Empreendedorismo materno: será que você topa essa?

Por 7 Comentários


No mês passado, publiquei um post que falava sobre a relação entre carreira e maternidade, que foi muito bem aceito pelas leitoras do Mil Dicas de Mãe. Depois dele, recebi algumas mensagens de mães que estavam avaliando sua vida profissional, pensando em trocar um trabalho de oito horas diárias por algo que lhes desse maior flexibilidade e que permitisse um maior contato com os filhos. Uma das dificuldades relatas por elas é que não sabiam por onde começar um negócio próprio, apesar de saberem o que gostariam de vender ou oferecer ao público.

empreendedora

De fato acho que a formação da nossa sociedade no quesito empreendedorismo ainda é muito falha. Nas escolas, a minha geração (e mesmo hoje acho que pouca coisa mudou) não era incentivada a empreender, e sim a simplesmente estudar para passar no vestibular, aderir a uma profissão já “pronta” (claro que ter uma boa formação universitária pode ajudar, e muito, ao empreendedor, mas em geral não era esse tipo de interesse na profissão que eu notava). Você conversava com os colegas e ouvia que eles queriam ser médicos, advogados, arquitetos, mas ninguém falava que queria abrir uma loja para vender um determinado tipo de produto, ou que tinha como sonho criar um serviço diferenciado. E talvez pela falta dessas informações, parece que empreender é algo de outro mundo.

Como também estou numa fase de me perguntar se eu encaro essa empreitada, resolvi pesquisar um pouco sobre o assunto. E queria dividir com vocês algumas coisas que pesquei por aí. Você pode começar, por exemplo, se inspirando em exemplos de outras mães que já empreenderam e contam um pouco de suas experiências, o site Empreendedorismo Materno. Vale a pena ler as entrevistas para que você tenha uma ideia mais próxima da realidade da mãe empreendedora (porque dá uma vontade enorme de largar o emprego ao fim da licença maternidade e dizer: “ok, agora eu trabalho em casa e fico perto da cria”; mas se não houver planejamento, apoio da família, organização, as coisas ficarão bem complicadas!). É gostoso perceber como elas contam com amor sobre a escolha de trabalhar por conta própria, como isso facilita o contato com os filhos, como dá flexibilidade, e até como ajuda na amamentação em livre demanda. Mas por outro lado, o trabalho é intenso, muitas vezes madrugada afora, e o retorno financeiro pode demorar a acontecer.

Outra dica para quem quer empreender e ainda está no período de incubação da ideia, de partir para as vias de fato, é procurar um profissional de coaching. Mas afinal o que é isso? É alguém que funciona como um guia para que você faça uma reflexão e entenda melhor seu papel no mundo e como atingir seus objetivos. Você gostaria de empreender e ainda não sabe como? Ou o que tipo de empreendimento tem a ver com você? Então talvez essa conversa tenha muito a te acrescentar! Para quem se interessou, no site do Empreendedorismo Materno (que citamos acima) tem o acesso para o Natural Coaching, e outro super bem recomendado é a Rede Ubuntu, que conta inclusive com um programa específico para mães.

Agora falando sobre algo mais prático, há sites que podem ajudar muito a mãe que se interessa em se tornar uma empreendedora. O site do Sebrae, por exemplo, oferece cursos gratuitos pela internet para quem está no período de planejamento ou para quem já tem uma empresa e quer otimizá-la. Lá você conseguirá reunir informações sobre como iniciar um empreendimento, como fazer um plano de negócios, controle financeiro, vendas, e muito mais. Você sabia, por exemplo, que é possível ser um microempreendedor individual, se o faturamento da sua empresa for de até R$60.000 por ano (ou, o equivalente a R$5.000/mês)? Pagando uma taxa fixa mensal que gira em torno de R$35 a R$40, você poderá emitir notas fiscais e abrir uma conta jurídica, além de ter acesso a benefícios como auxílio maternidade, auxílio doença, aposentadoria, entre outros. Quem se interessou pode ir direto ao site do governo sobre o assunto, clicando aqui.

Espero assim dar um pontapé inicial para que mais e mais mães se tornem empreendedoras por aí!

 




Arquivado em: Papo de mãe Tags:

Comentários (7)

Trackback URL

  1. Adorei as dicas. Estou no período de "incubação de idéias" e vou pesquisar todos esses links… Obrigada! Dani A.

  2. Oi Nívea,

    Há tempos leio seu blog, gosto muito!

    Empreender no Brasil não é fácil, porque além de não haver incentivo nas universidades, como você mencionou, não há também incentivo do governo, sendo muitas vezes difícil manter o próprio negócio (abrir não é tanto o problema). Com isso, culturalmente o brasileiro não consegue se enxergar empreendedor.

    De qualquer modo, eu sou uma das mães que trabalham em casa, mas comecei antes de ter meu filho. Sou tradutora, e uma das situações ideais para um tradutor é ser autônomo e trabalhar de casa. Gosto e me identifico muito com esse perfil, mas entendo que nem todo mundo consegue lidar com todas as obrigações resultantes, e até mesmo com o “isolamento” de não ter um local de trabalho (a internet mudou muito isso e há muitas comunidades profissionais virtuais). Fora o fato de que nem sempre ter essa flexibilidade significa trabalhar menos, e a gente não conta com a compreensão de todo mundo, infelizmente.

    Parabéns por ter abordado o assunto e pelas dicas dos sites. É preciso mesmo pensar muito a respeito, se informar e buscar qualificação.

    Abraços!

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Lorena, obrigada por compartilhar conosco a sua história!

      Você tem razão, faltam incentivos governamentais para que seja mais viável abrir uma empresa no Brasil. Eu acho que a possibilidade do microempreendedor individual já foi um avanço nesse sentido, mas ainda dá para melhorar bastante.

      Também concordo com você que para trabalhar em casa é preciso ter um determinado perfil (que, aliás, pode ser desenvolvido, mas que já é natural em algumas pessoas). O isolamento de trabalhar em casa é um deles, mas contornável com a internet, os hangouts, etc. Para quem consegue almoçar com um amigo, ou participar de eventos, isso certamente é minimizado. E de fato, trabalhar em casa pode significar até trabalhar mais horas, mas com a vantagem de não se gastar tempo com deslocamentos, principalmente em grandes cidades.

      Como em tudo na vida, há seus prós e seus contras, mas funciona bem para muitas mulheres que se tornaram mães!

      Um grande abraço,

      Nívea

  3. ótimas dicas! Parabéns pela abordagem!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail