, então já está bom demais!

      Bjs

  2. Bibi disse:

    Não consegui ler tudo… fiquei emocionada e com medo da realidade!

  3. Estou com lagrimas nos olhos , linda sua descrição.

  4. LINDO! como você descreve exatamente o sentimento de toda mãe amorosa e consciente das alegrias que o filho nos traz…..e as saudades quando começa a crescer e ter a sua própria vida….

  5. Ai meu Deus…meu bebe tem sete meses,mas eu morro de chorar só de pensar que o tempo está passando…eu não quero perder meu bebezinho,porém ao mesmo tempo eu fico feliz por ver ele se desenvolvendo e evoluindo…sei que querer ele bebezinho para sempre é egoísmo,pois ele é uma pessoa, um ser humano que eu apenas trouxe ao mundo para ajudá-lo e cuida-lo até quando ele precisar de mim,mas que dói saber que ele irá crescer e logo eu não serei a mais importante,ah isso dói e muito… e por mais que eu vá ter outros filhos…acredito que não mudará em nada pq ele é único….ele bebe não voltará nunca mais…

  6. Marcieli disse:

    Muito lindo. Adorei. Não tem como não se emocionar com esse texto. Parabéns

  7. Ceila disse:

    Ai Nívea…não vale…
    você me fez chorar mais uma vez…porque isso que você escreveu é exatamente como eu sinto. Lendo você falar da sua filha, era como se fosse de mim da minha filha…Que bom que esse sentimento é comum…e assim como você quero aproveitar ao mááááximo esses momentos pra depois ter como me lembrar até dos detalhes… Um beijo enorme a você e sua família!!!

  8. Shirleuy disse:

    Só consegui ler hoje. E quase chorei. Lindo!

  9. Fabiana Dourado disse:

    Que texto lindo! Parabéns! Sou uma devoradora do seu blog! Até anoto suas dicas! Tenho dois filhos, um de 4 anos e um bebê de dois meses, e no silencio da madrugada (como vc mesmo descreveu em outro post, na solidão da maternidade nos primeiros meses) encontrei seu cantinho na web e amei! Já li diversos artigos e gostaria de parabeniza-lá. Vc é sensível e descreve muito bem nossos sentimentos de mãe.
    O post que, ora comento, me emocionou por descrever o que sinto…
    Um abraço enorme para vc e saúde e paz para sua família!
    Fabiana

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Fabiana, obrigada pelo carinho do seu comentário. É por mensagens como a sua que eu me animo a continuar o trabalho no blog!

      Um grande beijo para você também, e para os dois filhotes!

  10. Muito bom seus artigos.Gostaria de aproveitar para divulgar meus bem casados.Veja meu facebook eliana bemcasados.Parabéns pelo seu blog!

  11. Bianca disse:

    Lindo texto… chorando muito.
    Queria tanto q minha filha ficasse sempre criança.
    Sou mãe de filha única também.. rsrsrs
    Adoro seu blog, aprendo muito com ele. Parabéns

  12. Mariana Lopes disse:

    Estou adorando seus textos, descrevem perfeitamente os sentimentos das mães

  13. Monique disse:

    Estou pela primeira vez aqui no blog… Aqui em casa a fase esta sendo de planejamento para passarmos a tentantes.
    E passarmos a ter um baby delicia por aqui!
    Fiquei super emocionada com esse texto!! VC escreve divinamente bem,
    parabéns, pelo belo texto, pelo blog e principalmente pela linda Catarina

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Monique, tudo bem?

      Seja bem-vinda ao blog! Desejo que em breve você nos conte muitas novidades sobre um bebê a caminho!

      Obrigada pelo carinho e vamos nos falando, ok?

      Abraços,

      Nívea

  14. Priscilla Saber disse:

    Chorando aqui lendo o seu texto! Lindo!

  15. que lindo texto, e como realmente é verdade este sentimento que nos toma, de saudades dos nossos bebes….ai que saudades. CHOREI…

  16. Maravilhoso! Lindo texto. Me emocionei… ainda mais deitada ao lado do meu pequeno nesse instante…

  17. Teruyo disse:

    Nivea, que lindo e emocionante , difícil conter as lágrimas….outro dia , me peguei pensando nisso.
    Deus me deu o maior presente nesta vida, Rafaela e Valentina, hoje com 1 ano e 8 meses,curto, e agradeço cada dia e cada instante que passo ao lado delas…
    Bjs , felicidades e obrigada pelas palavras!

  18. Cátia Faccini disse:

    Chorei e ao mesmo tempo fiquei muito feliz com esse simples texto, faço tudo relacionado a Bárbara como se realmente estivesse vivendo aquilo pela última vez, iniciando já na gestação, com total entrega e intensidade… Largo tudo, não olho para os lados pq ela é a minha prioridade e vivo tudo que ela pode oferecer a mim desde o primeiro momento que eu soube que ela existia na minha vida.
    O futuro a Deus pertence, não sei se vou, se quero verdadeiramente ou poderei viver a maternidade novamente e diante disso eu vivo, entrego-me, arrisco-me e muitas vezes acabo anulando meus desejos em função de algo que faz de mim uma pessoa muito mais feliz e melhor.
    Sim, cometo minhas falhas, erro em muitas coisas nesse papel de mãe por excesso (reconhecer já é meio caminho andado rsrsrs), estou quase que totalmente afastada de muitos que eu amo e sinto saudades, não faço as unhas, não sou mais um poço de vaidade, não tenho mais o corpo “perfeito” e sou grata a Deus por tudo isso. Seria hipocrisia dizer que as coisas anteriores não são frutos de grandes saudades e seria hipocrisia maior ainda dizer que não me importo com a minha imagem no espelho mas… a criatura que eu tenho dormindo ao meu lado na cama nesse exato momento é muito maior que tudo isso.
    Nem todas a mulheres seriam capazes de encontrar a felicidade em tantas renuncias e em tanta instabilidade. As mulheres que não querem viver isso devem ser imensamente respeitadas mas… sou muito feliz por ter me arriscado tanto e ter aceitado embarcar nessa viagem sem volta (é apavorante saber que é sem volta mesmo!).
    Conheço um amor que jamais seria capaz de imaginar existir, descubro que acordo muito mais forte que a Cátia do dia anterior, sinto, sim, a necessidade de viver cada primeira experiência da minha filha, tenho que ter isso registrado no meu coração (pois sei que a memória falhará um dia) e sei que isso vai passar e novamente terei tempo para mim, para meus amigos e parentes queridos, para novas aventuras e novas fases, tudo isso com a certeza de que eu fiz o meu melhor e com a certeza de que eu não deixei nada perdido no passado. Boa sorte para todas nós nessa caminhada!

  19. Cínthia disse:

    Nossa….sabe aquela sensação de nó na garganta? É exatamente o que senti ao ler seu texto! Como você é inspirada Nívea! Escreve exatamente aquilo que sentimos, mas não sabemos como explicar! É demais!
    Eu tenho a cabeça meio bagunçada, sabe (rsrsrs) e quando quero explicar o que estou sentindo me enrolo toda…estou pegando seus textos e mandando pro meu marido, pois só assim ele vai conseguir entender o que eu sinto…hahahahaha…
    Tenho uma filhotinha de 11 meses e quero ter mais, mas nunca sabemos o que Deus reserva pra nós, então procuro aproveitar ao máximo cada momento que tenho com ela! Infelizmente, trabalho o dia inteiro e preciso deixá-la na creche em período integral e desde que voltei ao trabalho sinto o tempo escorregando pelas minhas mãos…gostaria muito de poder estar mais tempo com ela, aproveitando cada minuto desta fase de descobertas…
    Obrigada por suas lindas palavras =)

  20. Bruna Raine disse:

    Muito lindo!! Chorei aqui. Minha pequena só tem três meses e eu já sinto isso, por saber que um dia ela vai crescer e tudo mudará. Meus planos sempre foram de ter um único filho, mas logo após o nascimento dela, me bateu uma saudade da gestação, da ansiedade gostosa das eco, da tão esperada hora do parto!!! E hoje já mudei minha opinião, quero muito outro filho, não agora mas um dia quero passar por td isso de novo, e ter um bebezinho em meus braços.
    Parabéns suas palavras são lindas!!!

  21. Ana disse:

    Obrigada por expor em palavras o que eu sinto!
    Não posso mais ter filhos e vivo isso todos os dias… Um medo de não curtir a última ou a primeira vez que minha pequena faz alguma coisa…

  22. Daiane Salles disse:

    Nosso muito emocionante!!! Chorei litros lendo isso, e olhando minha filha de apenas 5 meses dormindo no berço 😭😭😭😭😭

  23. Suelen Aparecida Fornari disse:

    Impossível não chorar….. exatamente como me sinto!!!!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail